Desenvolvimento motor em crianças institucionalizadas no serviço de acolhimento em um município do Oeste Catarinense

Autores

  • Daiara Macagnan Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.
  • Fernanda Canei Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.
  • Franciele Miranda da Maia Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ. http://orcid.org/0000-0002-0031-8364
  • Francieli Caroline de Ramos Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.
  • Luan Felipe Copati Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.
  • Michele Cristina Minozzo dos Anjos Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.
  • Paula Zeni Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.

DOI:

https://doi.org/10.22298/rfs.2016.v4.n2.3681

Palavras-chave:

Tecnologias e Trabalho. Processo de Orientação. CAPES. Processo de Bolonha.

Resumo

Introdução: A infância é uma etapa importante da vida do indivíduo, pois as experiências vividas nela repercutirão positivamente ou negativamente nas próximas fases cronológicas do sujeito. Em situações como carência de recursos materiais da família, abandono pelos pais ou responsáveis, violência doméstica, dependência química de pais ou responsáveis e vivência na rua, as crianças vítimas dessas condições são institucionalizadas. Contudo, vários estudos exploram o assunto vivência institucional e trazem opiniões divergentes quanto a suas repercussões. Objetivo: Avaliar o desenvolvimento motor de crianças institucionalizadas em abrigo em um município do Oeste Catarinense, por meio da Escala de Desenvolvimento Motor (EDM) para avaliação de crianças de 2 a 11 anos de idade. Materiais e métodos: O estudo caracterizou-se como uma pesquisa quantitativa de caráter descritivo, com amostra intencional, realizado no abrigo municipal de Chapecó/SC, entre março e abril de 2016. Foram avaliadas 9 crianças. O instrumento de avaliação utilizado foi a Escala de Desenvolvimento Motor (EDM) que permite avaliar o desenvolvimento de crianças de 2 a 11 anos, abrangendo as seguintes áreas: motricidade fina; motricidade global; equilíbrio; esquema corporal; organização espacial; organização temporal e lateralidade. Os dados encontrados foram analisados estatisticamente no programa Excel, Windows 8.1. Conclusão: O desenvolvimento motor das crianças institucionalizadas foi adequado para a faixa etária (77,78%), sugerindo que a vivência numa instituição de acolhimento não compromete o desenvolvimento.

Palavras-chave: Abrigo; Institucionalização; Fatores de risco.

Biografia do Autor

Daiara Macagnan, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.

Acadêmica do Curso de Fisioterapia.

Fernanda Canei, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.

Acadêmica do Curso de Fisioterapia.

Franciele Miranda da Maia, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.

Acadêmica do Curso de Fisioterapia.

Francieli Caroline de Ramos, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.

Acadêmica do Curso de Fisioterapia.

Luan Felipe Copati, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.

Acadêmico do Curso de Fisioterapia.

Michele Cristina Minozzo dos Anjos, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.

Docente do Curso de Fisioterapia.

Paula Zeni, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.

Docente do Curso de Fisioterapia.

Downloads

Publicado

2017-05-29

Como Citar

MACAGNAN, D.; CANEI, F.; MAIA, F. M. da; RAMOS, F. C. de; COPATI, L. F.; ANJOS, M. C. M. dos; ZENI, P. Desenvolvimento motor em crianças institucionalizadas no serviço de acolhimento em um município do Oeste Catarinense. Revista FisiSenectus, Chapecó, Brasil, v. 4, n. 2, p. 44–51, 2017. DOI: 10.22298/rfs.2016.v4.n2.3681. Disponível em: http://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/fisisenectus/article/view/3681. Acesso em: 20 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos