AVALIAÇÃO DA REPELÊNCIA DE ALLIUM SATIVUM, L. (ALHO) VISANDO O CONTROLE DE NAUPHOETA CINEREA (OLIVIER, 1789)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24021/raac.v19i1.6225

Palavras-chave:

Alicina., Blaberidae., Insetífugo., Composto químico.

Resumo

Alguns dos princípios ativos provenientes de plantas podem causar diferentes efeitos sobre os insetos como repelência. Dentre as plantas utilizadas encontra-se o alho. Seu odor característico está relacionado com a presença de metabólitos secundários, que eventualmente podem proteger a planta contra insetos e fitopatógenos. Objetivou-se com este trabalho avaliar a ação repelente de Allium sativum L. (alho), sobre Nauphoeta cinerea (Olivier, 1789) (Blattodea: Blaberidae). Foram utilizados três indivíduos, um sem marcação, e dois marcados com corretivo líquido à base de água (New Magic®), um desses com tinta azul e o outro com tinta vermelha, foram mantidos em uma caixa plástica, cuja tampa foi retirada e colocada um sombrite, o fundo da caixa foi dividido em quatro quadrantes numerados, com alimento e água disponível, e acompanhados por um período de duas horas, com o extrato vegetal colocado em um dos quadrantes. Os dados apontaram eficácia com o uso do extrato aquoso, do óleo Guarlic Guard®, do extrato alcoólico e do vegetal a seco. O vegetal in natura não teve resultado significativo. Sendo assim, extratos vegetais de A. sativum podem ser uma alternativa a inseticidas químicos no controle de populações de baratas, apresentando vantagens de baixo custo econômico, de fácil preparo e com menor impacto ambiental.

Biografia do Autor

Afonso Pelli, UFTM

Departamento de Patologia, Genética e Evolução. Instituto de Ciências Biológicas e Naturais. Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Av. Frei Paulino, 30. Uberaba/MG. CEP 38025-180.

Publicado

2021-11-24