REVISÃO INTEGRATIVA APLICADA A LEVANTAMENTOS ETNOBOTÂNICOS DE PLANTAS MEDICINAIS NO BRASIL

Autores

  • Camila Mabel Sganzerla
  • Ana Julia Predebom
  • Jaqueline Veloso
  • Vanessa da Silva Corralo
  • Walter Antonio Roman Junior Universidade Comunitária Regional de Chapecó - UNOCHAPECÓ

DOI:

https://doi.org/10.24021/raac.v19i1.6365

Palavras-chave:

Biomas. Conhecimento tradicional. Etnofarmacologia. Plantas bioativas.

Resumo

Objetivamos neste estudo identificar os principais aspectos relacionados aos levantamentos etnobotânicos de plantas medicinais. Para o desenvolvimento da pesquisa foi realizada uma revisão integrativa com artigos científicos produzidos no Brasil, no período de 2010 a 2019. Foi verificado que entre os anos de 2014 e 2017 foram realizadas a maioria das investigações etnobotânicas (64,7%), e que estes trabalhos foram desenvolvidos predominantemente na região Nordeste (38,2%). Foi observado ainda, que o bioma mais estudado foi a Mata Atlântica (32%), seguido da Caatinga (26,5%) e as famílias de maior predominância foram, Asteraceae, Fabaceae e Lamiaceae. As folhas foram as partes das plantas mais usadas, e estas foram principalmente empregadas nos modos de preparo por infusão e decocção (16 e 13 citações, respectivamente). Os usos populares de plantas medicinais mais descritos estão relacionados aos tratamentos de afecções digestivas e respiratórias, seguidos de combates à inflamação e utilizadas como cicatrizantes. Estudos de revisão integrativa sobre levantamentos etnobotânicos de plantas medicinais são de grande valia para o resgate do conhecimento tradicional, para a bioprospecção racional da flora, e ainda, para ações de preservação ambiental nos diferentes biomas brasileiros.

Publicado

2021-10-31