Dependência versus autonomia no envelhecimento: sob a luz da Psicanálise

Dependence versus autonomy in aging: in the light of Psychoanalysis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22298/rfs.2022.v10.n1.7381

Palavras-chave:

Desenvolvimento Humano. Idoso. Saúde Mental. Psicanálise.

Resumo

Introdução: O aumento da geração idosa demanda atenção para estados psíquicos e para patologias próprias da longevidade. A expectativa de vida longa aumenta a consciência das perdas decorrentes dos processos degenerativos do corpo e de condições sociais conquistadas na vida adulta. Ao mostrar que o inconsciente não envelhece, a Psicanálise qualifica a escuta, adequando métodos de análise nesta população. Objetivo: Compreender o envelhecimento humano no que se refere aos processos de dependência progressiva versus luta pela autonomia, explicitando contribuições da clínica psicanalítica com adultos maduros. Metodologia: O estudo qualitativo, de caráter bibliográfico e filmográfico, baseia-se na teoria de desenvolvimento e amadurecimento infantil de Winnicott, considerando “dependência absoluta, dependência relativa e rumo à independência”. A discussão atualizada é ilustrada com diálogos entre os personagens da minissérie “Meu amor: seis histórias de amor verdadeiro”. Resultados: A partir de contribuições de autores contemporâneos sobre a clínica com idosos, reflete-se que um adulto que conquistou patamares importantes de independência e autonomia, a depender das suas condições de saúde e ambiente em que vive, pode retornar para um estado de dependência relativa e absoluta. Considerações finais: Percebem-se gradativas mudanças nas concepções sobre o envelhecimento e, para além de limitações e patologias, vê-se os idosos com direitos e potencialidades. Estima-se que a ampliação de estudos sobre o adulto maduro contribua para a atualização de práticas na atenção à saúde mental, considerando o envelhecimento como um período de investimento libidinal. 

Biografia do Autor

Teresinha Rita Boufleuer, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó)

Mestra em Ciências da Saúde pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ), com dissertação na área de saúde e ambiente, estudando essa relação em atingidos por implantação de usinas hidrelétricas sob a perspectiva ecossistêmica de saúde e análise de vulnerabilidades em saúde. Membro do Grupo de Pesquisa de Psicologia na Universidade Comunitária da Região de Chapecó. Pós-Graduação Lato Sensu em Psicoterapia de Orientação Psicanalítica (2021), Lato Sensu em Saúde Coletiva e Magistério Superior (UNOCHAPECÓ, 2006). Graduada em Psicologia (UNISINOS, 1992).  Docente do curso de Psicologia da Unochapecó desde 2010.

 

Soraya Maria Pandolfi Koch Hack, IPSI Instituto de Psicologia

Possui graduação em Psicologia pela UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1985), Especialização em Psicoterapia na área de Infância e Adolescência (CEAPIA) e Mestrado em Psicologia Clínica, na linha de pesquisa da Clínica da Infância e Adolescência (UNISINOS).  Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Intervenção Terapêutica, atuando principalmente nos seguintes temas: psicoterapia, avaliação e intervenções em Psicologia Clínica, estudo da tendência anti-social no contexto das transições familiares (com ênfase na teoria psicanalítica de D. Winnicott).

Elizangela Felipi, Universidade Comunitária da região de Chapecó (Unochapecó)

Mestranda no Programa de Pós Graduação em Educação, na Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó. Graduou-se em Psicologia pela - Unochapecó (2003). Com especialização em Psicoterapia de Orientação Psicanalítica pela Unochapecó (2014). Tem experiência na área de psicologia clínica, com a abordagem psicanalítica. 

Publicado

2022-12-11

Como Citar

BOUFLEUER, T. R.; MARIA PANDOLFI KOCH HACK, S.; FELIPI, E. Dependência versus autonomia no envelhecimento: sob a luz da Psicanálise: Dependence versus autonomy in aging: in the light of Psychoanalysis . Revista FisiSenectus, v. 10, n. 1, p. 40-58, 11 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos