“ÁGUAS DA PESCA” E “ÁGUAS DO TURISMO DE PESCA ESPORTIVA” NO COMPLEXO AMBIENTAL SACAÍ, RORAIMA, BRASIL

Autores

  • Thiago José Costa Alves Universidade Estadual de Roraima

DOI:

https://doi.org/10.22295/grifos.v32i59.7046

Palavras-chave:

Baixo rio Branco; serviços ambientais; turismo de pesca esportiva; pesca artesanal/comercial.

Resumo

O presente estudo tem como objetivo analisar o uso compartilhado dos serviços ambientais “água” tanto pela atividade de pesca artesanal/comercial quanto para o turismo de pesca esportiva em uma comunidade ribeirinha no município de Caracaraí, Roraima, Brasil. O estudo aconteceu no Complexo Ambiental Sacaí, Baixo rio Branco, entre os anos de 2014 e 2020. Fizeram parte da pesquisa 41 sujeitos, desde a unidade amostral familiar caracterizada teoricamente como agroecossistemas. Como cerne epistemológico considerou-se a abordagem da dialética da complexidade sistêmica, com uma estratégia de campo constituída a partir do design de múltiplos casos integrados. O estudo conclui que mesmo sem fazer parte do grupo de rol de trabalhos empreendidos no ambiente pelos agroecossistemas do Complexo Ambiental Sacaí, a atividade turística empreendida por empresas de Turismo em acordo com outras comunidades, Terra Preta e Lago Grande, exerce forte pressão sobre a preservação dos serviços ambientais relacionados aos rios, lagos, igapós e igarapés, historicamente responsáveis pelo estoque de peixes, mais especificamente sobre os tucunarés (Cichla spp.), dentro da área do Complexo Ambiental Sacaí.

Referências

AGUIAR, E. (Director). (2013). Rio Xeriuini [Motion Picture].

ALTIERI. (1999). The ecological role of biodiversity in agroecosystems. Agriculture, Ecosystems and Environment, (74), p. 19 – 31, 1999. Agriculture, Ecosystems and Environment, 74(19-31).

ALVES, M. C., & BARTHEN, R. B. (2008). A pesca comercial dos "tucunarés" Cichla spp. (peciformes,Chichilidae) no reservatório da Uhe-Tucuruí, rio Tocantins, PA. B. Inst. Pesca, São Paulo, 34(4): 553 - 561, 2008, 34(4), pp. 553-561.

ANDRADE & ROMEIRO. (2009, fevereiro). Serviços ecossistêmicos e sua importância para o sistema econômico e o bem-estar humano. Texto para Discussão(155).

BONNAL et. al. (2008). Multifuncionalidade da agricultura e desenvolvimento territorial: avanços e desafios para a conjução dos enfoques. Estudos, sociedade e agricultura, 16(2), pp. 185-227.

BRASIL. (2007). Lei complementar no. 124, de 3 de janeiro de 2007. Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia. Brasília: Presidência da República.

BRASIL. (2008). Instrução Normativa n. 180, 9 de julho de 2008. DOU Nº 131, quinta-feira, 10 de julho de 2008. Brasília: MMA/Ibama.

BRASIL. (2015). Pesca amadora. Retrieved janeiro 8, 2016, from MPA - Ministério da Pesca e Aquicultura: http://www.mpa.gov.br/pesca/amadora

CARVALHO. (2014, jan/mar). Sistemas e ambientes denudacionais e agradacionais, uma primeira aproximação para o estado de Roraima, norte da Amazônia. ACTA Geográfica, 8, pp. 77-98.

COSTA-ALVES. (2016). Tese de Doutorado. Agroecossistemas familiares no complexo ambiental sacaí, baixo rio branco, roraima. Manaus, Amazonas: PPGCASA-UFAM.

COSTA-ALVES (2020). Diagnóstico Socioeconômico da RDS Xeruini. Boa Vista: nstituto de Amparo à Pesquisa e Inovação (IACTI).

COSTA-ALVES, et. al. (2018, Dezembro). A paisagem percebida no pulsar do Complexo Ambiental Sacaí, Baixo Rio Branco, Roraima, Brasil. Sustentabilidade em Debate, 9(3), pp. 28-43.

FAO. (2010). The State of World Fisheries and Aquaculture 2010. Rome, FAO. Roma: FAO.

GLIESSMANN. (2005). Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: EDUFRGS.

GORZ. (2005). O imaterial: conhecimento, valor e capital. (C. A. Gorz, Trans.) São Paulo: Annablume.

ISAAC & BARTHERN . (1995). Os recursos pesqueiros da Amazônia brasileira. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, 11(2), pp. 295-339.

LAMARCHE. (1998). Agricultura familiar: comparação internacional (Vol. 2). (F. Bazin, Trans.) Campinas: Editora da UNICAMP.

LEME & BEGOSSI. (2004). Uso de recursos por ribeirinhos no Médio rio Negro. In A. Begossi, Ecologia de pescadores da Mata Altântica e da Amazônia. (pp. 89-148). São Paulo: Hucitec.

LOPES, P. L., & MARQUES-DE-SOUZA, J. (2015). Valor e categorias de uso dos apetrechos de pesca e das etnoepécies de peixes da comunidade de pescadores artesanais de Sacaí, Caracaraí-RR, Brasil. Revista Brasileira de Agroecologia, 10(2), pp. 92-101.

MORÁN. (2010). Adaptabilidade humana: uma introdução à antropologia ecológica (2 rev. e ampl. ed.). (C. E. Coimbra, M. S. Brandão, & F. Larsson, Trans.) São Paulo: SENAC.

MORIN. (2002). O método I: a natureza da natureza. Porto Alegre: Sulina.

MORIN. (2002). O método II: a vida da vida. (M. Lobo, Trans.) Porto Alegre: Sulina.

MURRIETA. (2001). Dialética do sabor: alimentação, ecologia e vida cotidiana em comunidades ribeirinhas da Ilha de Ituqui, Baixo Amazonas, Pará. (USP, Ed.) Revista de Antropologia, 44(2), pp. 39-88.

MURRIETA, et. al. (2008, jul/ago). Consumo alimentar e ecologia de populações ribeirinhas em dois ecossistemas amazônicos: estudo comparativo. Revista de Nutrição, 21(Suplemento), pp. 123-133.

NODA, et. al. (2006). A agricultura familiar na várzea amazônica: espaço e conservação da diversidade cultural e ambiental. In E. Scherer, & J. A. Oliveira, Amazônia: políticas públicas e diversidade cultural. Rio de Janeiro: Garamond.

RIVER PLATE PESCA ESPORTIVA. (2019). Dry Zone Map: Ten Private Fisheries. Retrieved abril 2022, from River Plate Pesca Esportiva: https://www.riverplatepesca.com.br

STERNBERG. (1998). A água e o homem na várzea do Careiro. (2 ed.). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.

VITÓRIO & VIANNA. (2016, agosto). Turismo de base comunitária: análise quanto às interferências do turismo de pesca no baixo Rio Branco, Roraima, Brasil. Caderno Virtual de Turismo, 16(2), pp. 126-149,.

Publicado

2022-10-25

Edição

Seção

DESARROLLO RURAL: DIÁLOGOS EN TORNO DE LOS SERVICIOS ECOSISTÉMICOS EN LOS TERRIT