GRUPOS DE PESQUISA INTERINSTITUCIONAIS

reflexão sobre o Ghemat e sua relação com conceitos fleckianos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v24i1.6872

Palavras-chave:

História da Educação., Teoria do Conhecimento., Processo Científico., Centro de Documentação e Pesquisa.

Resumo

O objetivo principal deste trabalho é realizar entrelaçamentos entre as práticas de investigação de grupos de pesquisa interinstitucionais, em especial o caso do Grupo de Pesquisa em História da Educação Matemática do Brasil (GHEMAT), e os conceitos de circulação intracoletiva e intercoletiva, círculo exotérico e esotérico tomados dos estudos de Fleck (2010).  Uma busca no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq no campo da História da educação matemática (Hem) resultou em oito grupos interinstitucionais. Dentre estes, destaca-se o GHEMAT que possui vínculo com 24 distintas instituições parceiras. Constatou-se que este promove a circulação intra e intercoletiva por meio de grupos de trabalho nos eventos próprios e da área da educação, impulsiona a circulação de dossiês e artigos em revistas do campo da Hem, implementa disciplinas com a sua perspectiva teórica e metodológica nos diversos espaços institucionais e, desta forma, fortalece o círculo esotérico, o que favorece a expansão das pesquisas na área.

Biografia do Autor

Cintia Schneider, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina. Mestra em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em História da Educação Matemática do Brasil (GHEMAT – Brasil) e do Grupo de Pesquisa em História da Educação Matemática de Santa Catarina (GHEMAT – SC).

David Antonio da Costa, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professor Associado do Departamento de Metodologia de Ensino (MEN). Docente permanente do Programa de Pós Graduação em Educação Científica e Tecnológica (PPGECT) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Membro do Grupo Associado de Estudos e Pesquisa sobre História da Educação Matemática (GHEMAT – Brasil) e líder do Grupo de Pesquisa em História da Educação Matemática de Santa Catarina (GHEMAT – SC).

Yohana Taise Hoffmann, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Educação Científica e Tecnológica pela universidade Federal de Santa Catarina Mestra em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em História da Educação Matemática do Brasil (GHEMAT – Brasil) e do Grupo de Pesquisa em História da Educação Matemática de Santa Catarina (GHEMAT – SC).

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Número de pós-graduandos cresce no Brasil. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/conselho-nacional-de-educacao/180-estudantes-108009469/pos-graduacao-500454045/2583-sp-2021081601. Acesso em: 26 fev.2021.

BRASIL. Governo do Brasil. No Brasil, 53% das bolsas de mestrado e doutorado são preenchidas por mulheres. 2020. Disponível em: https://www.gov.br/pt-br/noticias/educacao-e-pesquisa/2020/03/no-brasil-53-das-bolsas-de-mestrado-e-doutorado-sao-preenchidas-por-mulheres . Acesso em 19. Jul. 2021.

BÚRIGO, Elisabete Zardo; DALCIN, Andreia; FISCHER, Maria Cecília Bueno. História da Educação Matemática: a institucionalização do campo em um curso de licenciatura. Cadernos de história da educação (on-line), v. 16, p. 619-639, 2017. DOI: 10.14393/che-v16n3-2017-4. Disponível em https://seer.ufu.br/index.php/che/article/view/40891. Acesso em: 26.fev. 2021

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Tradução: Maria de Lourdes Menezes. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

CNPq. Principais dimensões. Disponível em: https://lattes.cnpq.br/web/dgp/principais-dimensoes . Acesso em: 19. jul.2021.

COSTA, David Antonio da. A emergência da disciplina História da Educação Matemática. Cadernos de história da educação (on-line),v. 16, p. 640-652, 2017. DOI: https://doi.org/10.14393/che-v16n3-2017-5. Disponível em https://seer.ufu.br/index.php/che/article/view/40893. Acesso em 02.mar.2021

COSTA, David Antonio da; VALENTE, Wagner Rodrigues. O repositório de conteúdo digital nas pesquisas de história da educação matemática. Rev. Iberoam. Patrim. Histórico-Educativo, Campinas (SP), v. 1, n. 1, p. 96-110, jul.dez. 2015. DOI: https://doi.org/10.20888/ridphe_r.v1i1.9231. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ridphe/article/view/9231. Acesso em: 27.fev.2021

DELIZOICOV, Demétrio; CASTILHO, Nadir; CUTOLO, Luiz Roberto Agea; DA ROS, Marcos Aurélio; LIMA, Armênio Matias Corrêa. Sociogênese do conhecimento e pesquisa em ensino: contribuições a partir do referencial fleckiano. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, p. 52-69, jan. 2002. DOI: https://doi.org/10.5007/%25x. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/10054. Acesso em: 05.mar.2022.

DELIZOICOV, Demétrio. Fleck e a epistemologia pós empírismo-lógico. In: Fávero, Maria Helena; Cunha, Célio da. (orgs.) Psicologia do conhecimento – Diálogo entre as ciências e a Cidadania. Brasília: Unesco, Instituto de Psicologia da UNB, Liber Livro Editora, 2009. p. 233-258.

DEMO, Pedro. Pesquisa: princípio científico e educativo. 12. Ed. São Paulo: Cortez, 2006.

EVANGELISTA, Olinda; TRICHES, Jocemara; VAZ, Kamille. Do pesquisador para pesquisador: a produção de conhecimento sobre política educacional e gestão na anped-Sul (1998-2014). Revista Pedagógica, Chapecó, v. 18, n. 39, set. dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.22196/rp.v18i39.3614. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/3614. Acesso em: 10.mar. 2021

FLECK, Ludwik. Gênese e Desenvolvimento de um Fato Científico: introdução à doutrina do estilo de pensamento e do coletivo de pensamento. Belo Horizonte, Fabrefactum Editora. 2010.

GOMES, Maria Teresinha Serafim. A trajetória do NUPERG: A importância de grupos de pesquisa como espaço de reflexão e construção do conhecimento. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n. 41, v. 1, Dossiê “60 Anos do Departamento de Geografia da UNESP/FCT”, p. 141-151, jan-jun, 2019. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/cpg/article/view/6526/4954 . Acesso em: 12.mar.2021.

GONÇALVES, Fábio Peres; MARQUES, Carlos Alberto. A circulação inter e intracoletiva de pesquisas e publicações acerca de experimentação no ensino de química. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 12, n. 1, 2012.Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4225 . Acesso em 05.mar.2022.

HOFFMANN, Yohana Taise; COSTA, David Antonio da. Circulação intercoletiva: Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática no Brasil (GHEMAT). In: Seminário temático, XVI: Provas e Exames e a escrita da história da educação matemática, Boa Vista. Anais do XVI Seminário..., Boa Vista – Roraima: Universidade Federal de Roraima, 2018.

HOUAISS. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

LORENZETTI, Leonir; MUENCHEN, Cristiane; SLONGO, Iône Ines Pinsson. A crescente presença da epistemologia de Ludwik Fleck na pesquisa em educação em ciências no Brasil. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 11, n. 1, 2018. DOI: 10.3895/rbect.v11n1.6041. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rbect/article/view/6041#:~:text=O%20estudo%20investigou%20a%20recep%C3%A7%C3%A3o,discutem%20a%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20em%20Ci%C3%AAncias. Acesso em: 02.mar.2021

MENDES, Iran Abreu. História da educação matemática na formação de professores de Matemática: uma experiência disciplinar na UFRN. Revista de História da Educação Matemática, v. 2, p. 185-199, 2016. Disponível em: https://www.histemat.com.br/index.php/HISTEMAT/article/view/110/79. Acesso em: 14.abr.2021

ODELIUS, Catarina Cecília; SENA, André de Castro. Atuação em grupos de pesquisa: competências e processos de aprendizagem. Revista de Administração FACES Journal, v. 8, n. 4, out-dez, 2009. p.13-31. Disponível em: http://revista.fumec.br/index.php/facesp/article/view/162. Acesso em: 23.abr.2021.

SANT’ANA, Ruth Bernardes. O trabalho em redes e grupos de colaboração em pesquisa: desafios contemporâneos. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 33, n. 3, p. 1143 - 1162, set./dez. 2015. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2015v33n3p1143. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2015v33n3p1143. Acesso em: 26.fev.2021

VALENTE, Wagner Rodrigues. História da Educação Matemática: interrogações metodológicas. REVEMAT- Revista Eletrônica de Educação Matemática. v. 2, p.28-49, UFSC, 2007. DOI: https://doi.org/10.5007/%25x. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/12990. Acesso em: 01.fev.2021

VALENTE, Wagner Rodrigues. Oito temas sobre História da educação matemática. REMATEC. Revista de Matemática, Ensino e Cultura (UFRN), v. 8, p. 22-50, 2013. Disponível em: http://www.rematec.net.br/index.php/rematec/issue/view/13/13. Acesso em: 10.fev.2021.

VALENTE, Wagner Rodrigues. O movimento da história da educação matemática. In: Antonio Vicente Marafioti Garnica. (Org.). Pesquisa em História da Educação Matemática no Brasil - sob o signo da pluralidade. 1ª ed. São Paulo: Livraria e Editora da Física, v. 1, p. 11- 18, 2016.

VALENTE, Wagner Rodrigues. A internacionalização da pesquisa em História da Educação Matemática: movimentos de criação de um novo campo disciplinar. Cadernos de História da Educação (on-line), v. 16, p. 610-618, 2017. DOI: https://seer.ufu.br/index.php/che/article/view/40890 . Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/che/article/view/40890. Acesso em: 02.fev.2021.

VALENTE, Wagner Rodrigues. Matemática, Educação e História da Educação Matemática: campos disciplinares e o saber profissional do professor que ensina matemática. In: Wagner Rodrigues Valente. (org.). Ciências da Educação, Campos Disciplinares e Profissionalização: saberes em debate para a formação de professores. 1ªed. São Paulo: L F Editorial, v. 1, p. 187-210, 2020.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Pesquisa interinstitucional em parceria: um espaço de possibilidades formativas. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 9, n. 26, p. 47 – 59, jan/abr. 2009. DOI: https://doi.org/10.7213/rde.v9i26.3652. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/dialogoeducacional/article/view/3652. Acesso em: 24.mar.2021.

Publicado

2022-05-04

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua