EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA E PANDEMIA DA COVID-19: PERCEPÇÕES DE UMA PROFESSORA DA ‘TERRA INDÍGENA ARARA DA VOLTA GRANDE DO XINGU’

Autores

  • Darlete Menezes da Costa Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Josiney da Silva Trindade Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Luiz Carlos Souza Bezerra Universidade Federal do Pará (UFPA)

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v24i1.6954

Palavras-chave:

Educação Escolar Indígena. Pandemia da COVID-19. Ensino Remoto Emergencial. Aprendizagem.

Resumo

Neste estudo, tivemos como objetivo analisar as percepções de uma professora, que atua na Educação Escolar Indígena (EEI), sobre o processo de ensino-aprendizagem no Ensino Remoto Emergencial (ERE) implementado durante a pandemia da COVID-19. Como procedimentos metodológicos para a realização deste estudo de abordagem qualitativa, além da pesquisa bibliográfica, foi realizada uma entrevista semiestruturada com uma professora que atua nas escolas da Terra Indígena Arara da Volta Grande do Xingu, escola essa que faz parte do Sistema de Ensino Municipal (SEM) de Senador José Porfírio - Pará. Os resultados demonstram que a EEI durante o Ensino Remoto Emergencial, em particular no município estudado, está ocorrendo de maneira delicada e frágil, principalmente pela falta de energia elétrica, computadores e internet nas comunidades indígenas, o que impede uma comunicação e interação satisfatória entre estudantes e professores (as), sendo necessário recorrer ao uso de apostilas com atividades impressas, como metodologia de ensino. Esse processo, apesar não ter acarretado evasão escolar, está implicando diretamente em prejuízos na qualidade da aprendizagem dos (as) estudantes.

Biografia do Autor

Darlete Menezes da Costa, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Licenciada em Pedagogia, pela Universidade Federal do Pará (UFPA), Campus Universitário de Altamira.

Josiney da Silva Trindade, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Mestrando em Educação e Cultura - Programa de Pós-graduação em Educação e Cultura (PPGEDUC), da Universidade Federal do Pará (UFPA); licenciado em Pedagogia - Universidade Federal do Pará (UFPA); membro do Grupo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (GEABI).

Luiz Carlos Souza Bezerra, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Fonoaudiólogo, formado pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP); Professor Adjunto da Universidade Federal do Pará (UFPA/Altamira); e Doutor em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP, 2016).

Referências

APIB. Articulação dos Povos Indígenas do Brasil. Panorama geral da COVID-19. APIB, 2022. Disponível em: < https://emergenciaindigena.apiboficial.org/dados_covid19/ >. Acesso em: 29 out. 2022.

BERNARDI, Lucí dos Santos; DELIZOICOV, Nadir Castilhos; CECCO, Bruna Larissa. O professor da escola indígena contemporânea: reflexões sobre processos formativos e pesquisas no estado de Santa Catarina. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 22, p. 1-19, 2020. Disponível em:<https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/4868>.Acesso em: 03 nov. 2021.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer 14/1999. Brasília: CNE, 1999. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/docman/marco-2012-pdf/10204-13-parecer-cne-ceb-14-99-diretrizes-curriculares-nacionais-da-educacao-escolar-indigena/file >. Acesso em: 19 mar. 2021.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Centro Gráfico Senado Federal, 1988. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/566968/CF88_EC105_livro.pdf >. Acesso em: 26 mai. 2021.

BRASIL. LDB (1996). Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Centro Gráfico Senado Federal, 1996. Disponível em: < https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf >. Acesso em: 3 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica. Brasília: Diário Oficial da União, 2012. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10806pceb013-12-pdf&category_slug=maio-2012-pdf&Itemid=30192 >. Acesso em: 05 fev. 2021.

CONASS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Painel CONASS Covid-19. CONASS, 2022. Disponível em: < https://www.conass.org.br/painelconasscovid19/ >. Acesso em: 29 out. 2022.

FELIZOLA, Pedro Augusto Maia. O direito à comunicação como princípio fundamental:

internet e participação no contexto da sociedade em rede e políticas públicas de acesso à

internet no Brasil.Revista de Direito, Estado e Telecomunicações, v. 3, n. 1, 2011. Disponível em: < https://vlex.com.br/vid/direito-comunicacao-principio-fundamental-849639978 >. Acesso em: 21 mar. 2021.

FREIRE, J. R. B. Trajetória de muitas perdas e poucos ganhos. In: Educação Escolar Indígena em Terra Brasilis:tempo de novo descobrimento. Rio de Janeiro: IBASE, 2004.

HENRIQUES, R.; GESTEIRA, K.; GRILLO, S.; CHAMUSCA, A. Educação Escolar Indígena: diversidade sociocultural indígena ressignificando a escola. Brasília,CADERNOS SECAD 3, 2007. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoindigena.pdf >. Acesso em 13 fev. 2021.

LUCIANO, Gersem dos S. O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: MEC/SECAD/UNESCO; LACED/Museu Nacional, 2006. (Coleção Educação para Todos. Serie Vias dos Saberes n. 1).

MINAYO, M. C. S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Ed. 21 Petrópolis: Vozes, 2002.

MIRANDA, S. A. Educação escolar quilombola em Minas Gerais: entre ausências e emergências. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 50, 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v17n50/v17n50a07.pdf >. Acesso em: 11 fev. 2021.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) para pandemia de gripe, 2009. Disponível em: <https://www.who.int/bulletin/volumes/89/7/BLT-11-086173-table-T1.html >. Acesso em: 30 jan. de 2021.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Influenza pandêmica: um desafio em evolução, 2018. Disponível em: < https://www.who.int/influenza/pandemic-influenza-an-evolving-challenge/en/ >. Acesso em: 30 jan. de 2021.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Reunião OMS, 2022. Disponível em: <https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019?adgroupsurvey={adgroupsurvey}&gclid=CjwKCAiAgvKQBhBbEiwAaPQw3FHXV6L2-q7sHewqgtP44g5YgO1N7MVBsbfB3bvUcXYCJYDz_htsLhoCpGgQAvD_BwE>. Acesso em: 29 out. de 2022.

OPAS. Organização Panamericana de Saúde. OMS. Organização Mundial da Saúde. Pandemia (H1N1) 2010. Disponível em: < https://www.paho.org/hq/index.php?option=com_content&view=article&id=2929:response-pandemic-h1n1-2009-americas-sitreps&Itemid=2295&lang=es >. Acesso em: 30 jan. 2021.

PINHEIRO, T. M.; FERNANDES, P. D.; SOUZA, V. R. M. Desafios dos Professores no Ensino de Língua Portuguesa: Formações do Pnaic. Encontro Internacional de Formação de Professores e Fórum Permanente de Inovação Educacional, v. 11, n. 1, 2018. Disponível em; < https://eventos.set.edu.br/enfope/article/viewFile/8929/4058 >. Acesso em: 24 mar. 2021.

POJO, E. C.; BERG, H. S.; ALBUQUERQUE, M. S. C. Fundamentos da Educação Indígena. Brasília: Universidade de Brasília, 2008.

QUARESMA, F. J. P.; SILVA, M. N. O. F. Os povos indígenas e a educação. Revista Práticas de Linguagem, São Paulo, v. 3, n. 2, 2013. Disponível em: < https://www.ufjf.br/praticasdelinguagem/files/2014/01/234-%e2%80%93-246-Os-povos-ind%c3%adgenas-e-a-educa%c3%a7%c3%a3o.pdf >. Acesso em: 3 fev. 2021.

RIBEIRO, B. G. O índio na história do Brasil. 2. ed. São Paulo: Global, 1984.

SANTOS, F. F. Modelo de gestão para promover a criação e o compartilhamento de conhecimento em Comunidade Virtual de Prática.(Tese de doutorado) Universidade Federal de Santa Catarina, 2010. Disponível em: < http://btd.egc.ufsc.br/wp-content/uploads/2010/06/Fladimir-Santos.pdf >. Acesso em; 17 mar. 2021.

SILVA, M. L. F.; CAMPELO, C. L. F.; BORGES, E. L. M. Tecnologias na Educação: perspectivas e desafios na formação de professores frente à pandemia do novo coronavírus. Revista Educação Pública, v. 21, nº 16, 2021. Disponível em: < https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/21/16/tecnologias-na-educacao-perspectivas-e-desafios-na-formacao-de-professores-frente-a-pandemia-do-novo-coronavirus > Acesso em: 13 fev. 2021.

SIMAS, H. C. P.; PEREIRA, R. C. M. Desafios da Educação Escolar Indígena. Revista Escrita, Rio de Janeiro, n. 11, 2010. Disponível em: < https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/16373/16373.PDF >. Acesso em: 30 jan. 2021.

TRIVIÑOS, A. N. B. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

ZAGURY, T. Fala mestre. São Paulo: Nova Escola, 2006.

Publicado

2022-12-27

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua