PROFESSORES HOMENS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL:

dos estranhamentos às possibilidades de subversão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v24i1.6976

Palavras-chave:

Professores homens. Docência. Educação Infantil

Resumo

Neste artigo tomamos o exercício de professores homens no contexto da Educação Infantil enquanto objeto de estudo, uma vez que essa atividade profissional ainda se encontra assentada dentro das concepções essencialistas e binárias de gênero. Desse modo, vislumbrando ampliar uma discussão em torno dessa realidade, elegemos enquanto objetivo geral refletir acerca dos principais estranhamentos e subversões que cercam a trajetória dos professores homens que atuam na Educação Infantil na região Agreste de Pernambuco. O caminho metodológico esteve fundamentado na pesquisa qualitativa, onde realizamos uma série de entrevistas com 03 (três) professores homens que atuam nessa etapa da Educação Básica. Os resultados evidenciaram que a atuação desses profissionais se encontra atravessada por inúmeros desafios, indo desde as dificuldades de inserção nesse campo profissional até a reprodução de estereótipos e estigmas de gênero. Ainda assim, podemos afirmar que os professores homens têm ocasionado importantes fissuras nesse território, onde tem buscado subverter os paradigmas dominantes de gênero e constituir outras narrativas em torno da docência na Educação Infantil.

Biografia do Autor

Marciano Antonio da Silva, Universidade Federal de Pernambuco/ Centro Acadêmico do Agreste

Doutorando e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea da Universidade Federal de Pernambuco – Centro Acadêmico do Agreste. Bolsista pela  Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco – FACEPE.

Allene Carvalho Lage , Universidade Federal de Pernambuco/ Centro Acadêmico do Agreste

Pós-doutora em Direitos Humanos (PPGDH/UFPE, 2016). Pós-doutora em Educação (UFRGS, 2012). Doutora em Sociologia (Universidade de Coimbra, 2006). Professora Associada da Universidade Federal de Pernambuco – Centro Acadêmico do Agreste. Professora do Programa de Pós-graduação em Educação Contemporânea. 

Referências

BATISTA, Rosa; ROCHA, Eloisa Candal. Docência na educação infantil: origens de uma constituição profissional feminina. Revista Zero-a-seis. v. 20, n. 37, p. 95-111, jan./jun. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n37p95. Acesso 15 mar. 2022.

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Educação infantil: pra que te quero?. In: CRAIDY, Carmen; KAERCHER, Gládis E. Educação infantil: pra que te quero?. Porto Alegre: Artmed, 2001.

CARVALHO, Marília Pinto de. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo: FAPESP, 1999.

CARVALHO, Marília Pinto. Vozes masculinas numa profissão feminina: o que têm a dizer os professores. Anais.. São Paulo: FEUSP, 2000.

CONNELL, Robert. W. Masculinidades. México: PUEG-UNAM, 2003.

CRESWELL, John. Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2007.

CRUZ, Elizabete Franco. “Quem leva o nenê e a bolsa?”: o masculino na creche. In: ARILHA, Margareth; UNBEHAUM, Sandra G.; MEDRADO, Benedito. Homens e masculinidades: outras palavras. São Paulo: ECOS, 1998.

GATTI, Bernadete Angelina. Os professores e suas identidades: desvelamentos da heterogeneidade. Caderno de pesquisa, n. 98, p. 85-90, ago. 1996. Disponível em: https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/798. Acesso em 10 mar. 2022.

KAUFMAN, Michael. Las experiencias contradictorias del poder entre los hombres. In: BROD, Harry; KAUFMAN, Michael. Theorizing Masculinities. Thousand Oaks: Sage Publications, 1994.

KRAMER, Sônia. Formação de profissionais de educação infantil: questões e tensões. In: MACHADO, Maria Lucia de A. (org.). Encontros e desencontros em educação infantil. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

LOPES, Eliane Marta Teixeira. A educação da mulher: a feminização do magistério. Teoria & Educação, n. 4, p. 22-40, 1991.

LYRA, Jorge; MEDRADO, Benedito. Gênero e paternidade nas pesquisas demográficas: o viés científico. Estudos Feministas, v. 8, n. 1, p. 145-158, 2000. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf/ref/v08n01/v08n01a11.pdf. Acesso em: 05 mar. 2022.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2010.

MEDRADO, Benedito; LYRA, Jorge. Por uma matriz feminista de gênero para os estudos sobre homens e masculinidades. Revista Estudos Feministas, v. 16, n. 3, p. 809-840, set./dez. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/7VrRmvB6SNMwQL5r6mXs8Sr/?lang=pt. Acesso em: 02 mar. 2022.

OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação infantil: fundamentos e métodos. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2005.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia. O desenvolvimento profissional das educadoras de infância: entre os saberes e os afectos, entre a sala de aula e o mundo. In: MACHADO, Maria Lucia de A. (org.). Encontros e desencontros em educação infantil. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. 2 ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2015.

SANTIN, Myrian Aldana Vargas; CATTANI, Daian; CECCHETTI, Elcio. Gênero e religião: disputas políticas na construção do plano municipal de educação de Chapecó/sc. Revista Pedagógica, v. 21, p. 306-320, 2019. Disponível: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/5261/0. Acesso em: 10 mar. 2022.

SAPAROLLI, Eliana. A educação infantil e gênero: a participação dos homens como educadores infantil. Psicologia da Educação, n. 6, p. 107-125, jan./jun. 1998. Disponível em:

https://revistas.pucsp.br/index.php/psicoeduca/article/view/42892. Acesso em: 10 mar. 2022.

SAPAROLLI, Eliana. Educador infantil: uma ocupação de gênero feminino. 1997. Dissertação (Mestrado em Educação)- Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1997.

SAYÃO, Débora Thomé. Relações de gênero e trabalho docente na educação infantil: um estudo de professores em creche. 2005. 273 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

SILVA, Marciano Antonio da. Professora sim. Professor também. Tio jamais: Um estudo sobre masculinidades e docência no contexto na educação infantil na região Agreste de Pernambuco. 2020. 244 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, Caruaru, 244.

Publicado

2022-08-29

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua