PROFISSIONAIS DE APOIO NA CONCEPÇÃO DE PROFESSORAS DA SALA REGULAR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v24i1.7026

Resumo

A educação especial e inclusiva vem sendo discutida no Brasil e no mundo há muitos anos. Foram criados diversos documentos a fim de promover a inclusão aos alunos público-alvo da educação especial. Atualmente, com base em leis, declarações e diretrizes, os estudantes que não realizam as atividades de alimentação, higiene e locomoção de forma independente possuem o direito de ter um profissional de apoio para auxiliá-los. Dessa forma, a presente pesquisa teve como objetivo compreender a concepção de professoras da sala regular sobre o trabalho dos profissionais de apoio. Assim, ocorreu a análise de dados de entrevistas, realizadas de forma online e individual, com seis professoras que trabalham e/ou já trabalharam com profissionais de apoio a partir do ano de 2019 até o momento da pesquisa. Trata-se de uma pesquisa de cunho qualitativo e exploratório cujos dados obtidos foram transcritos e analisados com base na metodologia da Análise de Conteúdo de Bardin (2016) e Franco (2008). Os resultados mostraram que, independentemente do tempo em que as professoras estão atuando na educação, a concepção referente ao trabalho dos profissionais de apoio foi semelhante, compreendendo que os profissionais de apoio, além de realizarem atividades de vida diária, também auxiliam em questões pedagógicas dos alunos público-alvo da educação especial.

Biografia do Autor

Carolina Batista Estabile , Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE

Graduada em Psicologia pela Universidade da Região de Joinville (UNIVILLE). Participante do GETRAFOR (Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho e Formação Docente). E-mail: psicarolestabile@gmail.com

Alciene Fusca Machado Cordeiro, Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE

Doutora em Educação: Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP). Professora Pesquisadora do Programa de Mestrado em Educação da UNIVILLE na linha de pesquisa Políticas Educacionais, Trabalho e Formação Docente. Coordenadora do GETRAFOR: Grupo de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho e a Formação Docente. E-mail: aliciene_machado@hotmail.com

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BEZERRA, Giovani Ferreira. A Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva: a problemática do profissional de apoio à inclusão escolar como um de seus efeitos. Revista Brasileira de Educação Especial, Bauru, v. 26, n. 4, p. 673-688, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbee/a/B8T8rMXW8BzMJnNq5JBsXqK/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 11 out. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano decenal de educação para todos. Brasília, 1993/2003. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me001523.pdf. Acesso em: 18 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília, 2001. Disponível em: http://culturatura.com.br/docsed/7%20DiretNac%20Educ%20Especial.pdf. Acesso em: 9 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 10 abr. 2021.

BRASIL. Secretaria de Educação Especial/GAB. Nota técnica n.º 19, de 8 de setembro de 2010. Assunto: Profissionais de apoio para alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento matriculados nas escolas comuns da rede públicas de ensino. Brasília, 2010. Disponível em: https://lepedi-ufrrj.com.br/wp-content/uploads/2020/09/Nota-t%C3%A9cnica-n%C2%BA.-19-Profissionais-de-apoio.pdf.

BRASIL. Lei n.º 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, 2015a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 10 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Orientações para implementação da política de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, 2015b.

BRASIL, Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n.º 510, de 7 de abril de 2016. Brasília, 2016. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2016/res0510_07_04_2016.html. Acesso em: 6 maio 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. A educação especial em números. Brasília, 2021.

BRIZOLLA, Francéli. Para além da formação inicial ou continuada, a form(a)ção permanente: o trabalho docente cooperativo como oportunidade para a formação docente dos professores que atuam com alunos com necessidades educacionais especiais. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: Formação de Professores em Foco, 5., 2009, São Paulo.

CARNEIRO, Maria Sylvia C. Práticas pedagógicas na perspectiva da inclusão escolar de alunos com necessidades especiais: Diálogos com uma experiência em dois contextos educacionais. In: BAPTISTA, Cláudio R. (org.). Escolarização e deficiência: configurações nas políticas de inclusão escolar. São Carlos: Marquezine & Manzini / ABPEE, 2015. p. 175-187.

DEUD, Priscila Murtinho. As concepções das professoras da sala comum sobre o trabalho do segundo professor: O que fazes? Como trabalhas? 2018. 110 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade da Região de Joinville, Joinville, 2018.

FONSECA, Manoela da. Das políticas públicas de inclusão escolar à atuação do profissional de apoio/ monitor. 2016. 95 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2016.

FONSECA, Manoela da; BRIDI, Fabiane Romano de Souza. A atuação do profissional de apoio/monitor na rede privada de ensino. In: REUNIÃO CIENTÍFICA REGIONAL DA ANPED, 11., Curitiba, 2016. Disponível em: http://www.anpedsul2016.ufpr.br/portal/wp-content/uploads/2015/11/eixo22_MANOELA-DA-FONSECA-FABIANE-ROMANO-DE-SOUZA-BRIDI.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.

FRANCO, Maria Laura Puglisi Barbosa. Análise de conteúdo. 3. ed. Brasília: Líber Livro, 2008.

GARCIA, Rosalba Maria Cardoso; MICHELS, Maria Helena. A política de educação especial no Brasil (1991-2011): uma análise da produção do Gt15 – Educação Especial da ANPED. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 17, p. 105-124, maio/ago. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbee/v17nspe1/09.pdf. Acesso em: 9 abr. 2021.

OLIVEIRA, Francélio Ângelo de; GOMES, Adriana Leite Limaverde. Profissionais de apoio em sala de aula comum: reflexões sobre concepções e práticas no contexto escolar. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 17, n. 50, p. 396-420, 2020. Disponível em: http://periodicos.estacio.br/index.php/reeduc/article/view/5046/47967218. Acesso em: 10 abr. 2021.

OLIVEIRA, Eloíza da Silva G. de; MACHADO, Katia da Silva. Adaptações curriculares: caminho para uma educação inclusiva. In: GLAT, Rosana (org.). Educação inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7 letras, 2007.

OLIVEIRA, Rafaela Machado. A função do profissional de apoio escolar na inclusão da criança autista na educação infantil. 2016. 145 f. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Pedagogia) – Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

OLIVEIRA, Tânia Modesto Veludo de. Amostragem não probabilística: adequação de situações para uso e limitações de amostras por conveniência, julgamento e quotas. Administração On Line, v. 2, n. 3, 2001. Disponível em: https://gvpesquisa.fgv.br/sites/gvpesquisa.fgv.br/files/arquivos/veludo_-_amostragem_nao_probabilistica_adequacao_de_situacoes_para_uso_e_limitacoes_de_amostras_por_conveniencia.pdf. Acesso em: 6 maio 2021.

SANTOS, Juliana Testoni dos. Professoras atuantes no atendimento educacional especializado e suas histórias de vida: um estudo sobre identidade docente. 2016. 112 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade da Região de Joinville, Joinville, 2016.

SANTOS, Shirley Aparecida dos; MAKISHIMA, Edne Aparecida Claser; SILVA, Thaís Gama da. O trabalho colaborativo entre o professor especialista e o professor das disciplinas – o fortalecimento das políticas públicas para educação especial no Paraná. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDURECE, 12., 2015. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/18334_9281.pdf. Acesso em: 9 abr. 2021.

SILVA, Fabricio de Lima Bezerra; BATISTA, David Espinola; MASSARO, Munique. Contexto histórico e político da educação das pessoas com deficiência e os desafios para a educação inclusiva. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 22, p. 1-23, 2020.

SILVA, Iara Susi Maria. Significações acerca da atuação profissional de uma professora de acompanhamento e apoio à inclusão. 2019. 225 f. Dissertação (Mestrado em Educação: Psicologia da Educação) –Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2019.

SILVA, Suzana Sirlene da; CARNEIRO, Relma Urel Carbone. Inclusão escolar de alunos público-alvo da educação especial: como se dá o trabalho pedagógico do professor no ensino fundamental I? Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 11, n. esp. 2, p. 935-955, 2016. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/8935/5877. Acesso em: 17 set. 2021.

SOUSA, Mariana Rodrigues de. O profissional de apoio escolar no acompanhamento de alunos autistas: uma análise a partir dos dispositivos legais. 2018. 43 p. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Pedagogia) – Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

TOLEDO, Elizabete Humai de; MARTINS, João Batista. A atuação do professor diante do processo de inclusão e as contribuições de Vygotsky. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 9., 2009. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/cd2009/pdf/3298_1675.pdf. Acesso em: 9 abr. 2021.

UNESCO – ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Declaração mundial sobre educação para todos. Conferência de Jomtien, Tailândia, 1990. Disponível em: https://abres.org.br/wp-content/uploads/2019/11/declaracao_mundial_sobre_educacao_para_todos_de_marco_de_1990.pdf. Acesso em: 18 abr. 2021.

UNESCO – ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Declaração de Salamanca sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Salamanca, 1994. Disponível em: https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/declaracao-salamanca.pdf. Acesso em: 18 abr. 2021.

VIANNA, Claudia Pereira. A feminização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In: YANNOULAS, Silvia Cristina (org.). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília: Abaré, 2013. p. 159-180.

VILARONGA, Carla Ariela Rios; MENDES, Enicéia Gonçalves. Ensino colaborativo para o apoio à inclusão escolar: práticas colaborativas entre os professores. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v.95 n. 239, jan./abr. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2176-66812014000100008&script=sci_arttext. Acesso em: 9 abr. 2021.

ZERBATO, Ana Paula. O papel do professor de educação especial na proposta do coensino. 2014. 140 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014.

Publicado

2022-10-19

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua