CONCEPÇÕES DE UMA PROFESSORA ALFABETIZADORA BEM-SUCEDIDA SOBRE A ALFABETIZAÇÃO: contribuições para a prática docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v24i1.7027

Resumo

O ensino da leitura e da escrita tem sido um desafio constante em vários níveis de ensino no contexto da educação brasileira, por inúmeras razões. Frente a esse cenário, acredita-se que o compartilhamento de práticas docentes bem-sucedidas possa contribuir de modo favorável para o enfrentamento dos desafios cotidianos no âmbito escolar. Assim, o presente artigo dedica-se a apresentar um recorte de uma pesquisa de mestrado desenvolvida entre os anos de 2009 e 2010. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa que se dedicou ao estudo da história de vida e da prática pedagógica de uma professora considerada bem-sucedida. Como instrumentos de coleta de dados fez-se uso da entrevista semiestruturada e também da observação participante. Além disso, para a compreensão da trajetória de formação e desenvolvimento da professora investigada, recorreu-se ao uso de elementos da abordagem biográfica a partir da história de vida da docente. Os resultados apontam a relevância do estudo da história de formação e desenvolvimento profissional de professores alfabetizadores para ser possível mapear os saberes necessários a esse trabalho complexo, assim como as características inerentes ao perfil do docente bem-sucedido. Os dados revelam, ainda, a necessidade de rever as propostas de formação de professores, notadamente alfabetizadores, visando atender às especificidades necessárias ao processo de ensino e aprendizagem da leitura e da escrita.

Biografia do Autor

Aline Juliana Oja Persicheto, Secretaria Municipal de Educação de Piratininga

Doutora em Educação para a Ciência (Programa de Pós - Graduação em Educação para a Ciência - UNESP, Bauru, 2016), Mestre em Educação (Programa de Pós-Graduação em Educação (UFSCar, 2011) e graduada em Pedagogia (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP, 2008). Atualmente realiza o Pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar na Unesp de Araraquara. Atuou como Tutora Virtual do curso de Pedagogia a distância da UAB-UFSCar de 2011 a 2016 e especializou-se na docência on-line a partir do Programa de Residência Pedagógica em Educação a Distância oferecido pela UFSCar (2015-2016). Tem experiência docente na Educação Básica (Anos Iniciais do Ensino Fundamental) desde 2006, atuando também na Coordenação Pedagógica (2013-2014) neste nível de ensino. Trabalha como Professora da Educação Básica (Anos Iniciais) e atua como docente no curso de Pedagogia de uma instituição privada. Desenvolve seus estudos e pesquisas nas áreas de Formação Inicial e Continuada de Professores, Alfabetização, Práticas Pedagógicas, Infância e Ensino de Ciências.

Referências

ARAÚJO, Maria Carmen de Castro Silva. A prática pedagógica do professor alfabetizador bem-sucedido das camadas populares. São Paulo: PUC SP, 1993.139p. Dissertação (Mestrado em Educação) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo,1993.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório Brasil no Pisa 2018. Brasília, DF: Inep, 2019. Disponível em: http://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/documentos/2019/relatorio_PISA_2018_preliminar.pdf . Acesso em 01 de abril de 2022.

BRITO, Antonia Edna. Formação do docente alfabetizador: revelando as exigências e desafios. In: IV Encontro de Pesquisa em Educação da UFPI, 2006, Teresina/PI. A pesquisa mediação de práticas socioeducativas - livro de resumos. Teresina: EDUFPI, v. 01, p. 01-10, 2006.

CARMO, Elisabete Regina do; CHAVES Edneia Maria. Análise das concepções de aprendizagem de uma alfabetizadora bem-sucedida. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.114, p. 33-40, 2001.

COELHO, M. I. L. S. Alfabetização: um estudo de caso: experiências bem-sucedidas de professores da região de Campinas. Campinas, 1989. Dissertação (Mestrado), UNICAMP.

CUNHA, Maria Isabel. O bom professor e sua prática. 19. ed., Campinas: Papirus, 2005.

DURAN, Marília Claret Geraes Duran. Alfabetização: teoria e prática. Série Ideias, São Paulo: FDE, n. 20, p. 105-113, 1994.

FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da Língua Escrita. Porto

Alegre: Artes Médicas, 1985.

GOODSON, Ivor Frederick. Dar voz aos professores: as histórias de vida dos professores e o seu desenvolvimento profissional. In: NÓVOA, Antonio. (Org.). Vidas de Professores. Porto: Porto Editora, p.63-78, 1992.

KRAMER, Sonia; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Alfabetização: um estudo de professores das camadas populares. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v.65, n.151, p. 523-537, set./dez. 1984.

MONTEIRO, Maria Iolanda. Histórias de vida: saberes e práticas de alfabetizadoras bem- sucedidas. 2006. 282 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Notas para uma história da formação do alfabetizador no Brasil. In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. v. 89, n. 223, set/dez. 2008. Brasília: INEP, p. 467-476, 2008.

NÓVOA, Antonio. (Org.). Vidas de Professores. Porto: Porto Editora, p.63-78, 1992.

NUNES, Maria Fernanda Rezende; CORSINO, Patrícia. Leitura e escrita na Educação Infantil: contextos e práticas em diálogo. Cad. Pesqui., São Paulo, v.49, n. 174, p. 100-129, Dez. 2019.

PICCOLI, Luciana. Como formar um professor alfabetizador no curso de Pedagogia? Discussões sobre a formação inicial nas Universidades Federais do Sul do Brasil. Revista Brasileira de Alfabetização – ABAlf, Vitória, ES. v. 1, n. 1, p. 132-154, jan./jun. 2015.

POSSAMAI, Leusa Fátima Lucatelli. Alfabetizar letrando com sentido e significado para a vida dos educandos. Revista Pedagógica. Unochapecó, Ano 17, n. 30, vol. 01, jan./jun. 2013.

SOARES, Magda. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 25, 2004.

ZIBETTI, Maria Lúcia T. Os saberes docentes na prática de uma alfabetizadora: um estudo etnográfico. 252 p. 2005. Tese (Doutorado) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

Publicado

2022-12-27

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua