“Quem trabalha no ramo, aprende na prática”

considerações sobre formação, experiência e perfil etário de educadores museais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22562/2022.57.12

Palavras-chave:

Educação museal, Formação, Mediadores

Resumo

Ancorado no entendimento da multidimensionalidade da educação museal, o texto apresenta reflexões que correlacionam a faixa etária de educadores e a possível ocorrência de experiências acumuladas em seus percursos profissionais em espaços culturais. Questiona se educadores museais com maior idade apresentariam um portfólio de experiências em mediação em museus e instituições culturais que ensejariam maior desenvoltura nesses espaços. Inserido em uma investigação mais ampla, que toma os sujeitos da educação museal como partícipes da construção de novos conhecimentos, a pesquisa, de abordagem qualitativa e interpretativa, considera a experiência de um museu de ciências e saúde como plataforma para compreender o modo como a díade idade-experiências se manifesta nas instituições. Dialogando com a literatura sobre a atuação de educadores museais, traz um conjunto de dados que alavanca reflexões sobre os desafios e oportunidades no âmbito da força de trabalho no campo da educação museal.

Biografia do Autor

Ana Aparecida Costadella, Fundação Oswaldo Cruz

Mestre em Teoria da Literatura pela UFRJ; Analista de Gestão em Saúde Pública na Fiocruz; Educadora no Serviço de Educação do Museu da Vida Fiocruz.

Denyse Amorim de Oliveira, Fundação Oswaldo Cruz

Mestre em Divulgação da Ciência, Saúde e Tecnologia pela Casa Oswaldo Cruz/Fiocruz. Tecnologista em Saúde Pública na Fiocruz; coordenadora do Núcleo de Desenvolvimento de Público do Serviço de Educação do Museu da Vida Fiocruz.

Ozias de Jesus Soares, Fundação Oswaldo Cruz

Doutor em Ciências Sociais pela UERJ; Pesquisador em Saúde Pública na Fiocruz; integrante da Seção de Formação do Serviço de Educação do Museu da Vida Fiocruz.

Publicado

2022-12-20