MAPEAMENTO DO CONTEÚDO INFORMACIONAL SOBRE GERENCIAMENTO DE RISCOS EM EMPRESAS BRASILEIRAS COM AMERICAN DEPOSITARY RECEIPTS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22277/rgo.v16i1.6054

Palavras-chave:

Evidenciação. Gerenciamento de Risco. Riscos Corporativos. Conteúdo Informacional. Empresas com ADRs.

Resumo

Objetivo: Esta pesquisa objetiva mapear o conteúdo informacional sobre gerenciamento de riscos evidenciado por empresas brasileiras com ADRs.

Método / abordagem: A pesquisa documental compreendeu os Relatórios da Administração (RAs) e os Formulários de Referência (FRs) publicados de 2010 a 2019 pelas 38 empresas com ADRs. A partir de análise categórica com escala dicotômica, constituiu-se um banco de dados com 8.360 observações e um Índice de Evidenciação de Gerenciamento de Riscos (IEGR). Para análise dos dados aplicou-se técnicas de estatística descritiva e o teste não paramétrico de Friedman. Sob uma lógica qualitativa realizou-se análise de conteúdo das narrativas sobre gerenciamento de riscos.

Principais resultados: Os resultados apontam as empresas com maior nível de evidenciação. Os riscos mais narrados são: econômicos (organizacional, mercado acionário, investimentos), tecnológicos (formação do preço de venda) e sociais (veiculação da informação; postura ou má conduta dos empregados). São esses os que ganham a agenda dos gestores na construção de narrativas e na comunicação aos stakeholders.

Contribuições teóricas/ sociais/ gerenciais: A pesquisa fornece um framework para o mapeamento do conteúdo sobre gerenciamento de riscos em empresas. Assim fomenta o debate sobre o processo de evidenciação do gerenciamento de riscos de empresas, visto que em períodos de incerteza os relatórios emitidos são elementos consultivos para a tomada de decisão. Contribui ainda ao fornecer respostas organizacionais às contingências de riscos que as empresas estão expostas.

Originalidade / relevância:  A pesquisa mostra-se relevante ao investigar as narrativas sobre gerenciamento de riscos das empresas a partir da combinação de abordagens quantitativa e qualitativa, que podem auxiliar na tomada de decisão diante de incertezas. Avança-se na direção da construção de um framework para pesquisas sobre evidenciação da informação contábil. Fomenta-se a discussão sobre isomorfismo mimético nos relatos das empresas e transcende-se os aspectos de riscos financeiros praticados e investigados no campo.

Biografia do Autor

Iago França Lopes, Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (FIPECAFI)

Doutor em Contabilidade - Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Gislene Daiana Martins, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Doutoranda em Contabilidade e Finanças

Ilse Maria Beuren, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutora em Controladoria e Contabilidade – Universidade de São Paulo (USP)

Referências

Araújo, U. P., Brito, M. J. D., Ribeiro, L. M. D. P., & Lopes, F. T. (2016). Metainterpretação: Quinze anos de pesquisa com o Relatório da Administração. Revista Contabilidade & Finanças, 27(71), 217-231.

Banco Central (2020). Movimento de câmbio contratado. https://static.poder360.com.br/2020/01/Fluxo-cambial-2019.pdf

Bank for International Settlements (BIS). (1997). Core effective principles in banking supervision. https://www.bis.org/publ/bcbs230.pdf

Beretta, S., & Bozzolan, S. (2004). A framework for the analysis of firm risk communication. The International Journal of Accounting, 39(3), 265-288.

Burns, T., & Stalker, G. M. (1961). The management of innovation. London. Tavistock Publishing. Cited in Hurley, RF and Hult, GTM (1998). Innovation, Market Orientation, and Organisational Learning: An Integration and Empirical Examination. Journal of Marketing, 62, 42-54.

Cabedo, J. D., & Tirado, J. M. (2004). The disclosure of risk in financial statements. In Accounting Forum, 28(2), 181-200.

Campbell, J. L., Chen, H., Dhaliwal, D. S., Lu, H. M., & Steele, L. B. (2014). The information content of mandatory risk factor disclosures in corporate filings. Review of Accounting Studies, 19(1), 396-455.

Caouette, J. B., Narayanan, P., Nimmo, R., & Altman, E. I. (2011). Managing credit risk: The great challenge for global financial markets (2nd ed). New York: John Wiley & Sons.

Chenhall, R. (2003). Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting Organizations and Society, 28(2-3), 127-168.

Chenhall, R. H. (2006). Theorizing contingencies in management control systems research. In: Chapman, C. S., Hopwood, A. G., & Shields, M. D. (orgs.). Handbooks of management accounting research (Vol. 1, pp. 163-205). Amsterdam: Elsevier.

Comissão de Valores Mobiliários (CVM). (2009). Instrução CVM 480, de 07 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o registro de emissores de valores mobiliários admitidos à negociação em mercados regulamentados de valores mobiliários. http://www.cvm.gov.br/legislacao/instrucoes/inst480.html

Comissão de Valores Mobiliários (CVM). (2009). Instrução CVM 480, de 07 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o registro de emissores de valores mobiliários admitidos à negociação em mercados regulamentados de valores mobiliários. http://www.cvm.gov.br/legislacao/instrucoes/inst480.html

Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission (COSO) (2004). Enterprise risk management-integrated framework. Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission, 2. http://www.elmayorportaldegerencia.com/Documentos/Gestion%20de%20Riesgos/[PD]%20Documentos%20-%20Enterprise%20Risk%20Management.pdf

Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission (COSO). (2007). Gerenciamento de riscos corporativos - estrutura integrada: sumário executivo. https://repositorio.cgu.gov.br/bitstream/1/41825/8/Coso_portugues_versao_2017.pdf

Dal Magro, C. B., Filipin, R., & Fernandes, F. C. (2015). Gestão de riscos: análise da evidenciação de riscos nas concessionárias de rodovias listadas na Bovespa com base na metodologia COSO. ConTexto, 15(30), 57-75.

Dantas, J. A., Rodrigues, F. F., Rodrigues, J. M., & Capelletto, L. R. (2010). Determinantes do grau de evidenciação de risco de crédito pelos bancos brasileiros. Revista Contabilidade & Finanças, 21(52), 1-27.

Duarte Júnior, A. M. (2001). Risco: definições, tipos, medição e recomendações para seu gerenciamento. In: Lemgrube, E. C., Silva, A. L. C., Lemgrube, E. F., & Cama, R. P. (Org.). Gestão de riscos e derivativos: aplicação no Brasil. São Paulo: Atlas.

Dye, R. A. (1985). Disclosure of nonproprietary information. Journal of Accounting Research, 23(1), 123-145.

Elshandidy, T., & Neri, L. (2015). Corporate governance, risk disclosure practices, and market liquidity: Comparative evidence from the UK and Italy. Corporate Governance: An International Review, 23(4), 331-356.

Faria, J. A., Andrade, J. C. S., & da Silva Gomes, S. M. (2018). Fatores Determinantes da Evidenciação das Mudanças Climáticas nas Empresas Brasileiras Participantes do Carbon Disclosure Project [CDP]. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 7(1), 162-184.

Fávero, L. P., & Belfiore, P. (2017). Manual de análise de dados: estatística e modelagem multivariada com Excel®, SPSS® e Stata®. São Paulo: Elsevier.

Fernandes, F. C., de Souza, J. A. L., & de Faria, A. C. (2010). Evidenciação de riscos e captação de recursos no mercado de capitais: um estudo do setor de energia elétrica. Journal of Accounting, Management and Governance, 13(1), 59-73.

Fiirst, C., Pamplona, E., Haag, S., & Silva, M. Z. (2017). Evidenciação de fatores de riscos e deficiência do controle interno de empresas brasileiras com ADRs. Revista Ciências Sociais em Perspectiva, 16(31), 190-207.

Gabriel, F. S., Moura Abreu, I., & Lemes, S. (2014). Evidenciação de riscos das empresas brasileiras do setor da construção civil após a crise financeira internacional de 2008: uma análise de dados em painel. Race: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 13(3), 979-1000.

Huang, K. W. (2010). Exploring the information contents of risk factors in SEC form 10-K: A multi-label text classification application. Available at SSRN 1784527.

Jorion, P. (2002). How informative are value‐at‐risk disclosures? The Accounting Review, 77(4), 911-931.

Kimura, H., & Perera, L. C. J. (2005). Modelo de otimização da gestão de risco em empresas não financeiras. Revista Contabilidade & Finanças, 16(37), 59-72.

Klann, R. C., Kreuzberg, F., & Beck, F. (2014). Fatores de risco evidenciados pelas maiores empresas listadas na BM&FBovespa. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 3(3), 78-89.

Kravet, T., & Muslu, V. (2013). Textual risk disclosures and investors’ risk perceptions. Review of Accounting Studies, 18(4), 1088-1122.

Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as Sociedades por Ações. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6404compilada.htm

Lim, C. Y., & Tan, P. M. S. (2007). Value relevance of value-at-risk disclosure. Review of Quantitative Finance and Accounting, 29(4), 353-370.

Linsley, P.M, & Shrives, P.J. (2006). Relatório de risco: Um estudo de divulgações de risco nos relatórios anuais de empresas do Reino Unido. The British Accounting Review, 38 (4), 387-404.

Lopes, I. F., Beuren, I. M., & Vicente, E. F. R. (2021). Associação da evidenciação do gerenciamento de riscos com governança corporativa e desempenho em empresas com ADRs. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 9(1), 5-21.

Marshall, C. (2002). Medindo e gerenciando riscos operacionais em instituições financeiras. São Paulo: Qualitymark.

Miihkinen, A. (2013). The usefulness of firm risk disclosures under different firm riskiness, investor-interest, and market conditions: New evidence from Finland. Advances in Accounting, 29(2), 312-331.

Pamplona, E., Fiirst, C., Haag, S., & Silva, M. Z. (2020). Nível e determinantes de evidenciação de riscos em empresas brasileiras do setor de energia elétrica listadas na BM&FBovespa. ConTexto, 20(45), 19-33.

Salotti, B. M., & Yamamoto, M. M. (2005). Ensaio sobre a teoria da divulgação. BBR. Brazilian Business Review, 2(1), 53-70.

Santos, J. G. C. D., & Coelho, A. C. (2018). Value-relevance do disclosure: fatores e gestão de riscos em firmas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, 29(78), 390-404.

Shin, J. H., Cameron, G. T., & Cropp, F. (2006). Occam's Razor in the contingency theory: A national survey on 86 contingent variables. Public Relations Review, 32(3), 282-286.

Silva, M. Z., Granemann, C. M., & Fischer, D. (2018). Evidenciação de riscos e a relação com a governança corporativa em concessionárias de rodovias Brasileiras. Brazilian Journal of Development, 4(4), 1359-1378.

Suzart, J. A. S. (2016). Índices de evidenciação: quando um mais zero não é igual a um. Contabilometria, 3(1), 52-70.

Terra, P. R. S., & Lima, J. B. N. D. (2006). Governança corporativa e a reação do mercado de capitais à divulgação das informações contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, 17(42), 35-49.

Verrecchia, R. E. (2001). Essays on disclosure. Journal of Accounting and Economics, 32(1-3), 97-180.

Wadongo, B., & Abdel-Kader, M. (2014). Contingency theory, performance management and organisational effectiveness in the third sector. International Journal of Productivity and Performance Management, 63(6), 680-703.

Wang, M., & Hussainey, K. (2013). Voluntary forward-looking statements driven by corporate governance and their value relevance. Journal of Accounting and Public Policy, 32(3), 26-49.

Zonatto, V. C. S., & Beuren, I. M. (2010). Categorias de riscos evidenciadas nos relatórios da administração de empresas brasileiras com ADRs. RBGN: Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 12(35), 141-155.

Publicado

2023-01-24

Edição

Seção

Artigos