ESTATAIS BRASILEIRAS: COMPARATIVO DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO ENTRE EMPRESAS PÚBLICAS E PRIVADAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22277/rgo.v15i3.6537

Palavras-chave:

Desempenho econômico-financeiro. Estatal. Eficiência.

Resumo

Objetivo: O objetivo deste artigo foi verificar se existem evidências estatísticas de que o desempenho econômico-financeiro das empresas estatais brasileiras listadas difere do desempenho das empresas não estatais atuantes em diferentes mercados.

Método / Abordagem: Compuseram a amostra empresas listadas nas bolsas B3, Nasdaq e Nyse, no período de 2010 a 2017. Para testar as hipóteses foram utilizados modelos estatísticos com dados em painel; para mensurar o desempenho, foram empregados os indicadores ROA e ROE como proxies de rentabilidade, e o índice de giro de ativos (IGA) como proxy para eficiência.

Principais resultados: Os resultados indicam que as empresas privadas são mais rentáveis do que as públicas.

Contribuições metodológicas / sociais / gerenciais: Os achados poderão auxiliar os investidores nas decisões de aplicação de seus recursos e servir como subsídio aos gestores públicos para a tomada de decisão quanto à manutenção ou criação de empresas estatais.

Originalidade / relevância: A pesquisa procura esclarecer por meio de indicadores contábeis se, mesmo as empresas estatais listadas, sujeitas em tese, a um maior controle regulatório, fiscalizatório e a uma maior pressão por parte de seus investidores privados para obtenção de lucros, sofrem com os desvios de seus recursos para o atendimento de aspectos sócio políticos, que seriam refletidos por um menor desempenho.

Biografia do Autor

Alex Favalessa dos Santos, Fucape Business School

Mestre em Administração

Talles Vianna Brugni, Fucape Business School

Pós-Doutor em Finanças e Doutor em Controlatoria e Contabilidade

Aziz Xavier Beiruth, Fucape Business School

Doutor em Controladoria e Contabilidade

Bruna Camargos Avelino, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Doutora em Controladoria e Contabilidade

Referências

Anuatti-Neto, F., Barossi-Filho, M., Carvalho, A. G. D., & Macedo, R. (2005). Os efeitos da privatização sobre o desempenho econômico e financeiro das empresas privatizadas. Revista Brasileira de Economia, 59(2), 151-175. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71402005000200001

Aivazian, V. A., Ge, Y., & Qiu, J. (2005). Can corporatization improve the performance of state-owned enterprises even without privatization? Journal of Corporate Finance, 11(5), 791-808. https://doi.org/10.1016/j.jcorpfin.2004.11.001

Barbosa, C., Costa, C. M., & Funchal, B. (2012). The effects of privatization on the capital structure of Brazilian firms. Applied Economics Letters, 19(12), 1189-1192. https://doi.org/10.1080/13504851.2011.617687

Boardman, A. E., & Vining, A. R. (1989). Ownership and performance in competitive environments: A comparison of the performance of private, mixed, and state-owned enterprises. the Journal of Law and Economics, 32(1), 1-33. http://dx.doi.org/10.1086/467167

Boubakri, N., & Cosset, J. C. (1998). The financial and operating performance of newly privatized firms: Evidence from developing countries. The Journal of Finance, 53(3), 1081-1110.

Bozec, R., Breton, G., & Cote, L. (2002). The performance of state–owned enterprises revisited. Financial Accountability & Management, 18(4), 383-407. https://doi.org/10.1111/1468-0408.00158

Bruton, G. D., Peng, M. W., Ahlstrom, D., Stan, C., & Xu, K. (2015). State-owned enterprises around the world as hybrid organizations. Academy of Management Perspectives, 29(1), 92-114.

Camargos, M. A., & Barbosa, F. V. (2005). Análise do desempenho econômico-financeiro e da criação de sinergias em processos de fusões e aquisições do mercado brasileiro ocorridos entre 1995 e 1999. REGE - Revista de Gestão, 12(2), 99-115.

Cardoso, V. I. C., Maia, A. B. G. R., dos Santos, S. M., & de Assis Soares, F. (2013). O impacto da privatização no desempenho econômico: um estudo em empresas brasileiras de grande porte. Revista Ibero Americana de Estratégia, 12(3), 183-211.

Catapan, A., & Colauto, R. D. (2014). Governança corporativa: uma análise de sua relação com o desempenho econômico-financeiro de empresas cotadas no Brasil nos anos de 2010–2012. Contaduría y Administración, 59(3), 137-164. https://doi.org/10.1016/S0186-1042(14)71268-9

Cheng, Q., & Ng, A. (2018). State Ownership, Governance and Financial Performance of Chinese State Owned Enterprises. Journal of Accounting, 8(1).

Dewenter, K. L., & Malatesta, P. H. (2001). State-owned and privately owned firms: An empirical analysis of profitability, leverage, and labor intensity. American Economic Review, 91(1), 320-334. 10.1257/aer.91.1.320

Fontes Filho, J. R., & Picolin, L. M. (2008). Governança corporativa em empresas estatais: avanços, propostas e limitações. Revista de Administração Pública, 42(6), 1163-1188.

Machado, M. R. R., Machado, L. S., Souza, E. S., & de Oliveira, J. J. (2012). Aderência às normas internacionais de contabilidade pelas empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, 6(15), 3-22. htps://doi.org/10.11606/rco.v6i15.52654

Giambiagi, F., & Pinheiro, A. C. (1997). Lucratividade, dividendos e investimentos das empresas estatais: uma contribuição para o debate sobre a privatização no Brasil. Revista Brasileira de Economia, 51(1), 93-132.

Laffont, J. J., & Tirole, J. (1991). The politics of government decision-making: A theory of regulatory capture. The quarterly journal of economics, 106(4), 1089-1127. https://doi.org/10.2307/2937958

La Porta, R., & Lopez-de-Silanes, F. (1999). The benefits of privatization: Evidence from Mexico. The quarterly journal of economics, 114(4), 1193-1242.

Lima, E. C. P. (1997). Privatização e desempenho econômico: teoria e evidência empírica. Recuperado de http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/2390/1/td_0532.pdf.

Majumdar, S. K. (1998). Assessing comparative efficiency of the state-owned mixed and private sectors in Indian industry. Public Choice, 96(1), 1-24.

Mamede, S. D. P. N., Nakamura, W. T., Nakamura, E. A. M. V., Jones, G. D. C., & Jardim, J. R. D. P. S. (2017). Empresas brasileiras estatais e não estatais: uma análise das relações de endividamento. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 5(2), 4-22.

Megginson, W. L., Nash, R. C., & Van Randenborgh, M. (1994). The financial and operating performance of newly privatized firms: An international empirical analysis. The Journal of Finance, 49(2), 403-452. https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1994.tb05147.x

Mühlenkamp, H. (2015). From state to market revisited: A reassessment of the empirical evidence on the efficiency of public (and privately‐owned) enterprises. Annals of Public and Cooperative Economics, 86(4), 535-557. https://doi.org/10.1111/apce.12092

Pinheiro, A. C. (1996). Impactos microeconômicos da privatização no Brasil. Pesquisa e planejamento econômico, 26(3), 357-98. Recuperado de http://ppe.ipea.gov.br/index.php/ppe/article/viewFile/744/684.

Putniņš, T. J. (2015). Economics of state-owned enterprises. International Journal of Public Administration, 38(11), 815-832. https://doi.org/10.1080/01900692.2014.982289

Santos, A., Chan, B. L., & da Silva, F. L. (2007). Análise dos impactos da privatização na distribuição de riqueza a partir da demonstração do valor adicionado. Revista Universo Contábil, 3(2), 06-21.

Siqueira, A. P. G. (2018). Os efeitos da participação estatal para a qualidade dos lucros em empresas brasileiras. 57 f. Mestrado em Ciências Contábeis: Dissertação de mestrado. Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças – FUCAPE.

Nossa, S. N., Gonzaga, R. P., Nossa, V., Ribeiro Filho, J. F., & Teixeira, A. J. C. (2011). Privatizar ou não? Eis a questão: um estudo empírico sobre a rentabilidade das empresas de economia mista e empresas privadas listadas na Bovespa no período de 1995 a 2007. Revista de Administração Pública, 45(4), 1031-1154.

Sousa, E., Neto, F., Andriotti, R., & Campagnolo, R. (2020). Economic Assessment of Brazilian Public Ports: Value-Based Management. Brazilian Business Review, 17(4), 439–457.

Souza, A. L., & Pereira, M. V. (2017). Paradoxos entre governança corporativa e ocorrência de práticas de corrupção em empresas públicas: uma análise a luz da teoria da agência. Revista Formadores, 10(4), 5-5.

Vitoria, R., Bressan, A., & Iquiapaza, R. (2020). Do State-owned Enterprises in Brazil Require a Risk Premium Factor? Brazilian Business Review, 17(5), 488–505.

Wang, L., & Yung, K. (2011). Do state enterprises manage earnings more than privately owned firms? The case of China. Journal of Business Finance & Accounting, 38(7‐8), 794-812. https://doi.org/10.1111/j.1468-5957.2011.02254.x

Wolf, C. (2009). Does ownership matter? The performance and efficiency of State Oil vs. Private Oil (1987–2006). Energy Policy, 37(7), 2642-2652.

Publicado

2022-10-03