TRABALHO E RISCO DE ADOECIMENTO NA PERSPECTIVA DOS AGENTES DE NECROPSIA

Autores

  • Julia Maria dos Santos de Freitas Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Agostinha Mafalda Barra de Oliveira Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Juliana Carvalho de Sousa Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)
  • Aline Francilurdes Nery do Vale Universidade Federal Rural do Semi-Árido

DOI:

https://doi.org/10.22277/rgo.v15i3.6810

Palavras-chave:

Psicodinâmica do Trabalho. Custo Humano do Trabalho. Danos relacionados ao trabalho. Agentes de Necropsia.

Resumo

Objetivo: Compreender a percepção dos custos e danos relacionados ao trabalho dos agentes de necropsia de um Instituto Técnico Científico de Perícia (ITEP), do estado do Rio Grande do Norte (RN).

Método / abordagem: Trata-se de um estudo de caso, qualitativo e descritivo. Entrevistas semiestruturadas foram realizadas com sete agentes de necropsia do ITEP-RN. O roteiro de entrevista foi baseado nas Escalas de Custo Humano no Trabalho (ECHT) e de Avaliação dos Danos Relacionados ao Trabalho (EADRT). Para a análise de dados, utilizou-se a análise de conteúdo de Bardin (2010).

Principais resultados: Identificou-se custos físicos devido ao carregamento de peso, manuseio de equipamentos e cadáveres; e custos emocionais, por lidar com vítimas conhecidas e crianças, sofrimento das famílias e conflitos interpessoais no trabalho. Bem como, danos físicos, como dores e doenças causadas pela exposição a fortes odores; danos sociais, como impaciência para lidar com pessoas e problemas; e danos psicológicos, como ansiedade, depressão e fadiga mental.

Contribuições metodológicas / sociais / gerenciais: Este estudo contribui com a literatura sobre trabalho e risco de adoecimento e socialmente dar visibilidade aos agentes de necropsia. Em nível institucional, fornece um diagnóstico dos riscos à saúde, e subsidia seus gestores nas tomadas de decisões para ações de melhoria do contexto de trabalho desses profissionais.

Originalidade / relevância: O estudo adentrou nas particularidades do contexto laboral dos agentes de necropsia e seus custos e danos relacionados ao trabalho foram considerados e analisados qualitativamente.

Biografia do Autor

Julia Maria dos Santos de Freitas, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Graduada em Administração pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Agostinha Mafalda Barra de Oliveira, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Doutora em Psicologia Social e Antropologia das Organizações pela Universidad de Salamanca. Professora efetiva da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA).

Juliana Carvalho de Sousa, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)

Doutora em Administração pela Universidade Potiguar (UNP). Professora substituta na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

Referências

Aires, L. M. N., Peixoto, M. S. R. M., & Pachú, C. O. (2021). Avaliação do contexto de trabalho e custo humano do trabalho entre técnicos administrativos de uma instituição pública de ensino superior na Paraíba. Revista Interdisciplinar em Saúde, 8, 146-162. https://doi.org/10.35621/23587490.v8.n1.p163-179

Anchieta, V. C., Galinkin, A. L., Mendes, A. M. B., & Neiva, E. R. (2011). Trabalho e riscos de adoecimento: um estudo entre policiais civis. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(2), 199-208. http://doi.org/10.1590/S0102-37722011000200007

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Capaverde, C. B., Oliveira, L. P., & Scheffer, A. B. B. (2017). Subjetividade e enfrentamento da morte: construindo gestão de pessoas na cotidianidade. Revista de Eletrônica de Administração, 23(spe), 188-209. http://doi.org/10.1590/1413-2311.171.63740

Cotrim, T., Soares, G., Ferreira, P., Barnabé, R., Teles, J., & Prata, N. (2020). Measuring psychosocial factors and predicting work ability among cemetery workers. Journal Work, 65(1), 111-119. http://doi.org/10.3233/WOR-193063

Dejours, C. (2009). Travail vivant: Travail et émancipation. Paris: Payot.

Dejours, C., Abdoucheli, E., & Jayet, C. (1994). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas.

Facas, E. P. (2013). Protocolo de Avaliação dos Riscos Psicossociais no Trabalho - Contribuições da Psicodinâmica do Trabalho [Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília]. Repositório da Universidade de Brasília https://repositorio.unb.br/handle/10482/15420

Faro, A., Bahiano, M. A., Nakano, T. C., Reis, C., Silva, B. F. P., & Vitti, L. S. (2020). COVID-19 e saúde mental: a emergência do cuidado. Estudos de Psicologia, 37(200074), 1-14. https://doi.org/10.1590/1982-0275202037e200074

Fonseca, E. C., Zeitoune, R. C. G., Sousa, K. H. J. F., Portela, L. F., & Soares, M. R. C. (2020). Danos à saúde dos trabalhadores de enfermagem de salas de vacinação. Acta Paulista de Enfermagem, 33, 1-10. http://doi.org/10.37689/acta-ape/2020AO0147

França, R. C. S., Costa, J. F., & Nelson, I. C. A. S. R. (2021). Danos psicológicos à saúde relacionados ao trabalho dos profissionais de um hospital geral. Revista Online de Pesquisa, 13, 666-670. http://dx.doi.org/0.9789/2175-5361.rpcfo.v13.9411

Hanssen, B., Campos, J., Alencar, I. M., & Ribeiro, P. E. (2018). O sofrimento psíquico no trabalho de motoristas funerários. Revista Caribeña de Ciencias Sociales, 1-26. https://www.eumed.net/rev/caribe/2018/05/sofrimento-motoristas-funerarios.html

Messias, J. S. (2017). Estudo clínico da atividade laboral dos técnicos em necropsia de um serviço de verificação de óbito no nordeste do Brasil [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte]. Repositório da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/25273

Mendes, A. M. (2007). Da psicodinâmica à psicopatologia do trabalho. In: A. M. Mendes (Org.). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. (pp. 29- 48). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mendes, A. M., & Ferreira, M. C. (2007). Inventário sobre Trabalho e Riscos de Adoecimento-ITRA: instrumento auxiliar de diagnóstico de indicadores críticos no trabalho. In: A, M. Mendes (Org.). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. (pp. 111-126). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Minayo, M. C. S., & Costa, A. P. (2018). Fundamentos teóricos das técnicas de investigação qualitativa. Revista Lusófona de Educação, 40(40), 139-153. http://orcid.org/0000-0002-4644-5879

Oliveira, A. F. C., Teixeira, E. R., & Athanázio, A. R. (2021). Avaliação de indicadores de prazer e sofrimento em trabalhadores de enfermagem oncológica. Research Society and Development, 10(10), 1-12. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18731

Paula, N. R. O. (2016). O cadáver como objeto de trabalho: percepções de trabalhadores da PEFOCE sobre o lidar com a morte e suas implicações [Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual do Ceará]. Repositório da Universidade Estadual do Ceará. http://www.uece.br/ppsac/wp-content/uploads/sites/37/2018/08/NEY-RONALDY-DE-OLIVEIRA-PAULA.pdf

Santos, A. C., Hoppe, A. S., & Krug, S. B. F. (2018). Agente comunitário de saúde: implicações dos custos humanos laborais na saúde do trabalhador Physis: Revista de Saúde Coletiva, 28(4), 1-18. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312018280403

Silva, E. F., Lopes, H. L., & Silva, A. P. L. (2015). O trabalho vivo de profissionais que lidam com a morte. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 18(1), 61-76. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v18n1p61-76

Silva, F. L. L., Souza, P. C. Z., & Araújo, J. S. A. (2014). Análise das condições e da organização do trabalho dos necrotomistas. Psicologia em Estudo, 19(1), 81-91. https://doi.org/10.1590/1413-7372213280008

Silva, F. L. L., Souza, P. C. Z., Araújo, A. J. S., & Pinto, F. M. (2016). Estigmatização e riscos no trabalho dos necrotomistas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(1), 131-141. http://dx.doi.org/10.1590/0102-37722016012302133141

Silva, G. J. P., Ferreira, P. A. M., Costa, R. P., Jesus, S. F. C., Gondim, L. A. R., & Ferreira, P. R. (2016). Danos à saúde relacionados ao trabalho de fisioterapeutas que atuam em terapia intensiva. ASSOBRAFIR Ciência, 7(2), 31-44.

Sousa, K. H. J. F., Lopes, D. P., Nogueira, M. L. F., Tracera, G. M. P., Moraes, K. G., & Zeitoune, R. C. G. (2018). Risco de adoecimento e custo humano no trabalho em um hospital psiquiátrico. Escola Anna Nery, 22(2), 1-9. http://10.1590/2177-9465-EAN-2017-0288

Tutya, S. T. B., & Guimarães, L. A. M. (2020). Custos e danos provocados pelo trabalho e o impacto na capacidade, relacionados ao trabalho em servidores de uma agência de previdência social de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. International Journal of Development Research, 10(11), 42315-42324. https://doi.org/10.37118/ijdr.20448.11.2020

Veras, V. S., & Ferreira, M. C. (2006). Lidar com gente é muito complicado: relações socioprofissionais de trabalho e custo humano da atividade em teleatendimento governamental. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 31(114), 135-148. https://doi.org/10.1590/S0303-76572006000200012

Worm, F. A., Pinto, M. A. O., Schiavenato, D., Aascari, R. A., Trindade, L. L., & Silva, O. M. (2016). Risco de adoecimento dos profissionais de enfermagem no trabalho em atendimento móvel de urgência. Revista Cuidarte, 7(2), 1288-1296. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v7i2.329

Yin, R. (2005). Estudo de caso. Planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Publicado

2022-10-03