INFORMALIDADE, PRECARIZAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO: UM RETRATO DO TRABALHO DOS ENTREGADORES POR APLICATIVO NO CONTEXTO PANDÊMICO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22277/rgo.v15i3.6931

Palavras-chave:

Entregadores por aplicativo. Informalidade. Precarização.

Resumo

Objetivo: Levantar as condições de trabalho do setor de entregas por aplicativo diante do cenário da pandemia de Covid-19, entre as principais plataformas atuantes no Brasil.

Método / abordagem: Pesquisa qualitativa básica apoiada em documentos.

Principais resultados: Por meio do refinamento de sentido dos códigos desenvolvidos, chegou-se ao conjunto de categorias que nortearam o processo analítico, a saber: Pretensa autonomia de um trabalhador precarizado; Empresas controlam atuação profissional; Pandemia fez crescer negócios de entrega e trabalho de entregadores; Ausência de vínculo é percebida como ausência de responsabilidade; Empresas atuam na proteção à pandemia; e Reivindicações e ações em busca de direitos e qualidade de vida e trabalho. 

Contribuições metodológicas / sociais / gerenciais: O resultado da análise corrobora com o debate sobre a precarização do trabalho pela sua condição informal e flexível, sendo possível refletir sobre novas políticas e soluções gerenciais para mitigar tais mazelas.

Originalidade / relevância: Relevante por apontar as recentes reestruturações na organização do trabalho e estudos organizacionais.

Biografia do Autor

Douglas Inácio Fragoso Ferreira, Instituto Federal de Pernambuco

Graduando em Tecnologia em Processos Gerenciais pelo Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), Graduando em Bacharel em Administração pela Uninassau e Técnico em Administração pela Escola Técnica Pernambucana (ETP) 

Referências

Abílio, L. C. (2019, novembro). Uberização: do empreendedorismo para o autogerenciamento subordinado. Psicoperspectivas, 18 (3), 41-51.

Annunciato, N., & Fernandes, I. (2020, março 25). Para ‘sobreviver’, motoristas e entregadores por aplicativo mudam rotina durante pandemia. G1. Recuperado de https://g1.globo.com/sp/sorocaba-jundiai/noticia/2020/03/25/para-sobreviver-motoristas-e-entregadores-por-aplicativo-mudam-rotina-durante-pandemia.ghtml.

Antunes, R. (2000). O toyotismo e as novas formas de acumulação do capital. In Antunes, R. (Org). Os sentimentos do trabalho. São Paulo: Boitempo.

__________. (2011). As metamorfoses no mundo do trabalho. In Antunes, R. Adeus ao trabalho? Ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez.

__________. (2018). O privilégio da servidão: o novo proletário de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo. E-book.

Beltrão, M. M. A. (2010). Trabalho informal e desemprego: desigualdades sociais (Tese de doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bonis, G. (2020, julho). Pandemia precariza ainda mais o trabalho de entregadores de aplicativos. DW. Recuperado de https://www.dw.com/pt-br/pandemia-precariza-ainda-mais-o-trabalho-de-entregadores-de-aplicativos/a-54121389 .

Cacciamali, M. C. (1982) Um estudo sobre o setor informal urbano e formas de participação na produção (Tese de Doutorado). Faculdade de Economia e Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Cacciamali, M. C. (2000, junho). Globalização e processo de informalidade. Economia e Sociedade, Campinas, 9 (1), 153-174.

Carvalho, C. A., & Vieira, M. M. F. (2007). Sociedade, organização e poder. In Carvalho, C. A., & Vieira, M. M. F. O Poder nas Organizações. São Paulo: Thomson Learning.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (3ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

G1. (2020, junho 16). Coronavírus: governo de SP obriga empresas de delivery a proteger entregadores com base em protocolo do MPT e da Unicamp. G1. Recuperado de https://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2020/06/16/covid-19-portaria-do-mpt-e-unicamp-define-protocolo-estadual-para-protecao-de-funcionarios-de-delivery.ghtml.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. (2006). A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In Denzin, N. K., & Lincoln, Y. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed.

Franco, D. S., & Ferraz, D. L. S. (2019, novembro). Uberização do trabalho e acumulação capitalista. Cadernos Ebape.br, 17, 844-856.

Gaia, F. S. (2018). As novas formas de trabalho no mundo dos aplicativos: o caso "uber" (Tese de doutorado). Universidade Católica São Paulo, São Paulo.

Godoy, A. S. (2005, maio/agosto). Refletindo sobre critérios de qualidade da pesquisa qualitativa. Gestão.Org, 3(2), 81-89.

Gorz, André. (2007). Primeira parte. In Gorz, André. Metamorfoses do trabalho: crítica da razão econômica. São Paulo. Annablume.

Harvey, D. (1993). A transformação político econômica do capitalismo do final do século XX. In Harvey, D. A condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola.

IPEA. (2018). Número de entregadores cresce 104,2% devido ao desemprego. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Recuperado de https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=34920.

Krein, J. D., |& Proni, M. W. (2010). Economia informal: aspectos conceituais e teóricos. Brasília: OIT (Trabalho decente no Brasil; Documento de trabalho n. 4).

Lavado, T., & Paixão, A. (2020, abril). Veja medidas adotadas por aplicativos para auxiliar motoristas e entregadores diante do coronavírus. G1. Recuperado de https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/2020/04/02/veja-medidas-adotadas-por-aplicativos-para-auxiliar-motoristas-e-entregadores-diante-do-coronavirus.ghtml.

Leone, E. T. (2010). O perfil dos trabalhadores e trabalhadoras na economia informal. Brasília: OIT. (Série Trabalho Decente no Brasil; Documento de trabalho n. 3).

Lima, J. C., Bridi, M. A. (2019, agosto). Trabalho digital e emprego: a reforma trabalhista e o aprofundamento da precariedade. Cad. CRH, Salvador, 32 (86).

Machado, L. (2019, maio). Dormir na rua e pedalar 12 horas por dia: a rotina dos empregadores de aplicativo. BBC News Brasil. Recuperado de

https://www.bbc.com/portuguese/brasil-48304340.

Mariz, L. A., Goulart, S., Régis, H. P., & Dourado, D (2005, julho). O reinado dos estudos de caso na teoria das organizações: imprecisões e alternativas. Cadernos EBAPE, 3 (3), 1-14.

Merriam, S. (2002). Qualitative research in pratice: examples for discussion and analysis. San Francisco: Jossey-Bass.

Mesquita, C. (2019, junho). Entregadores de aplicativos pedalam até 70 km durante 13 horas por dia em Fortaleza. G1. Recuperado de https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/2019/06/16/entregadores-pedalam-70-km-durante-13-horas-por-dia-de-trabalho-em-fortaleza.ghtml.

Moura, J. (2020, junho). Motoboys organizam boicote a aplicativos de entrega em 1º de julho. Folha de São Paulo. Recuperado de https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/06/motoboys-organizam-boicote-a-aplicativos-de-entrega-em-1o-de-julho.shtml.

Organização Mundial do Trabalho (OIT). (2014). Conceitos fundamentais. In Organização Mundial do Trabalho (OIT). A economia informal e o trabalho digno: guia de recursos sobre as políticas. Apoiar a transição para formalidade. Portugal: OIT. Tradução: Gabinete de Estratégia e Planejamento do Governo de Portugal.

Organização Mundial do Trabalho (OIT). (2018). Futuro do trabalho no Brasil: perspectivas e diálogos tripartites. Brasil: OIT.

Ramos, Carlos Alberto. (2007, junho). Setor informal: do excedente estrutural à escolha individual. Marcos interpretativos e alternativas de política. Revista Econômica, Rio de Janeiro, 9(1), 115-137.

Reuters. (2020, abril). Candidatos a entregador de aplicativo mais que dobram após isolamento causado pelo coronavírus. G1. Recuperado de https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/2020/04/01/candidatos-a-entregador-de-aplicativo-mais-que-dobram-apos-isolamento-causado-pelo-coronavirus.ghtml .

Singer, P., Jakobsen, K., & Pochmann, M. (2000). Trabalho informal: origens e evolução. In Singer, P., Jakobsen, K., & Pochmann, M. (Org.). Mapa do trabalho informal: perfil socioeconômico dos trabalhadores informais na cidade de São Paulo. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Slee, T. (2017). Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Editora Elefante.

Soprana, P. (2020a, março). Sem proteção, motoboys enfrentam risco do coronavírus e filas em supermercados. Folha de São Paulo. Recuperado de https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/03/sem-protecao-motoboys-enfrentam-risco-do-coronavirus-e-filas-em-supermercados.shtml

Soprana, P. (2020b, junho). Entregadores organizam paralisação e movimento chega a capitais latinas. Folha de São Paulo. Recuperado de https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/06/entregadores-organizam-paralisacao-e-movimento-chega-a-capitais-latinas.shtml .

Souza, F., & Machado, L. (2020, maio). Coronavírus: entregadores de aplicativo trabalham mais e ganham menos na pandemia, diz pesquisa. BBC. São Paulo. Recuperado de https://www.bbc.com/portuguese/brasil-52564246 .

Tavares, M. A. (2002). Trabalho informal: os fios (in)visíveis da produção capitalista. Revista Outubro, Brasil, (7), 49-60.

Standing, Guy. (2014). O precariado: a nova classe perigosa. Belo Horizonte: Autentica Editora. Tradução Cristina Antunes.

Vieira, B. M. (2020, junho). Entregadores se unem por melhores condições de trabalho nos aplicativos: ‘Entrego comida com fome’, diz ciclista. G1. São Paulo. Recuperado de https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/06/21/entregadores-se-unem-por-melhores-condicoes-de-trabalho-nos-aplicativos-entrego-comida-com-fome-diz-ciclista.ghtml .

Publicado

2022-10-03