ANÁLISE DE NARRATIVAS E AS DISCUSSÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES: UMA META-SÍNTESE

Autores

  • Beatriz Lima Zanoni UFPR
  • Adriana Roseli Wünsch Takahashi UFPR

DOI:

https://doi.org/10.22277/rgo.v16i1.7106

Palavras-chave:

Organizações. Sustentabilidade. Narrativas. Sistema verbal. Meta síntese.

Resumo

Objetivo: compreender como as narrativas constroem o caminho para que a sustentabilidade organizacional seja acessada.

Método/abordagem: o delineamento metodológico se deu a partir dos princípios da meta-síntese e oito etapas foram seguidas: enquadramento da pergunta de pesquisa; localização de pesquisas relevantes; critérios de inclusão; extração e codificação dos dados; análise em nível do estudo; síntese em nível de estudo cruzado; refinamento da teoria a partir da meta-síntese; discussão.

Principais Resultados: uma vez realizada a leitura e análise de nove artigos, publicados nos 10 últimos anos (2012-2021), foi possível destacar três níveis de discussões sobre sustentabilidade nas organizações: nível individual, ambiente interno e ambiente externo. A diferença entre os níveis revela que o ambiente externo ainda tem acesso à um discurso sobre sustentabilidade pautado nas características ambiental, social e econômica.

Contribuições teóricas/práticas/sociais: a narrativa utilizada como método de análise nos artigos selecionados permitiu um acesso aprofundado aos outros aspectos que também constituem as discussões sobre sustentabilidade. As interferências de valores, cultura, tensões, resistências etc., que fazem com que o tema possa ser debatido a partir de lentes políticas e ideológicas, contribuem teórica e socialmente para os debates sobre o tema.

Originalidade/relevância: almejando ir além das perspectivas objetivas, prescritivas e, quase que institucionalizadas das discussões sobre o “tripé” da sustentabilidade, esse artigo se propôs, a partir da união de três grandes temas – organizações, sustentabilidade e narrativas –, ressaltar características políticas e ideológicas presentes nesses debates e destacar a narrativa como uma forma de acessá-los em profundidade.

Referências

Alves, S. (2004). A multidimensionalidade nas organizações empresariais: proposta de um modelo analítico. RAC, 8(2), 71-93. https://doi.org/10.1590/S1415-65552004000200005

Berger, P. L., & Luckmann, T. (2013). A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes.

Boxenbaum, E., & Jonsson, S. (2017). Isomorphism, diffusion and decoupling: concept evolution and theoretical challenges. In R. Greenwood, C. Oliver, T. B. Lawrence, & R. E. Meyer (Eds.) The Sage Handbook of Organizational Institutionalism, (pp. 77-101). 2. ed. London, Thousand Oaks, CA & New Dehli: Sage Publications.

Brown, A. D., & Rhodes, C. (2005). Narrative, organizations and research. International Journal of Management Reviews, 7(3), 167-188. https://doi.org/10.1111/j.1468-2370.2005.00112.x

Dieleman, M., & Koning, J. (2020). Articulating Values Through Identity Work: Advancing Family Business Ethics Research. Journal of Business Ethics, 163, 675–687. https://doi.org/10.1007/s10551-019-04380-9

Dziubaniuk, O., Ivanova-Gongne, M., & Berdysheva, E. (2021). Challenges of network interaction in managing sustainable development projects in developing countries: case of an international consulting company. Critical Perspectives on International Business, 1742-2043. https://10.1108/cpoib-08-2020-0115

Egri, C. P., & Pinfield, L. T. (1999). Organizations and the biosphere: Ecologies and environments. In: S. R. Clegg, C. Hardy, & Nord W. R. (Eds.). Managing Organizations: Current Issues (pp. 209-233). Thousand Oaks: SAGE Publications.

Elkington, J. (1994). Towards the sustainable corporation: Win-win-win business strategies for sustainable development. California Management Review, 36(2), 90-100. https://doi.org/10.2307/41165746

Eisenhardt, K. M., & Graebner, M. E. (2007). Theory building from cases: Opportunities and challenges. Academy of Management Journal, 50(1), 25–32. https://doi.org/10.5465/amj.2007.24160888

Fong, V. H. I., Wong, I. A., & Hong, J. F. L. (2018). Developing institutional logics in the tourism industry through coopetition. Tourism Management, 66, 244-262. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2017.12.005

Gond, J. P., Cabantous, L., & Krikorian, F. (2018). How do things become strategic? ‘Strategifying’ corporate social responsibility. Strategic Organization, 16(3), 241–272. https://doi.org/10.1177/1476127017702819

Hensel, P. G., & Guérard, S. (2020). The institutional consequences of decoupling exposure. Strategic Organization, 18(3), 407-423. https://doi.org/10.1177/1476127019831023

Hoon, C. (2013). Meta-synthesis of qualitative case studies an approach to theory building. Organizational Research Methods, 16(4), 522-556. https://doi.org/10.1177/1094428113484969

Justen, G. S., Morais-Da-Silva, R, Takahashi, A. R. W., & Segatto, A. P. (2020). Inovação social e desenvolvimento local: uma análise de meta-síntese. RGSA, 14(1), 56-73. http://dx.doi.org/10.24857/rgsa.

Lai, A., Melloni, G., & Stacchezzini, R. (2018). Integrated reporting and narrative accountability: the role of preparers. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 31(5), 1381-1405. https://doi.org/10.1108/AAAJ-08-2016-2674

Lieblich, A., Tuval-Mashiach, R. & Zilber, T. (1998). Narrative Research: Reading, Analysis, and Interpretation. Sage, Thousand Oaks.

Matejek, S., & Gössling, T. (2014). Beyond legitimacy: A case study in BP’s “green lashing”. Journal of Business Ethics, 120(4), 571-584. https://doi.org/10.1007/s10551-013-2006-6

Morrison, L. J., & Lowe, A. (2021). Into the woods of corporate fairytales and environmental reporting. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 34(4), 819-848. https://doi.org/10.1108/AAAJ-03-2020-4466

O´Connor, J. (2000). ¿Es posible el capitalismo sostenible?, Papeles de Población, 6(24), 9-35.

Pentland, M.S. (1999). Building Process Theory with Narrative: from description to explanation. Academy of Management Review, 24(4), 711-724. https://doi.org/10.5465/amr.1999.2553249

Reed, M. (2007). Teorização organizacional: um campo historicamente contestado. In S. R. Clegg, C. Hardy, & W. R. Nord (Org.). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais (pp. 61-97). São Paulo: Editora Atlas.

Rese, N., Kuabara, F. H. S., Villar, E. G., & Ferreira, J. M. (2016). O Vir a Ser da Estratégia como uma Prática Social. RAC, 21(2), 227-248. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2017150300

Rese, N., Montenegro, L. M., Bulgacov, S., & Bulgacov, Y. L. M. (2010). A análise de narrativas como metodologia possível para os estudos organizacionais sob a perspectiva da estratégia como prática: “uma estória baseada em fatos reais”. Encontro de estudos organizacionais da ANPAD, VI. Florianópolis. Anais. Florianópolis: Anpad.

Relatório Rio+20. (2012). O Modelo Brasileiro: relatório de sustentabilidade da organização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável / Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. Brasília, FUNAG. https://funag.gov.br/biblioteca-nova/produto/1-1018

Rossoni, L. (2015). O que é legitimidade organizacional? Organizações e Sociedade, 23(76), 110-129. https://doi.org/10.1590/1984-9230766

Rossoni, L., Poli, I. T., Sinay, M. C. F., & Araújo, G. A. (2020). Materiality of sustainable practices and the institutional logics of adoption: A comparative study of chemical road transportation companies. Journal of Cleaner Production, 246, 1-14. https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2019.119058

Seefeld, R., & Rese, N. (2019). “Para bom entendedor, meia palavra basta?!”: um estudo sobre as narrativas produzidas por agentes de mídia na tradução do papel dos envolvidos na Operação Lava Jato. Cad. EBAPE.BR, 18(1), 124-141. https://doi.org/10.1590/1679-395120190025

Véron, J. (2004). Sustainable Development: a North-South Issue? Atti della XLII Riunione Scientifica della Società Italiana di Statistica, Sessioni plenarie-Sessioni specializzate, Bari, 9-11. http://old.sis-statistica.org/files/pdf/atti/RSBa2004p305-312.pdf

Zaccarelli, L. M., & Godoy, A. S. (2013). “Deixa eu te contar uma coisa…”: Possibilidades do uso de narrativas e sua análise nas pesquisas em organizações. RGO – Revista Gestão Organizacional, 6(3), 25-36. https://doi.org/10.22277/rgo.v6i3.1521

Zanoni, B. L., Borim-De-Souza, R., Travis, E. F., & Jan-Chiba, J. H. F. (2021). Capitals and decisions about sustainability in a Brazilian ecocide organization: a narrative analysis based on Bourdieusian sociology. Management Research: Journal of the Iberoamerican Academy of Management, 19(2), 162-190. https://doi.org/10.1108/MRJIAM-08-2020-1085

Zupic, I., & Čater, T. (2015). Bibliometric methods in management and organization. Organizational Research Methods, 18(3), 429-472. https://doi.org/10.1177/1094428114562629

Publicado

2023-01-05

Edição

Seção

Artigos