Teoria da firma e inovação: um enfoque neo-schumpeteriano

Autores

  • Rosele Marques Vieira Unochapecó

DOI:

https://doi.org/10.46699/rce.v14i27.1180

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir como ocorrem as inovações tecnológicas nas firmas, com enfoque nas concepções neo-schumpeterianas. A partir deste enfoque, buscou-se explicar o tratamento da firma em termos dinâmicos, gerados por fatores endógenos do sistema, notadamente as inovações. A firma é tomada como uma unidade básica de análise, em que os agentes decidem sob condições de incerteza, instabilidade e racionalidade limitada. Em oposição à abordagem neoclássica, o comportamento da firma é explicado por meio das ideias de rotina, da busca e da seleção. Desse modo, o mercado constitui uma instituição de seleção cada vez mais eficiente, determinando o desaparecimento de empresas consideradas incapazes. As firmas estão em constante busca por inovações, a fim de garantir a obtenção de lucros e a difusão tecnológica.

Edição

Seção

Artigos