Mercados financeiros, assimetria de informação e crises financeiras nos países emergentes

Autores

  • Anderson Antonio Denardin Universidade Comunitária Regional de Chapecó
  • Maurício Simiano Nunes
  • Roberto Meurer

DOI:

https://doi.org/10.46699/rce.v12i22.390

Resumo

Este trabalho teve como objetivo verificar a importância da assimetria de informação no mercado financeiro e identificar as possíveis consequências sobre o funcionamento do sistema financeiro e a atividade econômica em geral, especialmente nos países emergentes da Ásia e da América Latina. As evidências empíricas convergiram para a análise de crise que considera a assimetria de informação como seu elemento determinante – os modelos de terceira geração. Esses modelos consideram a crescente e desordenada liberalização dos mercados financeiros como responsável pela expansão de empréstimos (créditos), que conduziram à fragilização do sistema financeiro e aos consequentes ataques especulativos às moedas dos países emergentes. A maior parte das crises financeiras que acometeram o México (1994), sudeste asiático – Tailândia, Indonésia, Malásia e Coreia (1997) - e Argentina (2001) tiveram como fator chave os fundamentos microeconômicos, principalmente os inerentes a assimetria de informação e, mais especificamente, à deterioração do balanço patrimonial das corporações que compõem o sistema financeiro.

Edição

Seção

Artigos