RESPOSTA DA INDÚSTRIA CATARINENSE À CRISE ECONÔMICA MUNDIAL PÓS-2008: AVALIAÇÃO POR INTENSIDADE TECNOLÓGICA

Autores

  • Carolina C. Silvestre Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Wallace Marcelino Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Sílvio Antonio Ferraz Cário Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

DOI:

https://doi.org/10.46699/rce.v20i36.4474

Resumo

Este trabalho tem por objetivo estudar a resposta da indústria de Santa Catarina à crise econômica pós-2008, com o propósito de contribuir com estudos sobre a realidade econômica do estado. Para tanto, analisam-se os dados de valor da transformação industrial, valor bruto da produção industrial, densidade industrial e produtividade, segundo intensidade tecnológica. Os resultados apontam que a indústria de Santa Catarina apresentou taxa de crescimento representativa para os setores de baixa e média-baixa intensidade tecnológica, sem deparar-se com grande instabilidade após a crise de 2008. Neste contexto, destaca-se pequeno movimento ascendente nos valores registrados no segmento de média-baixa tecnológica. Da mesma forma, registra-se crescimento nos valores do grupo de indústrias de alta intensidade tecnológica, sinalizando mudança favorável na estrutura industrial.

Biografia do Autor

Carolina C. Silvestre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutoranda em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Wallace Marcelino, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutorando em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Sílvio Antonio Ferraz Cário, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Professor do Curso de Graduação em Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Publicado

2018-07-24

Edição

Seção

Artigos