SOBRE A EMPRESA, A APROPRIAÇÃO DO BUDISMO E A ÊNFASE NA PRODUTIVIDADE: REFLEXÕES A PARTIR DE REPORTAGENS DA REVISTA EXAME

Autores

  • Natália Nunes da Cunha Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
  • Charles Buchweitz Bergmann Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
  • Marcio Silva Rodrigues Universidade Federal de Pelotas http://orcid.org/0000-0002-8810-7077

DOI:

https://doi.org/10.46699/rce.v24i40.5565

Resumo

A forte influência do modelo empresarial sobre os humanos e as organizações tem se tornado cada vez mais presente nas sociedades modernas, promovendo o que se compreende como o processo de empresarização. Seguindo estes argumentos, o objetivo deste texto é evidenciar a incorporação de práticas religiosas budistas no espaço empresarial, destacando os impactos que estas vêm sofrendo pela apropriação e distorção em seus princípios. Para desenvolver esta pesquisa de natureza predominantemente qualitativa, analisamos reportagens, retiradas da revista EXAME, que apresentavam conteúdo relacionado ao tema. De maneira geral, a análise das reportagens revela que as empresas estão constantemente se apropriando de alguns conhecimentos budistas com o intuito de aumentar a produtividade e completar as lacunas que elas (empresas) ocasionam.

Biografia do Autor

Natália Nunes da Cunha, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Granduanda do Curso de Bacharelado em Administração da Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Charles Buchweitz Bergmann, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Graduando do Curso de Bacharelado em Administração da Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Marcio Silva Rodrigues, Universidade Federal de Pelotas

Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia, do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial e Sistemas Agroindrustriais, do Mestrado em Administração Pública e Curso do Bacharelado em Administração da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Líder do Núcleo de Estudos Marcelo Milano Falcão Vieira (NeMaVi) e membro do Observatório da Realidade Organizacional (UFSC). 

Publicado

2020-10-14