Educação, capital humano e crescimento econômico

Autores

  • Reinaldo de Almeida Coelho
  • João Rogério Sanson
  • Emílio Menezes
  • César Medeiros Cupertino
  • Gilmar Jorge Wakulicz

DOI:

https://doi.org/10.46699/rce.v12i23.568

Palavras-chave:

Participação social. Poder local. Conselhos municipais. Comunicação

Resumo

Este trabalho estuda as relações entre capital humano - medido pelo número de matrículas em quatro níveis de educação - e o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. Como
abordagem, utiliza o método de Johansen de cointegração e causalidade de Granger. Concomitantemente a isso, o estudo supõe a educação como o principal elemento de formação
de capital humano e a existência de uma relação de longo prazo entre capital humano e PIB. De fato, este trabalho replica o estudo feito por Asteriou e Agiomirgianakis (2001, Journal of Policy Modeling) para a Grécia, o qual conclui que o capital humano causa, no sentido de Granger, o PIB daquele país para os níveis educacionais primário e secundário, encontrando causalidade reversa para o ensino superior. No presente estudo, o período analisado compreende de 1959 a 2000, com dados sobre os números de matrícula nos níveis do ensino fundamental, ensino médio, graduação e pós-graduação. Para o Brasil, o presente trabalho encontra relações de causalidade no sentido do capital humano para o crescimento econômico apenas para a série de ensino fundamental, sendo que a relação de causalidade entre PIB e ensino de graduação ficou indefinida e para a pós-graduação a causalidade foi reversa. Não foi encontrada nenhuma
relação de causalidade entre ensino médio e PIB.

Edição

Seção

Artigos