Potencial alelopático de Pilocarpus pennatifolius Lemaire sobre a germinação de sementes e crescimento inicial de plântulas de

Autores

  • Grasielle Soares Gusman Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó
  • Micaela Queiroz Yamagushi
  • Silvane Vestena

DOI:

https://doi.org/10.24021/raac.v12i1/2.3223

Resumo

A alelopatia caracteriza-se pelos efeitos danosos ou benéficos sobre o desenvolvimento da vegetação, causados por substâncias químicas produzidas e liberadas para o ambiente por uma planta, microrganismo ou fungo. O objetivo do trabalho foi avaliar o efeito alelopático de extratos aquosos de Pilocarpus pennatifolius Lemaire na germinação e no crescimento inicial de mostarda (Brassica campestris L.), repolho (Brassica oleracea L. cv. capitata), brócolis (Brassica oleracea L. cv. italica), couve (Brassica pekinensis L.), alface (Lactuca sativa L. cv. grand rapids), tomate (Lycopersicum esculentum Miller), nabo (Brassica rapa L.), rúcula (Eruca sativa L.), rabanete (Raphanus sativus L.) e couve-flor (Brassica oleracea L. cv. botrytis). Foram testadas cinco concentrações do extrato aquoso (10; 30; 50; 70 e 100%), as quais foram comparadas com controle com água destilada (0% de extrato aquoso). Para cada espécie cultivada e cada concentração do extrato aquoso, foram utilizadas cinco repetições com dez sementes em cada. De modo geral, os extratos aquosos de P. pennatifolius causaram redução e/ou inibição da geminação de sementes, do crescimento inicial da parte aérea e do sistema radicular de todas as espécies cultivadas. O aumento das concentrações dos extratos aquosos causou redução destes parâmetros bem como a formação de raízes mais espessas, atrofiadas e com maior número de pêlos absorventes. Assim, os resultados indicam a existência de compostos alelopáticos nas folhas de P. pennatifolius.

Publicado

2016-06-08

Edição

Seção

Artigos