ESCOLA É “VIDA NA COMUNIDADE”: ANÁLISE SOBRE FECHAMENTO DE ESCOLAS DO CAMPO

Autores

  • Margarete de Mattos
  • Elodir Lourenço de Souza Instituto Federal Catarinense
  • Camila Munarini Instituto Federal Catarinense Campus Avançado Abelardo Luz

DOI:

https://doi.org/10.22295/grifos.v31i55.5859

Resumo

A temática fechamento de escola do campo tem sido fortemente discutida nos últimos anos em vários trabalhos científicos, sendo também fator de preocupação por parte das comunidades localizadas em área rural. Este artigo analisa a política de municipalização do ensino fundamental e de nucleação de escolas, indicando que tal política é o principal motivador do fechamento de milhares de escolas do campo no Brasil e de dezenas de escolas no Município de Passos Maia. Além disso, está elaboração apresenta dados sobre as escolas que foram fechadas no Município de Passos Maia e aponta os impactos negativos que a comunidade Conquista de Sepé obteve ao ser fechada sua escola local. Conclui-se, dessa forma, que fechar as Escolas do Campo provoca a destituição da organização social e da vivência comunitária. Nesta direção é que se localiza a afirmação de que Escola do Campo é “vida na comunidade”, por compreende-se que o fechamento/extinção de escolas do campo leva ao fechamento/extinção das comunidades rurais.  Como instrumentos metodológicos, para a elaboração do trabalho, foram utilizados estudo bibliográfico e entrevistas.

Biografia do Autor

Margarete de Mattos

Possui graduação em Pedagogia EAD pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2017), é especialista em Educação do Campo, pelo Instituto Federal Catarinense, (2018). Atualmente é professora de anos iniciais - Secretaria Municipal de Educação de Passos Maia - SC. Tem experiência na área ciências anos finais, e também na área da Educação Infantil.

Camila Munarini, Instituto Federal Catarinense Campus Avançado Abelardo Luz

É Mestre em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina. Especialista em Trabalho Educação e Movimentos Sociais pela Escola Politécnica Joaquim Venâncio/ FIOCRUZ. Possui Graduação em Licenciatura em Educação do Campo com ênfase em ciências da natureza e matemática, e ciências agrárias pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é Professora do Ensino Técnico e Tecnológico do Instituto Federal Catarinense Campus Avançado Abelardo Luz. Coordenadora do Curso PROEJA Qualificação Profissional em Nutrição e Segurança Alimentar. Se dedica aos estudos as seguintes temáticas: Educação do Campo; Educação e Trabalho; Educação e Agroecologia; Ensino de Ciências da Natureza.

Referências

ARROYO, Miguel. A Educação Básica e o Movimento Social do Campo. In: ARROYO, Miguel; CALDART, Roseli; MOLINA, Mônica (org.). Por Uma Educação do Campo: Vozes, 2004

BAUMANN, Siuzete Vandresen. Da vida das escolas rurais isoladas a uma escola isolada da vida rural: aprendizagens do processo de nucleação em santa rosa de lima. Goiânia: ANPED, 2013.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Nacional - LDB. Brasília: MEC, 1996. Disponível em: https://www.cpt.com.br/ldb/lei-de-diretrizes-e-bases-da-educacao-completa-interativa-e-atualizada. Acesso em: 30/11/2018

BRASIL. Educação do Campo: Marcos Normativos. Secretaria de Educação continuada, alfabetização, diversidade e inclusão. Brasília: MEC/SECADI, 2012.

ENTREVISTADA A. Aluno da Comunidade Conquista do SEPÉ. Entrevista realizada em 10 de outubro de 2018.

ENTREVISTADA B. Aluno da Comunidade Conquista do SEPÉ. Entrevista realizada em 10 de outubro de 2018.

ENTREVISTADA C. Pai de aluno da Comunidade Conquista do SEPÉ. Entrevista realizada em 10 de outubro de 2018.

ENTREVISTADA D. Professora da Rede Municipal de Educação de Passos Maia. Entrevista realizada em 20 de outubro de 2018.

ENTREVISTADA E. Professora da Rede Municipal de Educação de Passos Maia. Entrevista realizada em 28 de outubro de 2018.

MORAES, R.; GALIAZZI, M.C. Análise Textual Discursiva. Ijuí: Editora Unijuí, 2007.

MST. Mais de 4 mil escolas do campo fecham suas portas em 2014. Disponível em: http://www.mst.org.br/2015/06/24/mais-de-4-mil-escolas-do-campo-fecham-suas-portas-em-2014.html. Acesso em: 05/07/2018

OLIVEIRA, Katia Lucena Alves de. Política de Nucleação de Escolas do Meio Rural: Repercussões em Comunidades do Oeste Catarinense. Programa de Pós-graduação em Educação, UNOESC, Joaçaba, 2018.

PAVANI, Greti Aparecida. Os Jovens no Mundo do Trabalho e o Trabalho no Horizonte dos Jovens: Análise [...]. Universidade Federal de Santa Catarina Curso de Especialização em Educação do Campo e Desenvolvimento Sustentável com base na Agroecologia (Residência Agrária). Florianópolis, 2015.

PEIXER, Zilma Isabel et al. Comunidades Rurais e Escolas: O Fechamento [...]. Disponível em: http://www.sbpcnet.org.br/livro/65ra/resumos/resumos/8545.htm Acesso em 27/06/2018.

PASSOS MAIA. https://www.passosmaia.sc.gov.br/municipio/index/codMapaItem/13743. Acesso em: 23/10/2018

RODRIGUES, Ana Cláudia da Silva et al. Nucleação de Escolas no Campo: conflitos entre formação e desenraizamento. Porto Alegre: Educação e Realidade, 2017.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23 ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2013.

TAFFAREL, C. Z.; MUNARIM, A. Pátria educadora e fechamento de escolas do campo: o crime continua. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 17, n. 35, p. 41-51, maio/ago. 2015

TOMAZELLI, Simone Leandra. Passos Maia a muitas mãos. Secretaria Municipal de Educação e Esportes. Passos Maia, 2016.

Publicado

2021-09-30

Edição

Seção

Artigos