OS MICRO MACHISMOS NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPEL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22295/grifos.v31i55.6017

Palavras-chave:

Estudos de Gênero. Micro Machismo. Curso de Administração. Universidade Federal de Pelotas.

Resumo

O termo micro machismo combina dois elementos: machismo como atitude de quem crê que o homem é socialmente superior à mulher; e a perspectiva foucaultiana de “micro” poder, referente às práticas discursivas capilares. Assim, entende-se micro machismos como práticas e discursos naturalizados, baseados nos valores históricos de uma sociedade patriarcal, e reproduzidas socialmente, que contribuem para a perpetuação da dominação masculina. Este estudo verificou a ocorrência destas práticas e analisou-as dentro do curso de Administração da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), buscando promover o debate sobre gênero no curso, e contribuir para os estudos críticos de gênero na área. Apesar de interseccionadas, para fins de análise, as práticas foram agrupadas em quatro categorias: a idealização, a objetificação, a masculinização e a deslegitimação da mulher. A coleta de informações se deu através de questionários, aplicados em 206 dos 490 alunos, verificando a percepção destes sobre a ocorrência das práticas, e, posteriormente, a escuta de quatro relatos voluntários. Através da análise, foi possível constatar a ocorrência das quatro formas de micro machismos investigadas. A mais recorrente é a idealização da mulher, pois 67% dos alunos afirmaram ter ouvido comentários envolvendo o estereótipo da mulher ideal, delimitando áreas de atuação. Por meio das respostas objetivas, a noção de objetificação da mulher e de seu corpo (62%), a ideia de que a figura caracterizadamente masculinizada representa responsabilidade, tanto na universidade quanto no mercado de trabalho, e o questionamento da credibilidade das mulheres (38%) também estão nas falas e ações do ambiente do curso

Biografia do Autor

Ana Paula Timm Krolow , Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Graduada em Administração pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Graduada em Psicologia pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel) e Mestra em Sociologia pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Marcio Silva Rodrigues, Universidade Federal de Pelotas

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Professor Associado do Centro de Ciências Socio-Organizacionais da Universidade Federal de Pelotas (CCSO/UFPel)

Publicado

2021-09-30

Edição

Seção

Dossiê: Gênero, Diversidade Sexual e Políticas Públicas