HOMOAFETIVIDADE, PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO E RELAÇÕES DE PODER: PERSPECTIVA QUEER EM O ATENEU

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22295/grifos.v31i55.6547

Palavras-chave:

Homoafetividade. Heterosexualidade compulsória. Performatividade de gênero.  Relações de poder. Crítica literária.

Resumo

A teoria literária assinala a literatura como ponto nuclear da área das humanidades, tendo em vista a potencialidade epistemológica dos textos literários. Neste caso, trata-se de um estudo bibliográfico que analisa a obra O Ateneu de Raul Pompeia, publicada no Brasil em 1888, período reconhecido na linearidade da história da literatura como Realismo. Com os subsídios da Teoria Queer, pesquisamos as questões de poder, a performatividade de gênero e as consequências dessas características no comportamento das personagens centrais ao longo da narrativa. Percebemos que o comportamento e a personalidade delas não ocorrem gratuitamente, possuem intenção de crítica política, mas, no processo, uma relação profunda entre performatividade de gênero, sexualidade e poder é revelada. As reflexões em torno da obra apontam como o ambiente do internato impõe modos de pensar e agir à comunidade escolar. A obra escapa aos preceitos literários da época e evidencia comportamentos sociais singulares, como é o caso do tensionamento da narrativa em torno da homoafetividade e performance de gênero.

Biografia do Autor

Márcia de Souza, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó

Doutorado em Literatura pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura da Universidade Federal de Santa Catarina - PPG-LIT UFSC. Mestrado em Literatura pelo mesmo Programa. Graduação em Letras Português/Inglês pela Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC. Docente da Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó. Atuou como coordenadora do Curso de Licenciatura em Letras - Língua Portuguesa e Língua Inglesa e Respectivas Literaturas (2014 a 2018). Também coordenou (2012 a 2014) e atua como docente no Curso de Licenciatura Intercultural Indígena em Línguas, Artes e Literaturas pela mesma instituição. Possui Experiência na área de Letras e desenvolve atividades relacionadas à pesquisa e extensão universitária na área. Coordena o Projeto de Extensão Bolsa Amarela: cidadania e formação de leitores. É membro do grupo de pesquisa em Estudos Linguísticos e Literários da Unochapecó. Atuou como professora no Ensino Fundamental e Médio.

Letras, Literatura, Crítica Literária, Linguística.

Referências

ANDRADE, Mário de. Aspectos da literatura brasileira. 5º edição. São Paulo, Martins, 1974.

FERREIRINHA, Isabella Maria Nunes; RAITZ, Tânia Regina. As Relações de Poder em Michel Foucault: Reflexões Teóricas. Rio de Janeiro. 2010.

FIGUEIREDO, Fernando de. A pedagogia do sexo em o ateneu: o dispositivo da sexualidade da “fina flor da mocidade brasileira”, Universidade Federal de São Carlos, 2009.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 4ª ed. Org. e trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

MISKOLCI, Richard; BALIEIRO, Fernando de Figueiredo. O Drama Público de Raul Pompeia - Sexualidade e política no Brasil finissecular. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 26, nº 75. São Paulo. 2011.

POMPEIA, Raul. O Ateneu. 16ª ed. São Paulo: Ática, 1996 (Bom Livro).

POMPEIA, Raul. O Ateneu. Apuração do texto com o original e introdução por Therezinha Bartholo, ilustração do autor. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1993.

ROSA, Patrícia. Gênero: Performativo ou Ontológico? Peri - Revista de Filosofia, v.04, nº01. Florianópolis. 2012.

RICH, Adrienne. Heterosexualidade compulsória e existência lésbica. Revista Bagoas, nº 05. 2010.

SOUZA, Márcia de. O Ateneu: “edifício alegórico”. 145 f. Tese (Doutorado em Literatura) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

Publicado

2021-09-30

Edição

Seção

Dossiê: Gênero, Diversidade Sexual e Políticas Públicas