Identidades negras em terras catarinas: mulheres negras, organização social e educação

Autores

  • Ivan Costa Lima Unochapecó

Palavras-chave:

Comportamento dos custos. Empresas catarinenses. Segmento Fios e tecidos.

Resumo

As discussões sobre a organização e identidade negra no sul do país integram a tese de doutorado defendida no programa de pós-graduação em Educação Brasileira da Universidade Federal do Ceará, na linha de pesquisa movimentos sociais, educação popular e escola. O tema central da tese foi reconstituir o processo de constituição de pedagogias formuladas pelo movimento negro no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro e Florianópolis. Para tanto, discutiu-se a constituição do Movimento Negro como pano de fundo necessário ao processo que leva à constituição das propostas pedagógicas em cada um destes estados, buscando-se contextualizar que a educação está atravessada por injunções históricas, políticas e sociais, o que levou a necessidade em compreender o lócus, que engendrou a constituição das proposições pedagógicas. A partir disso, o foco deste artigo é apresentar parte da estrutura organizativa do movimento negro catarinense com especial atenção a duas conexões: o movimento de mulheres negras e o debate da identidade negra ao sul do país, numa região que tem como característica uma imagem unicamente vinculada aos descendentes de europeus, gerando relações assimétricas no que se refere à população de origem africana. Esses diferentes enfoques dos negros/as catarinenses serviu de referência para a proposição da pedagogia multirracial e popular apresentada pelo Núcleo de Estudos Negros (NEN). A pesquisa teve como referencial teórico-metodológico uma perspectiva sócio-histórica, considerando os sujeitos, suas origens e as relações sociais que se estabeleceram nas trajetórias de vida militante e intelectual. Esta visão histórica foi combinada com o uso da História Oral temática, como possibilidade de aprofundar os significados do universo cultural e político dos integrantes deste movimento e seus reflexos nas políticas educacionais no Brasil.

Edição

Seção

Artigos