Economia criativa: modelo federal brasileiro e a importância das discussões frente a referenciais internacionais

Autores

  • Mario Procopiuck
  • Schirlei Mari Freder

Palavras-chave:

Franquias de fast food. Satisfação dos consumidores. Marca. Experiência de consumo.

Resumo

O desenvolvimento de modelos-base para políticas públicas de incentivo à economia criativa e, ao mesmo tempo, a definição de referenciais comparativos internacionais têm ocupado diversos governos e organizações internacionais, mais intensamente nos últimos cinco anos. No meio acadêmico, devido à temática estar em estágio pré-paradigmático, ainda são relativamente poucos os pontos de consenso que possam levar à constituição de robustas correntes teóricas. Não obstante tais dificuldades, estudos se intensificam para desenvolver meios operacionais para que o conhecimento existente sirva de base para a elaboração de políticas públicas de desenvolvimento em diferentes contextos globais. Nesse sentido, modelos analíticos sobre economia criativa têm sido propostos e vários deles já começam a originar resultados empíricos e possibilidades de estabelecimento de comparações entre si. Os objetivos do presente artigo são analisar os fundamentos da política pública do governo federal brasileiro para fortalecimento da economia criativa frente a outros modelos internacionais e dimensionar o nível de importância da temática economia criativa em nível global.

Publicado

2014-08-11