O emprego da microscopia petrográfica no estudo da cerâmica arqueológica e de fontes de proveniência: um exemplo prático

Autores

  • Wagner Magalhães Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo - MAE/USP

Palavras-chave:

Formação profissional do enfermeiro, Educação em Enfermagem. Graduação em Enfermagem, Legislação sobre o Curso de Enfermagem,

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar os resultados parciais obtidos por meio da técnica de Microscopia Petrográfica por Luz Transmitida, aplicada em um conjunto de amostras de cerâmica arqueológica e nas amostras das possíveis fontes argilosas provenientes dos sítios arqueológicos Inhazinha e Rodrigues Furtado, localizados no município de Perdizes na região do Triângulo Mineiro. Tal técnica tem permitido a arqueologia responder questões não só relacionadas a uma eventual conexão entre as fontes argilosas e os vestígios cerâmicos, mas também, abordagens inerentes aos aspectos tecnológicos da cerâmica, dentre os quais destacam-se a seleção de grãos, a adição de tempero, a técnica de manufatura e tipos de queima. Objetiva ainda demonstrar a eficiência e desmistificar a complexidade muitas vezes atribuída a este tipo de analise por parte de alguns arqueólogos não familiarizados com a rotina laboratorial, por trás do estudo arqueométrico de bens de interesse arqueológico.

 

Biografia do Autor

Wagner Magalhães, Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo - MAE/USP

É Doutorando em Arqueologia Brasileira do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo - MAE/USP. É Arqueólogo e Pesquisador da Fundação Araporã onde atua nas áreas de Arqueologia Brasileira, Arqueometria, Etnoarqueologia e Arqueologia Preventiva.

Publicado

2015-12-03