O Banco de Dados Mundial Sobre Fortificações: possibilidades de educação patrimonial a partir de um acervo digital

Autores

  • Pedro Mülbersted Pereira Universidade Federal de Santa Catarina
  • Elison Antonio Paim Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

Administração Pública, Cargo Comissionado, Perfil Profissional, Vínculo Funcional.

Resumo

O presente artigo dialoga com as possibilidades do trabalho com fontes em Educação Patrimonial a partir do acervo digital do Banco de Dados Mundial Sobre Fortificações, ação desenvolvida pelo Projeto Fortalezas Multimídia, programa de extensão da Universidade Federal de Santa Catarina. Apresentamos o banco de dados e a sua relação com o processo de patrimonialização das fortalezas catarinenses; as potencialidades apresentadas na proposta do banco de dados de democratização do acesso à informação, atendimento a públicos diversos e a construção do conhecimento a partir do caráter colaborativo do site. Adotamos como referencial teórico as considerações sobre cultura, patrimônio e História de Walter Benjamin, a concepção de documento-monumento de Jacques Le Goff, e a relação entre memória e poder de Mario Chagas.

Biografia do Autor

Pedro Mülbersted Pereira, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduação em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (2013). Mestrando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Elison Antonio Paim, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Catarina. Professor Permanente do Mestrado Profissional em Ensino de História (Profhistória- UFSC). Professor de Estágios no curso de História. Membro dos grupos de Pesquisa Pameduc (UFSC), Rastros (USF) e Kairós (Unicamp).

Publicado

2016-06-06