Depósitos Pleistocênicos e Holocênicos associados a contextos arqueológicos de ar livre no Alto Ribatejo

Autores

  • Pierluigi Rosina Polytechnic Institute of Tomar, Quaternary and Prehistory Group of the Geosciences Centre, University of Coimbra
  • Hugo Gomes Quaternary and Prehistory Group of the Geosciences Centre, University of Coimbra
  • Pedro P. Cunha Department of Earth Sciences, IMAR - Marine and Environmental Research Centre; University of Coimbra; Portugal

DOI:

https://doi.org/10.22562/2016.45.05

Palavras-chave:

Voz. Escuta. Criança. Transmissão. Cultura.

Resumo

Os estudos arqueológicos sugerem padrões tecnológicos e de liquidação de recorrências e/ou convergências durante a transição do Pleistoceno-Holoceno. A fim de compreender melhor a sequência de ocupações humanas na região do Alto Ribatejo do Tejo inferior, um estudo geoarqueológico foi realizado, incluindo a caracterização sedimentológica de depósitos, a análise estratigráfica e a sua ligação com os contextos arqueológicos. O estudo sedimentar envolveu trabalhos de campo e de laboratório (análises de tamanho de grão e difração de raios X de agregados orientados para a identificação de minerais de argila). Um amplo espaço de tempo foi considerado, à procura de possíveis tendências dentro de uma determinada região de Portugal, o Alto Ribatejo. A fim de resolver esta questão, foram realizados estudos em diferentes depósitos: fluviais, coluviais, eólicos, eluviais e de origem antrópica. Este artigo apresenta os resultados de um estudo com base principalmente em sítios arqueológicos de ar livre que pertencem a diferentes fases culturais: do Paleolítico Superior, Epipaleolítico, Neolítico e Calcolítico. Os dados apoiam a interpretação de que as condições de clima frio do intervalo ~ 32 a 12 ka, gerando principalmente sedimentos coluviais e depósitos eólicos. Condições húmidas ou secas (temperadas) que levaram a mudanças nas paisagens culturais durante o Holoceno.


 

Biografia do Autor

Pierluigi Rosina, Polytechnic Institute of Tomar, Quaternary and Prehistory Group of the Geosciences Centre, University of Coimbra

Professor adjunto no Instituto Politécnico de Tomar. Graduou-se em Geologia na Sapienza, em Roma, em 1997, DEA (mestrado) em Geologia do Quaternário em Perpignan, França, em 2001, doutor sobre o tema da Meio-ambiente, comportamento e dinâmica humana na Universidade de Ferrara, na Itália, em 2004. Membro da Unidade de I & D do Centro de Geociências - Grupo de Quaternário e Pré-História da Universidade de
Coimbra – Faculdade de Ciências e Tecnologia (uID 73). Participa de vários projetos europeus e nacionais com pesquisas nas áreas da geoarqueologia e arqueometria em Portugal, Espanha, Itália, África (Angola, Senegal e Etiópia) e América do Sul (Brasil).

Hugo Gomes, Quaternary and Prehistory Group of the Geosciences Centre, University of Coimbra

Licenciado em Geologia e Mestre em Geociências (dissertação em geoarqueologia) pela Universidade de Coimbra, Doutor em Quaternário Materiais e Culturas (tese em arqueometria) pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Investigador do Grupo Quaternário e Pré-História do Centro de Geociências.

Pedro P. Cunha, Department of Earth Sciences, IMAR - Marine and Environmental Research Centre; University of Coimbra; Portugal

Professor Catedrático de Geologia no Departamento de Ciências da Terra – Universidade de Coimbra. Licenciado em Geologia, Doutorado em Estratigrafia, Paleontologia e Geoistória, e Agregado em Geologia, pela Universidade de Coimbra. Investigador do Centro de Ciências do Mar
e do Ambiente (MARE). Realiza investigação em Estratigrafia, Sedimentologia, Geomorfologia, Neotectônica, Geoarqueologia e Datação por
Luminescência. Estudou diversificados registos sedimentares do Jurássico ao Quaternário e um amplo contexto de ambientes deposicionais (fluviais a marinhos). Tem mais de uma centena de artigos em revistas e livros científicos.

Publicado

2016-12-16