Pré-história na foz do rio Chapecó

Autores

  • Antoine Lourdeau Muséum National d’Histoire Naturelle (MNHN)/França
  • Mirian Carbonera Unochapecó
  • Marcos César Pereira Santos Universitá degli Studi di Ferrara (UNIFE)/Itália. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC).
  • Sirlei Hoeltz Archeo Pesquisas Arqueológicas
  • Michel Fontugne Laboratoire des Sciences du Climat et de l’Environnement, Institut Pierre Simon Laplace (LSCE/IPSL), Commissariat à l’Energie Atomique (CEA)-Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS)-Université de Versailles Saint-Quentin (UVSQ), Université Paris Saclay/França.
  • Christine Hatté LSCE/IPSL, CEA-CNRS-UVSQ, Université Paris Saclay/ França.
  • Sergio Francisco Serafim Monteiro da Silva Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).
  • Pierluigi Rosina Instituto Politécnico de Tomar (IPT)/Portugal.
  • Lívia de Oliveira e Lucas Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF).
  • Amélie Da Costa UPOND
  • Cécile Foucher Université Paris
  • Juliana Betarello Ramalho Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
  • Francieli Kuczkovski Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). CEOM/Unochapecó.
  • Juliano Bitencourt Campos UNESC
  • Sibeli Aparecida Viana PUC-Goiás
  • Ana Lucia Herberts Scientia Consultoria Científica

DOI:

https://doi.org/10.22562/2016.45.09

Palavras-chave:

Educação. Infância. Escola. Ensino fundamental de nove anos.

Resumo

O alto rio Uruguai é uma área importante para compreender o povoamento pré-histórico da bacia do rio da Prata. Nela foram localizados sítios de caçadores-coletores, referentes ao passado mais antigo da região, e de grupos ceramistas relacionados às unidades arqueológicas Tupiguarani e Taquara-Itararé. Este artigo apresenta os primeiros resultados das pesquisas realizadas no sítio ACH-LP-07 situado próximo à foz do rio Chapecó na margem direita do rio Uruguai, no oeste de Santa Catarina. O mesmo apresentou várias ocupações por caçadores-coletores no início do Holoceno, caracterizadas por uma variabilidade nas produções de pedra lascada, onde se destaca a produção de lâminas por uma debitagem específica. No último milênio o local também foi povoado por grupos ceramistas Guarani. O sítio tem trazido diferentes contribuições a respeito dessas antigas sociedades, especialmente as modalidades de ocupação e de sucessão dos grupos humanos no alto rio Uruguai.

Biografia do Autor

Antoine Lourdeau, Muséum National d’Histoire Naturelle (MNHN)/França

Doutor em Pré-história pela Université Paris Ouest Nanterre La Défense (UPOND)/França. Professor do Muséum National d’Histoire Naturelle (MNHN)/França e do Programa de Pós-graduação de Arqueologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Mirian Carbonera, Unochapecó

Doutora em Arqueologia pela Universidade de São Paulo (USP). Responsável pelo Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (CEOM) e professora do Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais (Unochapecó).

Marcos César Pereira Santos, Universitá degli Studi di Ferrara (UNIFE)/Itália. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC).

Doutorando em Arqueologia da Universitá degli Studi di Ferrara (UNIFE)/Itália. Funcionário da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC).

Sirlei Hoeltz, Archeo Pesquisas Arqueológicas

Doutora em História pela Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Arqueóloga na Archeo Pesquisas Arqueológicas.

Michel Fontugne, Laboratoire des Sciences du Climat et de l’Environnement, Institut Pierre Simon Laplace (LSCE/IPSL), Commissariat à l’Energie Atomique (CEA)-Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS)-Université de Versailles Saint-Quentin (UVSQ), Université Paris Saclay/França.

Pesquisador do Laboratoire des Sciences du Climat et de l’Environnement, Institut Pierre Simon Laplace (LSCE/IPSL), Commissariat à l’Energie Atomique (CEA)-Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS)-Université de Versailles Saint-Quentin (UVSQ), Université Paris Saclay/França.

Christine Hatté, LSCE/IPSL, CEA-CNRS-UVSQ, Université Paris Saclay/ França.

Doutora em Geologia pela Université Paris XI. Pesquisadora do LSCE/IPSL, CEA-CNRS-UVSQ, Université Paris Saclay/ França.

Sergio Francisco Serafim Monteiro da Silva, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Doutor em Arqueologia pela USP. Professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Pierluigi Rosina, Instituto Politécnico de Tomar (IPT)/Portugal.

Doutor em Geologia pela UNIFE/Itália. Professor do Instituto Politécnico de Tomar (IPT)/Portugal.

Lívia de Oliveira e Lucas, Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF).

Doutoranda em Arqueologia na UFS. Funcionária da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF).

Amélie Da Costa, UPOND

Doutoranda em Pré-história na UPOND/França.

Cécile Foucher, Université Paris

Doutoranda em Arqueologia na Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne/França.

Juliana Betarello Ramalho, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutoranda em História na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Francieli Kuczkovski, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). CEOM/Unochapecó.

Graduada em História pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Funcionária do CEOM/Unochapecó.

Juliano Bitencourt Campos, UNESC

Doutor em Arqueologia pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD). Professor da UNESC.

Sibeli Aparecida Viana, PUC-Goiás

Doutora em História pela PUCRS. Professora da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-Goiás).

Ana Lucia Herberts, Scientia Consultoria Científica

Doutora em História pela PUCRS. Arqueóloga na Scientia Consultoria Científica.

Publicado

2016-12-16