Higienismo e ações de remodelamento urbano no Recife (1900-1929)

Autores

  • Marcos Alessandro Neves

DOI:

https://doi.org/10.22562/2018.48.05

Palavras-chave:

Letramento Visual. Matrizes de Linguagem. Artefatos Surdos.

Resumo

Recife no início do século XX, assim como outras capitais do Brasil, enfrentou diversas mudanças em seu aspecto paisagístico, demolição de casarões antigos, remoção de populações carentes de áreas habitadas há vários anos para dar lugar a empreendimentos imobiliários com a proposta de modernização e embelezamento da cidade. Dessa forma, o presente artigo tem como intuito analisar como o discurso modernizante foi utilizado com o intuito de promover obras de viés higienistas, que almejavam a exclusão da população que ocupava esses espaços, atendendo aos anseios de uma elite local que clamava por uma cidade tida como moderna para os seus conceitos.

Biografia do Autor

Marcos Alessandro Neves

Mestre em História pela Universidade Federal da Paraíba, graduado em História pela Universidade Estadual de Pernambuco e professor da rede particular de ensino em Recife. Desenvolve pesquisas no campo da história social do trabalho, tendo como objeto as vilas operárias.

Publicado

2018-06-04

Edição

Seção

Artigos