As cidades são meios e os meios são as mensagens: uma leitura estético-política das reformas urbanas na América Ibérica durante a Belle Époque

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22562/2019.50.02

Palavras-chave:

Ensino de Geografia, Educação Infantil, Formação permanente.

Resumo

O presente artigo se propõe a demonstrar como a modernidade fez emergir, junto com o desejo de renovação urbana, uma lógica tecnopolítica hegemônica, condensada em princípios estéticos de caráter socialmente excludente. A narrativa se dá a partir de uma contextualização histórica das transformações urbanas no início da modernidade na Ibero-América e pontua a presença de um projeto tecnopolítico norteador dos princípios estéticos ali presentes. A narrativa foi construída a partir de apresentação de dados e provocações de ordem analítica, sem, contudo, deter-se em análises conceituais profundas.

Biografia do Autor

Marcos Alexandre Arraes, Universidade Federal do Tocantins

Pós-Doutorando em Antropologia Visual na UFRN

Professor Adjunto do Depto de História da UFT

Doutor em História pela UFSC

Matheus Falcão, Universidade Federal do Tocantins

Licenciatura em História pela Universidade Federal do Tocantins.

Publicado

2019-06-05