Políticas Públicas para o Campo da Formação de Professores de Educação Física em Santa Catarina: memórias e experiências

Autores

  • Vanessa Bellani Lyra Universidade Comunitária Regional de Chapecó

Resumo

Nos remotos anos de 1938, um incipiente movimento de profissionalização era inaugurado na cidade de Florianópolis, por meio da criação do Curso Provisório de Educação Física. Assim, atendendo às demandas do momento, que reclamavam por mão-de-obra especializada para ministrar a disciplina, então tornada obrigatória em todas as escolas primárias, secundárias e normais, a formação de professores em Educação Física contribuía com a inclusão de Santa Catarina no processo de modernização e higienização que atravessava o país, remodelando as instalações físicas destinadas à prática e, num sentido mais amplo, re-significando o espaço escolar em sua totalidade. No correr do tempo, o curso Normal de Educação Física, implantado em 1964, pela Secretaria Estadual de Educação, surge em cenário catarinense justificado pelas carências no magistério do ensino primário, sustentando sua validade e legitimidade por, aproximadamente, quarenta anos. Nesse sentido, o presente estudo ocupa-se em narrar as políticas públicas que envolveram a constituição do campo da formação de professores no estado de Santa Catarina, compreendendo-as na atuação de dois de seus importantes pilares: o Curso Provisório de Educação Física e o Curso Normal de Educação Física. Neste cenário, serão privilegiadas as transformações pedagógicas e estruturais trazidas ao espaço escolar a partir das novas políticas de preparação e atuação dos referidos professores. Para tal, recrutou-se uma gama considerável de fontes impressas que, por sua vez, valendo-se da compilação, análise e interpretação de dados, estas fontes foram, então, submetidas à análise documental.