Breve perspectiva historiográfica sobre a ancestralidade da etnia indígena Kaingang

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22562/2019.50.09

Palavras-chave:

Pedagogia, Infância, Envelhecimento

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar a historiografia da ancestralidade da etnia indígena conhecida hoje como Kaingang. Antes do século XX, os ancestrais desta etnia foram retratados e citados em várias obras por diversos nomes; porém, nem todos os grupos indígenas referidos na documentação histórica eram Kaingang, o que pode ser verificado pelas características culturais presentes nas documentações de origem. Essa multiplicidade de denominações, além das observações em diferentes regiões geográficas sobre a presença de grupos étnicos com características semelhantes às pertencentes à etnia Kaingang, pode induzir interpretações equivocadas e erradas por pesquisadores. Muitos autores consideram o grupo indígena identificado como Guaianá na literatura da época colonial como os ancestrais da etnia Kaingang. Com base nas pesquisas e em estudos sustentados pelas restritas evidências documentais dos séculos passados, pode-se considerar essa ancestralidade; entretanto, conclui-se que há necessidade de estudos etnográficos com maiores detalhes, para que se possa evidenciar essa proximidade étnica.

Biografia do Autor

Jéssica da Silva Gaudêncio, Universidade de Coimbra

Doutoranda em História das Ciências e Educação Científica, Centro de Física da Universidade de Coimbra (CEFisUC)

Décio Ruivo Martins, Universidade de Coimbra

Doutor em História e Ensino da Física, 

Centro de Física da Universidade de Coimbra (CEFisUC)

Rosemari Monteiro Castilho Foggiatto Silveira, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Doutora em Educação Científica e Tecnológica, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Tecnologia (PPGECT)

Sérgio Paulo Jorge Rodrigues, Universidade de Coimbra

Doutor em Química, Departamento de Química da Universidade de Coimbra (FCTUC)

Publicado

2019-06-05