O Homem Novo nas Literaturas Africanas em Língua Portuguesa pré-independência

Autores

  • Solange Evangelista Luis Instituto Superior de Ciências da Educação da Huíla, Lubango, Angola

DOI:

https://doi.org/10.22562/2020.53.04

Palavras-chave:

Homem Novo , Literaturas Africanas em Língua Portuguesa , Guerrilheiro

Resumo

Este ensaio irá analisar as características basilares do conceito de Homem Novo, desde o surgimento do Homem Soviético,  até à década de 60 e perceber como estas particularidades são utilizadas na Poesia de Combate das literaturas africanas em língua portuguesa, no contexto da luta armada de libertação. Para o efeito foi selecionada a primeira antologia dedicada à Poesia de Combate, publicada no mundo lusófono, a antologia do angolano Mário de Andrade Antologia Temática de Poesia Africana II: O Canto Armado. Embora a designação ‘Homem Novo’ nunca tenha sido utilizada por Andrade no prefácio por ele escrito para esta antologia, a análise temática e ideológica, assim como o tratamento poético dado ao guerrilheiro indicam que foi criado para ser o Homem Novo da revolução dos países africanos de língua portuguesa.

 

Biografia do Autor

Solange Evangelista Luis, Instituto Superior de Ciências da Educação da Huíla, Lubango, Angola

Professora permanente dos Programas de Graduação e Pós-Graduação em Ensino da Língua Portuguesa do Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED) da Huíla, em Lubango, Angola; professora convidada do Programa de Pós-Graduação em Ensino da História de África (Departamento de Ciências Sociais do ISCED-Huíla). Doutora pela Universidade de Coimbra, Portugal, em Literaturas dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e Mestre pela Universidade de York, Toronto, em Teoria Pós-Colonial.

Publicado

2020-12-18