A rainha Ginga descrita, adjetivada e metaforizada

uma análise textual da obra História Geral das Guerras Angolanas de António de Oliveira de Cadornega (século XVII)

Autores

  • Priscila Maria Weber Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.22562/2020.53.01

Palavras-chave:

História de Angola, Rainha Ginga, António de Oliveira Cardonega

Resumo

Este trabalho analisa o texto da obra História Geral das Guerras Angolanas, escrita pelo cristão-novo português António de Oliveira de Cadornega, considerando as descrições, adjetivações e metaforizações que o autor atrela à rainha Ginga em sua obra. As complexidades da história de Angola, os contextos em que Cadornega estava inserido e ajudava a delinear, ou seja, as experiências de escrita do autor que atravessam o seu texto, serão aqui consideradas enquanto elementos que corroboram para que seja construído um sentido na obra de Cadornega, ou o permanecer em Angola e livrar-se dos jugos inquisitoriais que ocorriam em Portugal. Para tanto, os serviços administrativos e bélicos são arrolados pelo autor e, na tentativa de suprimir os insucessos, a rainha Ginga é caracterizada como odiosa a Portugal, que entravava os avanços do oficialato e conquistas lusas.

Biografia do Autor

Priscila Maria Weber, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Priscila Maria Weber é graduada em História pela Universidade de Santa Cruz do Sul. Mestre e doutora em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Brasil), com estágio de doutorado-sanduíche na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (Portugal), o que possibilitou experiência de pesquisa em instituições no exterior como a Academia das Ciências de Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal, Arquivo Municipal de Évora, Arquivo Nacional da Torre do Tombo e Arquivo Histórico Ultramarino, na Bibliothèque Nationale de France - Richelieu Louvois em Paris e na British Library em Londres. Vale salientar que todas as formações acadêmicas da pesquisadora, no Brasil e no exterior, foram feitas com financiamento do governo federal à pesquisa através da concessão de bolsas de estudos CNPq e CAPES. Atuou como professora na educação básica em redes educacionais particulares e públicas, experiência que possibilitou a escrita do paradidático intitulado "História da África e dos Afrodescendentes no Brasil: Nzinga Mbandi em perspectiva" (Rígel, 2012). É membro fundadora e vice-coordenadora do GT África - Seção Rio Grande do Sul (ANPUHRS), e participa como pesquisadora do Angola Resgate Group da York University (Canadá). Principais temas de pesquisa: História da África; História de Angola; História dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP); Relações culturais e históricas luso-africanas e luso-afro-brasileiras, História Moderna e Contemporânea.

Publicado

2020-12-18