O Português de Angola entre o Português Europeu e o Português Brasileiro

o caso da interpretação do sujeito nulo em orações subordinadas

Autores

  • José Gueleka Kapetula Instituto Superior de Ciências da Educação da Huíla

DOI:

https://doi.org/10.22562/2020.53.05

Palavras-chave:

Interpretação , Sujeito nulo , Sujeito pronominal

Resumo

O objetivo deste artigo é o de apresentar os resultados do estudo realizado sobre a interpretação de sujeitos pronominais de 3ª pessoa por falantes nativos do português de Angola (doravante, PA), tendo em conta antecedentes com características diferentes. Pretendeu-se comparar estes resultados com o dos falantes do português europeu (doravante, PE) e com os resultados obtidos em estudos semelhantes para o português brasileiro (doravante, PB). Os resultados obtidos mostraram-nos que: i) no PA os sujeitos nulos são preferencialmente interpretados como correferentes com antecedentes quantificados, os sujeitos pronominais também aceitam a interpretação de variável ligada, o que é improvável numa língua de sujeito nulo; ii) em contexto de orações completivas, os pronomes nulos estabelecem preferencialmente correferência com sujeito matriz; em contexto de adverbial a preferência do pronome nulo por retomar o sujeito matriz não é clara; nestes dois contextos, os sujeitos pronominais tanto podem retomar um antecedente sujeito como um antecedente objeto; iii) no PA aceita-se preferencialmente um tipo de leitura que recupera parcialmente o sujeito na posição mais alta da frase, ainda que esta tendência não seja tão marcada como a que se verifica para o PE; iv) nos contextos em que as leituras são forçadas, o sujeito nulo no PA aceita uma leitura correferente com antecedente sujeito, tal como no PE, assim como aceita também uma leitura correferente com um antecedente objeto, ao contrário do PB.

Biografia do Autor

José Gueleka Kapetula, Instituto Superior de Ciências da Educação da Huíla

Professor do Instituto Superior de Ciências da Educação da Huíla. Doutorando em Linguística, opção Psicolinguística, Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais. Mestre em Ciências da Linguagem na Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.

Publicado

2020-12-18