MICRORGANISMOS NO SEDIMENTO DE MARGENS OPOSTAS DO ESTUÁRIO DO RIO COREAÚ EM CAMOCIM/CE

Autores

  • Adelaide Sampaio Oliveira Instituto Federal do Ceará - Campus Camocim
  • Jardielen Chaves Sousa Instituto Federal do Ceará - Campus Camocim
  • Antonio Lucas Rocha Santos Instituto Federal do Ceará - Campus Camocim
  • Renatta Santos Oliveira Laboratório de Ecologia e Biologia Molecular de Microorganismos, Departamento de Biologia, Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF.
  • Dionéia Evangelista Cesar Laboratório de Ecologia e Biologia Molecular de Microorganismos, Departamento de Biologia, Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF.
  • Edmo Montes Rodrigues Instituto Federal do Ceará - Campus Camocim

DOI:

https://doi.org/10.24021/raac.v18i1.5580

Palavras-chave:

Bactérias patogênicas; Escherichia coli; Águas residuárias; Impacto ambiental; Recursos hídricos.

Resumo

O estuário do rio Coreaú possui uma das margens tangenciando a área urbana de Camocim, enquanto a outra tangencia a APA das Dunas da Ilha da Testa Branca. Com o objetivo de verificar os efeitos das atividades antrópicas na margem urbanizada, este trabalho analisou parâmetros físico-químicos e microbiológicos em ambas as margens. Análises de pH, temperatura, turbidez, oxigênio dissolvido e DBO5 foram realizadas na água. Amostras do sedimento foram utilizadas para quantificação de matéria orgânica e de bactérias heterotróficas, enumeração de coliformes, quantificação de células procarióticas e de bactérias patogênicas. Não houve diferença significativa para os parâmetros físico-químicos, exceto para matéria orgânica no sedimento, maior na margem urbanizada. A densidade de bactérias heterotróficas e de células procarióticas é maior na margem urbanizada. Os resultados indicaram que coliformes termotolerantes ocorrem apenas na margem urbanizada. Todos os taxa bacterianos patogênicos são encontrados em maior densidade na margem urbanizada, onde a densidade de E. coli é quase cinco vezes maior. Nossos resultados indicam que o descarte de águas residuárias está relacionado com a maior densidade de bactérias patogênicas no sedimento da margem urbanizada o que pode resultar em um problema de saúde pública.

Biografia do Autor

Adelaide Sampaio Oliveira, Instituto Federal do Ceará - Campus Camocim

Graduanda do curso de Licenciatura em Química do IFCE/Campus Camocim.

Jardielen Chaves Sousa, Instituto Federal do Ceará - Campus Camocim

Graduanda do curso de Licenciatura em Química do IFCE/Campus Camocim.

Antonio Lucas Rocha Santos, Instituto Federal do Ceará - Campus Camocim

Graduando do curso de Licenciatura em Química do IFCE/Campus Camocim.

Renatta Santos Oliveira, Laboratório de Ecologia e Biologia Molecular de Microorganismos, Departamento de Biologia, Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF.

Graduanda em Ciências Biológicas da UFJF.

Dionéia Evangelista Cesar, Laboratório de Ecologia e Biologia Molecular de Microorganismos, Departamento de Biologia, Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF.

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1992), mestrado em Oceanografia Biológica pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (1997), doutorado em Oceanografia Biológica também pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (2002) com doutoramento "Sanduíche" na University of Delaware/USA (2001). Atualmente é professora associada da Universidade Federal de Juiz de Fora e Coordenadora do curso de Ciências Biológicas. Tem experiência na área de Ecologia Microbiana com ênfase na diversidade microbiana em ambientes aquáticos, solos, sistemas de aquicultura e outros. Dentre as técnicas utilizadas destaca-se a Hibridização in situ Fluorescente.

Edmo Montes Rodrigues, Instituto Federal do Ceará - Campus Camocim

Licenciado e Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2011), Mestre (2014) e Doutor (2016) em Microbiologia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa. É professor do ensino básico, técnico e tecnológico do departamento de educação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Campus Camocim. Atualmente é Coordenador de Pesquisa e Extensão e Responsável Técnico pela Pós-Graduação em Análise Ambiental do Campus Camocim. Tem experiência na área de ecologia, biologia molecular de microrganismos e microbiologia ambiental aplicada.

Publicado

2021-03-07