Arqueologia Entre Rios: do Urussanga ao Mampituba. Paleoambiente, cultura material e ocupação humana na paisagem litorânea do extremo cul catarinense entre 3500-200 anos AP

Autores

  • Marcos César Pereira Santos Università degli Studi di Ferrara - International Doctorate in Quaternary and Prehistory (IDQP). Laboratório de Arqueologia Pedro Ignácio Schimtz-LAPIS da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC.
  • Diego Dias Pavei Laboratório de Arqueologia Pedro Ignácio Schimtz-LAPIS da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC.
  • Juliano Bitencourt Campos Laboratório de Arqueologia Pedro Ignácio Schimtz-LAPIS da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC.

DOI:

https://doi.org/10.22562/2016.45.03

Palavras-chave:

Trabalho, Globalização, Reestruturação Produtiva

Resumo

Este artigo apresenta uma proposta de sequência arqueológica regional para a Planície Costeira do Extremo Sul Catarinense, com cronologia média entre os 3.500-235 anos AP. Os dados baseiam-se nos resultados dos estudos realizados no projeto de pesquisa Arqueologia Entre Rios: do Urussanga ao Mampituba (AERUM). O setor Norte do projeto AERUM é apresentado no presente artigo como modelo de integração dos dados. Em 286 km2, foram encontrados 53 sítios arqueológicos relacionados a duas fases paleoambientais associadas ao estabelecimento da floresta tropical úmida na região. Existem quatro conjuntos arqueológicos diferenciados: sítios líticos com pontas bifaciais relacionadas à tradição Umbu; sítios concheiros de diferentes cronologias e associados a Sambaquis Plenos (fase 3), Tardios e/ou Jê Meridionais (fase 4) e Guarani (fase 4); e sítios ceramistas com formação de Terra Preta Arqueológica (TPA) associados a grupos Guarani. Os resultados nos permitiram inferir, em uma perspectiva regional, quais grupos pré-históricos ocuparam a região no tempo e no espaço, assim como suas adaptações culturais às paleopaisagens.

Publicado

2016-12-16