O Memorial Itinerante: Africanidades

Representatividades diaspóricas numa experiência iberoamericana de educação museal pelas estradas de Minas Gerais

Autores

  • Henrique Rocha Bedetti Memorial Minas Gerais Vale

DOI:

https://doi.org/10.22562/2021.54.13

Palavras-chave:

Museus, Educação Museal, Relações étnico-raciais

Resumo

 Representar a diversidade cultural e histórica do estado de Minas Gerais, bem como suas tradições e as complexas tessituras sociais e políticas, é a proposta do museu belorizontino Memorial Minas Gerais Vale (MMGV). A multiplicidade de processos pelos quais se deu o desenvolvimento do estado não poderia vir a público sem o protagonismo e as trajetórias dos povos africanos e afro-brasileiro muitas vezes silenciados nas práticas museais. A fim de dar justo valor a essas trajetórias, o setor Educativo do MMGV2 desenvolve o percurso temático “Africanidades e Memória”. O presente trabalho disserta, enquanto relato de experiência, acerca do histórico da referida instituição, do desenvolvimento do citado setor e da formação de seus profissionais e suas produções. Com especial destaque é apresentado o projeto “Memorial Itinerante: Africanidades”, vencedor do VI Prêmio Ibero-Americano de Educação e Museus, bem como seu desenvolvimento e seus desdobramentos da concepção ao momento atual.

Biografia do Autor

Henrique Rocha Bedetti, Memorial Minas Gerais Vale

Bacharel e licenciado em História pelo Centro Universitário de Belo Horizonte UNI-BH. Mestrando em Educação em Museus e Divulgação Científica – FAE/UFMG. Educador no Memorial Minas Gerais Vale. Atuou na idealização e desenvolvimento do percurso temático “Africanidades e Memória”. É proponente do projeto “Memorial Itinerante: Africanidades”, que recebeu o 6º Prêmio de Educação e Museus do Ibermuseus em 2015.

Publicado

2021-06-16