Um estudo sobre o uso de QRCodes na exposição Vibrantes Caminhos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22562/2021.55.18

Palavras-chave:

Pesquisa de público, Tecnologia da Informação, Museu Câmara Cascudo

Resumo

Museus têm utilizado tecnologias digitais para enriquecer a experiência de visitação dos seus públicos. Apesar de existirem na literatura várias iniciativas que propõem o emprego das tecnologias digitais em museus, pouco tem se investigado sobre o uso que os visitantes fazem desses recursos. Este trabalho começa com o relato do emprego de QRCodes na exposição “Vibrantes Caminhos: ideais modernos para cidade do Natal” do Museu Câmara Cascudo no final de 2019. Em seguida, relata um estudo descritivo quantitativo do acesso aos QRCodes durante três meses após a inauguração da exposição. Analisou-se as quantidades de: visitantes totais do museu, visitantes que acessaram algum QRCode na exposição, QRCodes acessados e tempo em que os visitantes mantiveram o conteúdo digital aberto. Calculou-se totais, médias, porcentagens, desvios padrão e distribuições no tempo. Apenas 2,29% dos visitantes do museu consultaram algum QRCode da exposição de “Vibrantes Caminhos”, com uma média de 1,75 QRCodes consultados durante 1 minuto e 45 segundos por visitante por dia. Os resultados do uso de QRCodes na exposição de “Vibrantes Caminhos” foram comparados com os resultados da exposição de Icnologia (SILVA, 2020), que ocorreu anteriormente no mesmo museu. Por fim, essa comparação foi discutida com questionamentos para investigações futuras.

Biografia do Autor

Bruno Santana da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil.

Publicado

2021-12-03