A PERSPECTIVA DECOLONIAL NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES:

Uma revisão de literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.5358

Resumo

Este texto traz reflexões sobre o processo de decolonialidade, o qual questiona a lógica hegemônica de uma cultura comum, de base ocidental e eurocêntrica e que ainda é dominante nas instituições educativas. Ele apresenta um panorama descritivo a partir do estado da arte de vinte e seis artigos selecionados do Google Acadêmico, que fizeram ponderações acerca da perspectiva decolonial nos cursos de formação de professores, demonstrando a necessidade dos mesmos superarem a racionalidade técnica e de estarem comprometidos com a construção identitária deste futuro docente. Criando, desta forma, situações de interlocução para o aparecimento das insurgências contrárias a estes modelos hegemônicos.

Biografia do Autor

Fabiana de Freitas Poso, UFRJ

Doutoranda em Educação em Ciências e Saúde (UFRJ). Colaboradora do Laboratório de Linguagens e Mediações da UFRJ. Professora da SEEDUC e SME. E-mail: bianabia@bol.com.br 

Bruno Andrade Pinto Monteiro, UFRJ

Doutor em Educação em Ciências e Saúde (UFRJ). Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Saúde da UFRJ. Professor do Mestrado Profissional em Ensino de Química da UFRJ. Professor Adjunto da UFRJ - Campus Macaé. E-mail: bpmonteiro@gmail.com

Referências

ALMEIDA, Marco Antônio Betine; SANCHEZ, Livia Pizouro. Implementação da Lei 10.639/2003: competências, habilidades e pesquisas para a transformação social. Proposições, v. 28, n. 1, p. 55-80, abr. 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Parecer CNE/CP n. 9 de 8 de maio de 2001.

BRUNO, Jéssica Santana. (Inter)ações afirmativas: Políticas de sentido sobre a colonização/decolonização do conhecimento no currículo e na formação docente. 2018. Dissertação (Mestrado em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade) - Instituto de Humanidades, Artes e Ciências, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

CAMPOS, Maria Malta; FÁVERO, Osmar. A pesquisa em educação no Brasil. Cadernos de Pesquisa, n. 88, p. 5-17, fev. 1994.

CANÁRIO, Rui. A escola: o lugar onde os professores aprendem. Psicologia da Educação, n. 6, p. 9-27, 1998.

DIAS, Rosanne Evangelista; LOPES, Alice Casimiro. Competências na formação de professores no Brasil: o que (não) há de novo. Revista Educação & Sociedade, v. 24, n. 85, p. 1155-1177, dez. 2003.

DIAS, Rosimeri Oliveira. Produção da vida nos territórios escolares: entre universidade e escola básica. Psicologia e Sociedade, v. 24, n. especial, p. 67-75, 2012.

FERREIRA, Fernanda Nunes. Multiculturalismo e currículo escolar: desafios e possibilidades para o novo milênio. Pesquisa em Pós-Graduação – Série Educação, n. 7, p. 133-142, 2011.

GATTI, Bernardete Angelina. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out.-dez. 2010.

LOPES, Alice Casimiro. Políticas de currículo: competencias y asignaturas. In: IX CONGRESO NACIONAL DE INVESTIGACIÓN EDUCATIVA, 2009, México. Anais do IX Congreso Nacional de Investigación Educativa. México: COMIE, 2009, p. 87-104.

LÜDKE, Marli. Educação formal e não formal, processos formativos e saberes pedagógicos: desafios para a inclusão social. In: XIV ENDIPE, 2006. Recife/PE. Anais do XIV ENDIPE. Recife/PE: Universidade Federal de Pernambuco, 2006.

MATEUS, Elaine. Conversa com Elaine Mateus. In: SILVA, K. A. da.; ARAGÃO, R. C. (Org.). Conversas com formadores de professores de línguas: avanços e desafios. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013. p. 93-111.

MIGNOLO, Walter. Capitalismo y geopolítica del conocimiento: El eurocentrismo y la filosofía de la liberación en el debate intelectual contemporáneo. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2014.

MIRANDA, Cláudia. Currículos decoloniais e outras cartografias para a educação das relações étnico-raciais: desafios político-pedagógicos frente à Lei nº 10.639/2003. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as, v. 5, n. 11, p. 100-118, 2013.

MOURA, Eduardo Santos. Inquietações, decolonialidade e desobediência docente: formação inicial de professores/as de artes visuais na América Latina. Revista Papeles, v. 9, n. 18, p. 21-33, jul-dez. 2017.

NETO, João Colares Mota. Paulo Freire e Orlando Fals Borda na genealogia da pedagogia decolonial latino-americana. Folios, n. 48, p. 21-33, 2018.

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores - saberes da docência e identidade do professor. Nuances, n. 3, p. 5-14, set. 1997.

POSO, Fabiana de Freitas; MONTEIRO, Bruno Andrade Pinto. Análise dos relatórios de licenciandos em Biologia de uma universidade pública acerca da temática avaliação da aprendizagem. Pesquiseduca, v. 11, p. 60-77, 2019.

ROCHA, Alessandra Fontes Carvalho. Processos e práticas decoloniais na formação de professores. RELACult – Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, v. 3, n. especial, p. 1-19, dez./2017.

SACRISTÁN, José Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática, 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SILVESTRE, Viviane Pires Viana. Práticas problematizadoras e de(s)coloniais na formação de professores/as de línguas: teorizações construídas em uma experiência com o Pibid. 2016. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) - Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

TARDIF, Maurice. Saberes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2012.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Didática: entre o pensar, o dizer e o vivenciar. Ponta Grossa: Ed. UEPG, 2012.

WALSH, Catherine E. Interculturalidad y colonialidad del poder: un pensamiento y posicionamiento “otro” desde la diferencia colonial. In CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo Del Hombre Editores, 2007.

ZANLORENZI, Marcos Aurélio.; OLIVEIRA, Anderson Martins. Educação Matemática em territórios contestados: um currículo diferenciado para as ilhas do litoral do Paraná. Educação Matemática Pesquisa: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, v. 19, n. 3, p. 209-229, 2017.

Publicado

2021-01-24

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua