ESCRITAS E REFLEXÕES DE SI: memorial como dispositivo autoformativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.5400

Palavras-chave:

Memória. Formação Docente. Narrativa (auto)biográfica.

Resumo

O artigo busca compreender a contribuição do memorial como dispositivo metodológico que contribui na/para a formação docente. A pesquisa se configura numa abordagem qualitativa que emprega análise biográfica desenvolvida com a intenção de compreender a produção (auto)biográfica como recurso (auto)formativo de/para formação docente. Utiliza-se como recolha de informações as escritas de um memorial de formação produzido por uma professora em formação continuada em curso de pós-graduação. As concepções se ancoram nos fundamentos de Diehl (2002), Souza (2006), Gomes (2008), Josso (2010), Tardif (2012) e Silva (2020). Os resultados sugerem que as discussões em torno da pesquisa (auto)biográfica no campo educacional possibilita ao sujeito produzir sentido sobre o processo de formação e sobre as aprendizagens desenvolvidas no percurso formativo. Foi possível evidenciar que a utilização da escrita (auto)biográfica constitui-se em um interessante instrumento formativo pessoal/profissional. 

 

Biografia do Autor

Fabrício Oliveira da Silva, Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS

Doutor em Educação. Professor Adjunto do Departamento de Educação – Área Prática de Ensino. Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGE/UEFS. E-mail: fosilva@uefs.br

Rita de Cássia Menezes de Mattos, Universidade Estadual de Feira de Santana

Estudante do Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGE/UEFS. E-mail: kassiamatos@hotmail.com

Referências

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da Educação e da Pedagogia: geral e Brasil. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Moderna. 2006.

BOSI, Eclea. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 2. ed. São Paulo: T. A. Queiroz, Ed. da USP, 1987.

CHAUI, Marilena de Souza. O conhecimento – A memória. In: CHAUI, Marilena de Souza. Convite à filosofia. 9. ed. São Paulo: Ática, 1997. p. 125-130.

DIEHL, Astor Antônio. Memória e identidade: perspectivas para a história. In: DIEHL, Astor Antônio. Cultura historiográfica: memória, identidade e representação. Bauru: EDUSC, 2002. p. 111-136.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991. 207 p.

GOMES, Mercio Pereira. Cultura e seus significados. In: GOMES, Mercio Pereira. Antropologia: ciência do homem: filosofia da cultura. São Paulo: Contexto, 2008. p. 33-51.

HORTA, Maria de Lourdes Parreiras. Os lugares da memória. In: SILVA, René Marc da Costa. (org). Cultura popular e educação: salto para o futuro. Brasília: Ministério da Educação, 2008. p. 111-118.

JEDLOWSKI, Paolo. Memórias: temas e problemas da sociologia da memória no século XX. Campinas: Pro posições, v. 14, n.1, p. 217-234, 2003.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2010.

LARROSA, Jorge Bondia. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 19, abr. 2002. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf >. Acesso em: 16 dez. 2019.

PASQUALLI, Roberta; CASSARO, Clovis Alceu. Inovações Pedagógicas na Pós-Graduação na modalidade de Educação a Distância no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina. Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas. v. 21 n. 2, p. 173-180, 2020. Disponível em: https://revista.pgsskroton.com/index.php/ensino/article/view/7587. Acesso em: 16 nov. 2020.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.2, n. 3, 1989. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2278/1417 > Acesso em: 13 nov. 2019.

ROSA, Guimarães. Grande Sertão: Veredas. 3. ed., Rio de Janeiro: José Olympio, 1993.

SILVA, Fabrício Oliveira da. Tessituras constitutivas da abordagem (auto)biográfica como dispositivo de pesquisa qualitativa. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 15, p. 1-15, 2020 Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa. Acesso: mar. 2020.

SILVA, Fabricio Oliveira da. Formação docente no PIBID: temporalidade, trajetórias e constituição identitária. 2017. 220 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2017.

SILVA, Maria Aparecida de Moraes. Das mãos à memória – Maria Aparecida. In: MARTINS, Jose Souza; NOVAES, Cornelia Eckert, Sylvia Caiuby. (orgs.). O imaginário e o poético nas ciências sociais. Bauru, SP: EDUSC, 2005. p. 295 – 315.

SOUZA, Elizeu Clementino. História de vida e práticas de formação: escrita de si e cotidiano escolar. In: Série História de Vida de Formação de Professores. Boletim do Salto para o futuro. Brasília: Secretaria de Educação à distância. Ministério da Educação, 2007a. Disponível em: <https://docplayer.com.br/7421087-Historias-de-vida-e-formacao-de-professores-1.html >. Acesso em: 21 de nov. 2019.

SOUZA, Elizeu Clementino. (Auto)biografia, histórias de vida e práticas de formação. In: NASCIMENTO, AD., e HETKOWSKI, TM., (Orgs.). Memória e formação de professores [online]. Salvador: EDUFBA, 2007b. p. 59 -74. ISBN 978-85-232-0484-6.

SOUZA, Elizeu Clementino. O conhecimento de si. Estágio e narrativas de formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A; Salvador, BA: UNEB, 2006.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 13. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

VIEIRA, Marilandi Maria Mascarello; VIEIRA, Josimar de Aparecido; PASQUALLI, Roberta. Formação de professores da educação profissional nos programas especiais de formação pedagógica. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S.l.], v. 1, n. 7, p. 43-55, mar. 2014. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/3551. Acesso em: 16 nov. 2020.

Publicado

2021-02-03

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua