ESPAÇOS, RELAÇÕES E EXPERIÊNCIAS DA CRIANÇA:

um estudo sobre infâncias de uma geração

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.5782

Palavras-chave:

Infância. Geração. Espaços. Relações. Experiências.

Resumo

O estudo teve o objetivo de compreender como se caracterizam elementos da Cultura Infantil nas infâncias de uma geração, a partir da análise de narrativas escritas por universitários. As perspectivas teóricas se deram pelo entendimento da infância enquanto categoria geracional da Sociologia da Infância, construída por pessoas nascidas numa mesma geração. Por meio de uma pesquisa exploratória, o estudo apresentou as características das infâncias de 88 jovens da Licenciatura em Educação Física da UFPR, que viveram suas infâncias na década de 1990. Os procedimentos metodológicos foram a identificação e categorização de elementos de narrativas escritas, por meio da análise de conteúdo. Assim, apesar de existirem diferentes infâncias, foi possível categorizar elementos comuns da Cultura Infantil, nas narrativas analisadas, e identificar características similares sobre espaços, relações e experiências da criança.

Biografia do Autor

Emanuelle Sartori, Universidade Federal do Paraná

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Membro do Grupo de Pesquisa Educamovimento, que integra o núcleo de Estudos e Pesquisas em Infância e Educação Infantil (NEPIE) da UFPR. E-mail: manu_sartori@hotmail.com

Aline Maria Lunardon, Universidade Federal do Paraná

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Membro do Grupo de Pesquisa Educamovimento, que integra o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Infância e Educação Infantil (NEPIE) da UFPR. Professora da Prefeitura Municipal de Curitiba – Paraná. E-mail: licalunardon@gmail.com

Marynelma Camargo Garanhani, Universidade Federal do Paraná

Doutora em Educação. Professora do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Coordenadora do Grupo de Pesquisa Educamovimento, que integra o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Infância e Educação Infantil (NEPIE) da UFPR. E-mail: marynelmagaranhani@gmail.com

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70 LDA, 2016.

BARREIRO, Alex; SANTIAGO, Flávio. Indicações nacionais para o currículo da escola da infância e do primeiro ciclo de instrução. In: FINCO, Daniela; BARBOSA, Maria Carmen Silveira; GOULART, Ana Lúcia. (Orgs.). Campos de experiências na escola da infância: contribuições italianas para inventar um currículo de educação infantil brasileiro. Campinas, SP: Edições Leitura Crítica, 2015. p. 15-183.

BORBA, Ângela Meyer. O brincar como um modo de ser e estar no mundo. In: BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. p. 33-45.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brinquedos e brincadeiras de creches: manual de orientação pedagógica. Brasília: MEC/SEB, 2012.

BROUGÉRE, Gilles. Brinquedo e Cultura. Revisão técnica e versão brasileira adaptada por Gisela Wajskop, 8. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

CORSARO, Willian Arnold. Sociologia da Infância. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri. Diferentes Infâncias, diferentes questões para a pesquisa. In MARTINS FILHO, Altino José; PRADO, Patrícia Dias (org). Das pesquisas com crianças à complexidade da infância. Campinas, SP: Autores Associados, 2011, p. 11 – 25.

DIAS, Sabrina da Costa. A emergência da sociologia da infância: rupturas conceituais no campo da sociologia e os paradoxos da infância na contemporaneidade. Veras, v. 2, n. 1, p. 63-80, 2012.

FORNEIRO, Lina Iglesias. A organização dos espaços na Educação Infantil. In ZABALZA, Miguel. A qualidade em educação infantil. Porto Alegre: Editora Artmed, 1998, p. 223-270.

FRANCISCO, Deise Juliana; SILVA, Adriana Paula. Criança e apropriação tecnológica: um estudo de caso mediado pelo uso do computador e do tablet. Revista Holos, Instituto Federal do Rio Grande do Norte, v. 6, n. 31, p. 277-296, 2015.

GIDDENS, Anthony. Conceitos essenciais da Sociologia. Tradução Claudia Freire. São Paulo: Editora Unesp, 2016.

GRAUE, Elizabeth; WALSH, Daniel. Investigação etnográfica com crianças: teorias, métodos e ética. Tradução de Ana Maria Chaves. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

GUSMÃO, Neusa Maria Mendes de. Infância e velhice: desafios da multiculturalidade. In: GUSMÃO, Neusa Maria Mendes de. (org.). Infância e Velhice: pesquisa de ideias. Campinas, SP: Editora Alínea, 2003. p 15-32.

KRAMER, Sonia. A infância e sua singularidade. In: BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. p. 13-23.

KUHN, Roselaine; CUNHA, Antonio; COSTA, Andrize. Sem tempo para brincar: as crianças, os adultos e a tirania dos relógios. Revista Kinesis, v. 1, n. 33, p. 104-118, jan-jul, 2015.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação [online], n. 19, p.20-28. 2002.

MULLER, Fernanda; NUNES, Brasilmar. Infância e Cidade: um estudo em desenvolvimento. Educ. Soc, v. 35, n. 128, p. 629-996, jul-set, 2014.

NASCIMENTO, Anelise Monteiro do. A infância na escola e na vida: uma relação fundamental. In: BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. p. 25-32.

OLIVEIRA, Maxwell Ferreira de. Metodologia científica: um manual para a realização de pesquisas em Administração. Catalão: UFG, 2011.

PALLASMAA, Juhani, Habitar. [tradução e revisão técnica Alexandre Salvaterra]. São Paulo: Gustavo Gili, 2017.

PROUT, Alan. Reconsiderando a nova Sociologia da Infância. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 141, p. 729-750, set./dez. 2010.

PROUT, Alan.; JAMES, Allison. A new paradigm for the sociology of childhood? Provenance, promise and problems. In: Constructing and reconstructing childhood. London: Falmer Press, 1990, p. 7-34.

QVORTRUP, Jens. A infância enquanto categoria estrutural. Educação e Pesquisa, v. 36, n. 2, p. 631-643, maio/ago., 2010.

SARMENTO, Manuel Jacinto. A Sociologia da Infância e a sociedade contemporânea: desafios conceituais e praxeológicos. In: ENS, Romilda Teodora; GARANHANI, Marynelma Camargo (organizadoras). A Sociologia da Infância e a formação de professores. Curitiba: Champagnat, 2013. p. 13-46.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Gerações e alteridade: interrogações a partir da Sociologia da Infância. Educação e Sociedade, v. 26, n. 91, p. 361-378., 2005.

SARMENTO, Manuel, J. PINTO, Manuel. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª Modernidade. In: SARMENTO, Manuel, J; CERISARA, Ana Beatriz. Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da Infância e educação. Porto, Portugal: Edições ASA, 2004. p. 9-34.

SILLAS, Sônia; DEDECEK, Ivanir. Investir por uma qualidade cotidiana. In. BONACCINI, Sabrina; PRANDI, Roberta; SILLAS, Sônia; DEDECEK, Ivanir. Pesquisa no cotidiano: uma experiência com crianças pequenas. CEI PARLENDA, Curitiba, 2019.

SILVA, Carmem; SODRÉ, Liana. As crianças do campo e suas vivências: o que mostram suas brincadeiras e brinquedos. Cad. Cedes, v. 37, n. 103, p.361-376, set-dez, 2017.

Publicado

2021-01-07

Edição

Seção

Dossiê - Infância e Crianças: discussões à luz da Sociologia da Infância