NOVO ENSINO MÉDIO: consequências e perspectivas para a formação dos jovens

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.5786

Palavras-chave:

Ensino médio; Políticas educacionais; Juventude.

Resumo

Este artigo reflete sobre o contexto atual do Ensino Médio brasileiro, por meio da análise dos discursos presentes na Reforma do Ensino Médio e na Base Nacional Comum Curricular-BNCC, no que se refere a formação dos jovens em nível médio na atualidade. A partir de pesquisa bibliográfica e documental, analisamos as mudanças recentes nesta etapa de ensino, promovidas por estas reformas curriculares.  Consideramos que tais reformas encontram-se afinadas com as políticas neoliberais para educação brasileira das últimas décadas, com ênfase no protagonismo juvenil, colocando o jovem como definidor de seu percurso formativo, além de focar na necessidade do desenvolvimento de competências e habilidades requeridas pelas novas formas de organização do trabalho produtivo. Ou seja, estas representam mais retrocessos para a educação da classe trabalhadora, e reforçam a dualidade estrutural já existente, além de provocar o empobrecimento de conteúdo desta etapa do ensino.

Biografia do Autor

Suely Aparecida Martins, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, campus de Francisco Beltrão.

Doutora em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Professora do curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação Unioeste-Fbe. E-mail: martins_sue@hotmail.com.  

Franciele Soares dos Santos, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Pelotas-UFPel. Professora do curso de Pedagogia -Unioeste-Fbe. E-mail: sfrancielesoares@gmail.com

Referências

ABDALA, Vitor. Taxa de desemprego de jovens atinge 27,1% no primeiro trimestre. Agência Brasil, Brasília, 15 mai. 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2020-05/ibge-taxa-de-desemprego-de-jovens-atinge-271-no-primeiro-trimestre. Acesso em: 02 de dez.2020.

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

BANCO MUNDIAL. Aprendizagens para todos: investir nos conhecimentos e competências para promover o desenvolvimento. Washington, DC: BM, 2011.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação: lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares para o Ensino Médio. Brasília, DF: MEC, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular. Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf Acesso em: 20 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Medida Provisória MPV 746/2016. Brasília, 22 de setembro de 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/Mpv/mpv746.htm Acesso em: 20 jul. 2018.

BRASIL. Lei 13.415/2017. Brasília, 16 de fevereiro de 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Acesso em: 20 ago. 2018.

CATINI, Carolina. Educação e empreendedorismo da barbárie. In: CÁSSIO, Fernando (org.) Educação contra a barbárie. São Paulo: Boitempo, 2019. p. 33-39

CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise. Ensino Médio e Educação Profissional no Brasil: dualidade e fragmentação. Retratos da Escola, v. 5, n. 8, p. 27-41, jan.jun. 2011. Disponível em: http/www.esforce.org.br

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo. São Paulo: Boitempo, 2016.

DUARTE, Newton. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 4 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

FERREIRA, E B.; SILVA, M. R. Apresentação. Educação e Sociedade. Campinas, v. 38, n. 139, abr.jun. 2017.

FERRETTI, Celso J.; ZIBAS, Dagmar M. L.; TARTUCE, Gisela Lobo B. P. Protagonismo juvenil na literatura especializada e na reforma do ensino médio. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 34, n. 122, p. 411-423, maio/ago. 2004.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. In: Educação e Sociedade. Campinas, v. 33, n.119, p.379-404. Abr. jun. 2012.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os empresários e a política educacional: como o proclamado direito à educação de qualidade é negado na prática pelos reformadores empresariais. In: Boletim de Educação – Número 12. II Encontro Nacional de Educadoras e Educadores da Reforma Agrária – II ENERA: Textos para estudo e debate. MST. São Paulo, 2014.

FREITAS, Luiz Carlos de. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva: um (re) exame das relações entre educação e estrutura econômico-social e capitalista. 3.ed. São Paulo: Cortez, Autores Associados, 1989.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Reforma do ensino médio do (des) governo de Temer: decreta-se uma escola para os ricos e outra para os pobres. Boletim da Anped, 22 de set. 2016. Disponível em: <http://www.anped.org.br/news/reforma-de-ensino-medio-do-des-governo-de-turno-decreta-se-uma-escola-para-os-ricos-e-outra>. Acesso em: 11 jul. 2017.

GUIMARÃES, Cátia. Como anda o Novo Ensino Médio? Poli: saúde, educação, trabalho. Rio de Janeiro, a XII, n. 68, jan./fev.2020. p. 06-13.

GENTILI, Pablo. Educar para o desemprego: a desintegração da promessa integradora. In.: FRIGOTTO, Gaudêncio (org.). Educação e crise do trabalho: perspectivas de final de século. Rio de Janeiro: Petrópolis, 2001.

HARVEY, David. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. São Paulo, SP: Boitempo, 2011.

HILARIO, Wesley Fernando de A.; ZILIANI, Rosemeire de Lourdes Monteiro. Crises econômicas no Brasil e as reformas/contrarreformas do Ensino Médio. Argumentum, Vitória, v. 11, n. 03, p. 67-80, set. dez. 2019.

LEHER, Roberto. Organização, estratégia política e o Plano Nacional da Educação. In: Boletim de Educação – n 12. II Encontro Nacional de Educadoras e Educadores da Reforma Agrária – II ENERA: Textos para estudo e debate. MST. São Paulo, 2010.

LIMA FILHO, Domingos Leite. É necessário resistir ao empobrecimento do currículo (entrevista). Poli: saúde, educação, trabalho, p. 23-26, n. 50, mar/abr. 2017.

MARTINS, André Silva; NEVES, Lúcia Maria Wanderley. Pedagogia do capital. In: CALDART, Roseli S.; PEREIRA, Isabel B.; ALENTEJANO, Paulo; FRIGOTTO, Gaudêncio. Dicionário de Educação do campo. Rio de Janeiro. São Paulo: EPSJV. Expressão Popular, 2012.

MOTTA, Vânia Cardoso da; LEHER, Roberto; GAWRYSZEWSKI, Bruno. A pedagogia do capital e o sentido das resistências da classe trabalhadora. Ser Social, Brasília, v. 20, n. 43, jul/dez. 2018.

NEVES, Lúcia M. Wanderley. Brasil século XXI: propostas educacionais em disputa. In.: LOMBARDI, José Caludinei; SANFELICE, José Luís (orgs.). Liberalismo e educação em debate. São Paulo: Autores Associados, Histedbr, 2007.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Desemprego, informalidade e desocupação afetam jovens na América Latina e no Caribe. Brasília: OIT, 2020. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/noticias/WCMS_738633/lang--pt/index.htm. Acesso em: 02 de dez. 2020.

PERONI, Vera; ADRIÃO, Theresa. A formação das novas gerações como campo para os negócios? In: AGUIAR, Márcia Ângela da S; DOURADO, Luiz Fernandes. A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018.

RAMOS, Marise. Pedagogia das competências. In: PEREIRA, Isabel Brasil e LIMA, Júlio César França. Dicionário da educação profissional em saúde.2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: EPSJV, 2009.

RAMOS, Marise. Entrevista: MÉDIOTEC: nova cara do PRONATEC para acelerar Reforma do Ensino Médio. Poli: saúde, educação, trabalho. Rio de Janeiro, v. 9, n. 50, p. 6-7, mar./abr.2017.

RUMMERT, Sonia M.; ALGEBAILE, Eveline; VENTURA, Jaqueline. Educação e formação humana no cinerário de integração subalterna no capital-imperialismo. In.: SILVA, Mariléia Maria da; EVANGELISTA, Olinda; QUARTIERO, Elisa Maria (orgs.). Jovens, trabalho e educação: a conexão subalterna de formação para o capital. Campinas: Mercado das Letras, 2012, p. 15-70.

SILVA, Mônica R.; FERRETI, Celso. J. Reforma do ensino médio no contexto da Medida Provisória n. 746/2016: Estado, currículo e disputas por hegemonia. Educação & Sociedade. Campinas, v. 38, nº. 139, p.385-404, abr.-jun., 2017. Disponível em http://www.scielo.br/scielo php?pid=S0101-73302017000200385&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 28 ago. 2018.

SANTO FILHO, Edson do Espírito; LOPES, Vânia Pereira Moraes; IORA, Jacob Alfredo. Os reformadores empresariais e o Ensino Médio no Brasil: interesses e projetos em disputa. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 11, n. 2, p. 159-170, 2019.

SILVA, Monica Ribeiro da. A BNCC da Reforma do Ensino Médio: o resgate de um empoeirado discurso. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 34, p. 1-15, 2018.

SOUZA, Regina Magalhães de. Protagonismo juvenil: o discurso da juventude sem voz. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, v. 1, p. 1-28, 2009.

SHIROMA, Eneida O.; EVANGELISTA, Olinda E. Um fantasma ronda o professor: a mística da competência. In: MORAES, M. C. M. (org.). Iluminismo às avessas: produção de conhecimento e políticas de formação docente. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

SHIROMA, Eneida; CAMPOS, Roselane; GARCIA, Rosalba. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 427-446, jul./dez. 2005.

SHIROMA, Eneida; GARCIA, Rosalba Maria Cardoso; CAMPOS, Roselane de Fátima. Conversão de “almas” pela liturgia da palavra: uma análise do discurso todos pela educação. In: BALL, Stephen J; MAINARDES, Jefferson. Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

TAFFAREL, Celi N. Z.; BELTRÃO, José A. Destruição das forças produtivas e o rebaixamento da formação da classe trabalhadora: o caso da reforma e da BNCC do Ensino Médio. Germinal Marxismo e Educação em Debate, Salvador, n. 1, p. 103-115, abr. 2019.

TONET, Ivo. A educação numa encruzilhada. In: MENEZES, Ana M. D.; FIGUEIREDO, Fábio F. (orgs.). Trabalho, sociabilidade e educação: uma crítica à ordem do capital: UFC, 2003. Disponível em http://ivotonet.xp3.biz/arquivos/A_educacao_numa_encruzilhada.pdf. Acesso em: 02 dez. 2020.

UNESCO e CEPAL. Protagonismo juvenil en proyectos locales: lecciones del Cono Sur. Santiago de Chile: CEPAL, 2001, anexo, p. 143-58.

Publicado

2021-02-03

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua