SOCIOLOGIA DA INFÂNCIA E PEDAGOGIA FREIREANA

: algumas aproximações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.5788

Palavras-chave:

Sociologia da Infância. Pedagogia de Paulo Freire. Infância. Criança.

Resumo

Com este estudo, objetiva-se apresentar algumas aproximações entre a Sociologia da Infância e a pedagogia freiriana, além de destacá-las e apontá-las como aportes teóricos de uma educação como sinônimo de liberdade e de autonomia. A Sociologia da Infância e a pedagogia freiriana apresentam convergências teóricas e epistemológicas ao abordar questões como diálogo, escuta, curiosidade, autonomia e liberdade. Ambas coadunam com uma educação pensada a partir de seus sujeitos, de suas experiências, de suas vozes, saberes e fazeres. Na intenção de trazer aspectos semelhantes dessas duas correntes, indica-se a pesquisa bibliográfica a partir de Qvortrup (2010), Corsaro (2011), Sarmento (2015) e Freire (1982, 2003). Conclui-se que a Sociologia da Infância se torna, tal como a Pedagogia de Freire, um agir em busca de autonomia, pois entende que o ser humano se forma desde a infância. Essa formação é vista como processo, daí a provocação para que esta não seja vista apenas como uma fase passageira, mas como uma categoria potencialmente capaz de formar sujeitos felizes, desde que estimulados pelo afeto e pela amorosidade, como a infância vivida por Freire em Recife. 

Biografia do Autor

FERNANDA REGINA SILVA DE AVIZ, UEPA

Doutoranda em Educação. Universidade do Estado do Pará. Grupo de pesquisa Infância, Cultura e Educação. Servidora municipal da Prefeitura Municipal de Bragança e Tracuateua. E-mail: nanda_aviz@hotmail.com

TANIA REGINA LOBATO DOS SANTOS, Universidade do Estado do Pará-UEPA

Doutora em Educação. Professora titular e docente da Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro de Ciências Sociais e Educação, Universidade do Estado do Pará-UEPA, Campus Belém, Brasil. Grupo de pesquisa: Infância, Cultura e Educação Infantil.  E-mail: tania02lobato@gmail.com

NILZA MARIA RIBEIRO, Universidade do Estado do Pará

 

Mestre em Educação. Universidade do Estado do Pará, Campus Belém. Grupo de pesquisa Infância, Cultura e Educação. Professora da Educação Básica do município de Ananindeua-PA. E-mail: nipedag@gmail.com

Referências

BRANDÃO, C. R. Olhar o mundo e ver a criança: ideias e imagens sobre ciclos de vida e círculos de cultura. Crítica Educativa (Sorocaba/SP), v. 1, n. 1, p. 108-132, jan./jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2020.

CORSARO, W. A. Sociologia da Infância. Tradução: Lia Gabriele Regius Reis. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DURKHEIM, É. Educação e Sociologia. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se complementam. São Paulo: Cortez: Autores associados, 1982.

FREIRE, P. Cartas à Cristina: reflexões sobre minha vida e minha práxis. 2. ed. ver. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

FREIRE, P.; BETTO, F. Essa escola chamada vida: depoimento ao repórter Ricardo Kotsho. 2. ed. São Paulo: Ática, 1985.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

FREIRE, P. Por uma pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora Unesp, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 36. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007.

FREIRE, P. Pedagogia dos sonhos possíveis. São Paulo: UNESP, 2001.

FREIRE, P. A educação na cidade. São Paulo: Cortez Editora, 1991.

KOHAN, W. O. Paulo Freire: outras infâncias para a infância. Educação em Revista. Belo Horizonte. v. 34, 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/edur/v34/1982-6621-edur-17-e199059.pdf>. Acesso em: 18 jan. 2020.

MONTANDON, Cleópâtre; LONGCHAMP, Philippe. Você disse autonomia? Uma breve percepção da experiência das crianças. Perspectiva, Florianópolis, v. 25, n. 1, 83-104, jan./jun. 2007. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/1631/1372>. Acesso em: 28 set. 2020.

PROUT, Allan; JAMES, Allison. “A new paradigm for the sociology of childhood? Provenance, promise and problems”. JAMES, Allison; PROUT, Alan (ed.). Constructing and reconstructing childhood: contemporany issues in the sociological study of childhood. Basingstoke: Falmer Press, 1990. p. 7–33.

QVORTRUP, Jens. A infância enquanto categoria estrutural. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 631-643, maio/ago., 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ep/v36n2/a14v36n2.pdf>. Acesso em: 17 jul. 2019.

QVORTRUP, Jens. Visibilidades das crianças e da infância. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 20, n. 41, p. 23-42, jan./abr. 2014. Disponível em: <https://www.redalyc.org/pdf/1935/193530606003.pdf>. Acesso em 19 set. 2020.

SARMENTO, M. J. Sociologia da Infância: Correntes e Confluências. In: SARMENTO, M. J.; GOUVÊA, M. C. S. de (org.). Estudos da Infância: educação e práticas sociais. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 17-39.

SARMENTO, M. J. Uma agenda crítica para os estudos da criança. Currículo sem Fronteiras, Braga, Portugal, v. 15, n. 1, p. 31-49, jan./abr. 2015.

SIROTA, R. Emergência de uma Sociologia da Infância: evolução do objeto e do olhar. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 112, p. 7-31, mar., 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/n112/16099.pdf>. Acesso em: 24 jul. 2019.

Publicado

2021-01-24

Edição

Seção

Dossiê - Infância e Crianças: discussões à luz da Sociologia da Infância