DIÁLOGOS POSSÍVEIS: articulação de saberes locais com o ensino de Botânica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6109

Palavras-chave:

Saber. Diálogo. Ensino médio. Botânica.

Resumo

Este trabalho se configura a partir do resultado da pesquisa no âmbito do mestrado acadêmico do Programa de Pós-graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia, e tem por objetivo a compreensão do diálogo entre o saber local sobre o cultivo da mandioca com o processo de ensino-aprendizagem de Botânica no Ensino Médio a partir da articulação entre diferentes saberes. Visa, ainda, ressaltar a necessidade de evidenciar um saber com base nas experiências de vida que são constituídas de significados para os sujeitos que as experienciam, embora tais sujeitos sejam, às vezes, ofuscados e considerados como acríticos, ingênuos e não-ocidentalizados, dentre outras denominações, em detrimento de outro saber considerado científico. Essa compreensão se faz necessária para questionar a ideia de que ambos conhecimentos (local e científico) são incomensuráveis. Quando articulados aos conhecimentos escolares podem fazer sentido, além de poderem ser aplicados na tomada de decisões acerca de problemas reais do cotidiano. Os resultados foram analisados de maneira interpretativa numa perspectiva fenomenológica, apontam a contribuição para o processo de ensino-aprendizagem em Botânica a partir do estabelecimento de um diálogo entre o saber local sobre o cultivo da mandioca, sobretudo no que diz respeito à percepção dos estudantes no que tange à relação com o ensino e sua cotidianidade.

Biografia do Autor

Leandro Nogueira Batista, Universidade do Estado do Amazonas

Mestre em Educação e Ensino de Ciências – Universidade do Estado do Amazonas/Escola Normal Superior. Fundamentos da Educação e Ensino de Ciências - GEPFEEC. leandrobatistta@outlook.com.br

José Vicente de Souza Aguiar, Universidade do Estado do Amazonas - UEA

Doutor em Educação - Universidade do Estado do Amazonas/Escola Normal Superior. Fundamentos da Educação e Ensino de Ciências - GEPFEEC. Vicenteaguiar1401@gmail.com

Referências

AGUIAR, Madalena Otaviano; FREITAS, Elaine do Nascimento Malheiros (orgs). Plantas da Ilha de Duraka – São Gabriel da Cachoeira – Amazonas: estudo etnobotânico. 2. ed., Editora Valer, PPBio-INPA, Manaus, 2006.

BECKER, Howard Saul. Métodos de pesquisa em Ciências sociais. Hucitec Editora, São Paulo, 1993.

BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. Sobre a Fenomenologia. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani; EXPOSITO, Vitória Helena (orgs.). A pesquisa qualitativa em educação: um enfoque fenomenológico. Piracicaba: Editora Unimep, 1994.

BOURDIEU, Pierre. A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 4. ed., 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Educação é a base. Versão final, Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br. Acesso em: 18 nov. 2018.

DUTRA, Ana Paula; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. A Botânica e suas metodologias de ensino. Revista da SBEnBIO – Associação brasileira de ensino de biologia, n° 7, 2014.

FINI, Maria Inês. Sobre a pesquisa qualitativa em Educação, que tem a Fenomenologia como suporte. In: Maria Aparecida Viggiani Bicudo e Vitória Helena Exposito (orgs.). A pesquisa qualitativa em educação: um enfoque fenomenológico. Piracicaba: Editora Unimep, 1994.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves, 7. ed., Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. 14. ed., 2. reimpressão (Trad., Joscelyne, V.M.). Coleção antropologia, Petrópolis/RJ: Vozes, 2017.

IPHAN, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Sistema Agrícola Tradicional do Rio Negro. Departamento de Patrimônio imaterial. Dossiê IPHAN: Processo n° 01450.010779/2007-11, 2010.

KUHN, Thomas Samuel. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1998.

LEITE, José Carlos; LEITE, Eude Fernandes. Saber formal e Saber local: convergências e assimetrias. Ciências & Cognição, [S.l.], v. 17, n. 2, set. 2012. ISSN 1806-5821.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Mito e significado. Tradução de Antônio Marques Bessa. Perspectivas do homem, Edições 70, 1978.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. Tradução Tânia Pellegrini. Campinas, SP, Papirus Editora, 1989, 8. ed., 2008.

LOPES, Alice Ribeiro Casimiro. Bachelard: o filósofo da desilusão. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v.13, n3: p.248-273, dez. 1996.

MARTINS, Joel; BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. Estudos sobre existencialismo, fenomenologia e educação. São Paulo: Moraes, 1983.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Tradução Carlos Alberto Ribeiro de Mota. 5. ed., São Paulo, Editora WMF Martins Fontes, 2018.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências na transição para uma ciência pós-moderna. Estudos Avançados, São Paulo , v. 2, n. 2, p. 46-71, Aug. 1988. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141988000200007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 28 Mar. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141988000200007.

VIEIRA, Maria de Fátima; FRANCISCON, Carlos Henrique; RIBEIRO, Gilberto de Assis; RIBEIRO, Joana Darc; GUSMÃO, Gizelle Amora. Mandioca e macaxeira (Manihot Mill.) como tema transversal na escola rural do ensino fundamental no Amazonas, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 1, p. 15-17, jul. 2007. Disponível em:http://www.ufrgs.br/seerbio/ojs/index.php/rbb/article/view/51. Acesso em: 24 set 2019.

Publicado

2021-04-05

Edição

Seção

Dossiê: SABERES, MOVIMENTOS E EDUCAÇÃO: diálogos (in)comuns