A POLÍTICA DE COTAS TRABALHISTAS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6120

Palavras-chave:

Mercado de Trabalho. Pessoas com Deficiências. Sistema de Cotas.

Resumo

O presente artigo é resultado de uma pesquisa que analisa o Projeto de Lei nº 6.159/2019 o qual altera a forma de cumprimento da Lei nº 8.213 de 1991 e discute os possíveis impactos e desvantagens que acarretaram na vida das pessoas com deficiências que trabalham ou pretendem ser inseridas no mercado de trabalho. As oportunidades de acesso ao mercado de trabalho para pessoas com deficiência, mesmo com a atual lei que resguarda de 2% a 5% do quadro de funcionários para empresas com mais de 100 funcionários, são poucas e vão sendo implementadas após o amedrontamento das fiscalizações. Com o projeto de lei que alterou o cumprimento dessa cota, foram analisadas e discutidas as mudanças trazidas para a vida das pessoas com deficiência. Objetiva-se de modo geral, analisar as leis das cotas trabalhistas às pessoas com deficiência nos últimos anos e, de forma mais específica, reconhecer o que dizem as leis brasileiras sobre as cotas trabalhistas destinadas às pessoas com deficiência; verificar quais medidas os últimos governos têm adotado quanto a lei de cotas trabalhistas para essas pessoas. A metodologia utilizada foi de abordagem qualitativa, especificamente, na pesquisa documental, tendo ênfase em documentos oficiais e artigos científicos coletados na SciELO. Por fim, os resultados demostraram que com uma contratação estratégica e baseada na qualificação e contribuições, a inclusão laboral de pessoas com deficiência poderá gerar experiências positivas e engrandecedora.

Biografia do Autor

Thais Almeida Martins, UFG Regional Catalão

Graduada em Pedagogia – UFG Regional Catalão. Aluna Especial do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Goiás – Regional Catalão. Pertence ao grupo de pesquisa Práticas Educativas e Inclusão – NEPPEIN. E-mail: thais.almeida.martins@hotmail.com

Maria Marta Lopes Flores, Universidade Federal de Goiás

Doutorado em Educação -  Universidade Metodista de Piracicaba.  Pós-doutorado pela Universidade Federal de São Carlos (SP). Professora da Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão. Vice líder do Grupo de Pesquisa Práticas Educativas e Inclusão – NEPPEIN. E-mail: floresmariamartalopes@gmail.com

Referências

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

BARBOSA, Marina. Mara Gabrilli sensibiliza Congresso contra mudança na Lei de Cotas. In: Senado em Foco. Disponível em <https://congressoemfoco.uol.com.br/legislativo/maragabrilli-sensibiliza-congresso-contra- mudanca-na-lei-de-cotas>. Acesso em: 06 jun. 2020.

BIANCHETTI, Lucidio. Um olhar sobre a diferença: as múltiplas maneiras de olhar e ser olhado e suas decorrências. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília, v. 8, n. 1, p. 1-8, 2002.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Diário Oficial da União: Brasília, 1988.

BRASIL. Lei n° 8.213, de 24 de Julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm> Acesso em: 05. out. 2020

BRASIL. Ministério da Educação. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. LBI, 6 de julho de 2015.

BRASIL. Projeto de Lei nº 6.159, de 11 de novembro de 2019. Dispõe sobre habilitação e reabilitação profissional e social. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1837451&filena me=PL+6159/2019> Acesso em: 14 set. 2020.

DAINÊZ, Débora. Algumas implicações sobre a educação especial no sistema neoliberal. Comunicações, Piracicaba, SP, v. 16, n. 2, p. 31-45, 2009.

DRAIBE, Sonia Miriam. “Qualidade de vida e reformas de programas sociais: O Brasil no cenário latino- americano”. Lua Nova - Revista de Cultura e Política – CEDEC – Centro de Estudos de Cultura Comtemporânea nº 31, p. 5-46, 1993.

FIGUEIRA, Emílio. Caminhando no silêncio: uma introdução à trajetória das pessoas com deficiência na história do Brasil. São Paulo: Giz Editora, 2008.

FREITAS, Luiz Carlos de. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. Determinantes das políticas educacionais no Brasil contemporâneo: risco à democracia? Revista Pedagógica, Chapecó, v. 22, p. 1-17, 2020.

GENTILI, Pablo. Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: SILVA, Tomaz Tadeu da; GENTILI, Pablo. (org.). Escola S.A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. CNTE: Brasília DF, 1996.

KASSAR, Monica de Carvalho Magalhães. Liberalismo, neoliberalismo e educação especial: algumas implicações. Cad. CEDES [online]. 1998, vol.19, n.46, pp.16-28. ISSN 1678-7110. https://doi.org/10.1590/S0101-32621998000300003.

MACIEL, Maria Regina Cazzaniga. Portadores de Deficiência: a questão da inclusão social. São Paulo, Perspec. v.14, n.2, p. 51-56, 2000.

MARRACH, Sonia Alem. Neoliberalismo e educação. In: SILVA JUNIOR, Celestino Alves da; BUENO, Maria Sylvia; JUNIOR GHIRALDELLI, Paulo; MARRACH, Sonia Alem. Infância, Educação e Neoliberalismo. Cortez Editora: São Paulo SP, 1996.

MENDES, Eniceia Goncalves. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v.11, n.33, p. 387-405, 2006.

NACIF, Paulo Gabriel Soledade; SILVA FILHO, Penildon. A educação brasileira na mira do obscurantismo e Estado mínimo in: POCHMANN, Marcio (org.) Brasil: incertezas e submissão. São Paulo, Fundação Perseu Abramo, 2019.

NETTO, Jerusa Maria Figueiredo. Sexualidade e trabalho. In: OLIVEIRA, Maria Helena de Alcantara. (Org.). Trabalho e deficiência mental: perspectivas atuais. Brasília, D.F.: Dupligráfica Ed., 2003. p. 93-110.

OLIVEIRA, Romulado Luiz Portela de; BARBORA, Luciane Muniz Ribeiro. O neoliberalismo como um dos fundamentos da educação domiciliar. Pro-posições. Dossiê: Homeschooling e o direito à educação. Campinas-SP, 2017.

RODRIGUES, Daniel Almeida; BARROSO, Thyciana Maria Brito; ALVES, Juliana Ribeiro. Princípios da livre iniciativa e da livre concorrência: intervenção estatal do domínio econômico. Junho de 2017. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/58775/principios-da-livre-iniciativa-e-da-livre-concorrencia- intervencao-estatal-no-dominio- economico#:~:text=A%20livre%20concorr%C3%AAncia%20est%C3%A1%20correlacionad a,maneira%20poss%C3%ADvel%20sua%20atividade%20econ%C3%B4mica.> Acesso em 09 nov. 2020.

ROSA, Enio Rodrigues. O trabalho das pessoas com deficiência e as relações sociais de produção capitalista: uma análise crítica das políticas de cotas no Brasil. 2009. 249f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2009. Disponível em: <http://tede.unioeste.br/bitstream/tede/906/1/ENIO.pdf> Acesso em 17 de set. de 2020.

SAINT-JEAN, Micheline. Organização do trabalho e saúde mental. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 14, n. 3, p. 48-51, 2003.

SHIMONO, Sumiko Oki. Educação e trabalho: caminhos da inclusão na perspectiva da pessoa com deficiência. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil, 2008. Disponível em < https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-13062008-162039/publico/DissertacaoSumiko.pdf> Acesso em: 07 ago. 2020.

SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. 15. ed. São Paulo: Malheiros, 1998.

SILVA, Régis Henrique dos Reis; MACHADO, Robson; SILVA, Ribamar Nogueira da. Golpe de 2016 e a educação no Brasil. Revista HISTEDBR On-Line, 19, e019058. 2019. Disponível em: <https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8655755>. Acesso em 09 de out. de 2020.

SODRÉ, Antonio Carlos de Azevedo; ALVES, Maria Fernanda Colaço. Relação entre emendas parlamentares e corrupção municipal no Brasil: estudo dos relatórios do programa de fiscalização da Controladoria-Geral da União. Curitiba. Rev. Adm. Contemp., vol. 14, n. 3. 2010. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-65552010000300003&script=sci_arttext>. Acesso em 04 dez. 2020.

SOUZA, Gabriele Aparecida de Souza. Analisando o infeliz PL de Guedes sobre Pessoas com Deficiência. Justificando, Brasil, 05 de dez de 2019. Disponível em:

<https://www.justificando.com/2019/12/05/analisando-o-infeliz-pl-de-guedes-sobre-pessoas- com-deficiencia/>. Acesso em: 22 out. 2020.

SUBBARAO, A. V. Managing workforce diversity: an innovation or an evolution? In: World Congress of International Industrial Relations Association, 10., May/June 1995, Washington, DC, USA.

TOLDRÁ, Rosé Colom; MARQUE, Cecília Berni de; BRUNELLO, Maria Inês Britto. Desafios para a inclusão no mercado de trabalho de pessoas com deficiência intelectual: experiências em construção. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 21, n. 2, p. 158-165, maio/ago. 2010.

TOLDRÁ, Rosé Colom; SÁ, Maria José Comparini Nogueira de. A profissionalização de

pessoas com deficiência em Campinas: fragilidades e perspectivas. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 19, n. 1, p. 48-55, 2008.

Publicado

2021-04-05

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua