O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: Uma proposta de educação contextualizada para o Semiárido/Sertão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6147

Palavras-chave:

Ensino de Ciências. Educação Contextualizada. Relações Étnicas-Raciais. Semiárido/Sertão.

Resumo

Neste trabalho buscamos apresentar uma reflexão teórica tomando o desenvolvimento do Ensino de Ciências Naturais no Semiárido Brasileiro, tendo como perspectiva de subsidiar as práticas pedagógicas dos/as professores/as desse componente curricular no Ensino Fundamental, trazendo a importância do diálogo com os saberes historicamente construídos pelos povos que vivem nessa região, tendo em vista o significado da cultura popular da região Semiárida na formação de sujeitos críticos e autônomos. Procuramos, também, discutir sobre as políticas de formação de professores/as de Ciências e de desenvolvimento para o Semiárido Brasileiro tendo como fundamentação o que foi e está sendo feito para implementar uma proposta de educação, demonstrando como ela pode desconstruir o discurso que historicamente construiu subjetividades acerca do Semiárido no cenário nacional, negando suas verdadeiras potencialidades e os saberes compartilhados ao longo de toda sua existência pelos povos que vivem por toda sua extensão. O método adotado foi o de ensaio crítico-dialógico de conceitos a partir da literatura referente a temática relevantes para implementação de uma proposta de formação transdiciplinar para vivência no/do Semiárido/Sertão. A discussão sinaliza, para um olhar mais sensível frente à Lei nº 10.639/2003, que orienta o saber-fazer docente no que concerne uma educação para as relações étnico-raciais, bem como aponta possibilidades para enfrenter a descontextualização do currículo nas Ciências Naturais, o que impossibilita os/as estudantes refletirem sobre o verdadeiro papel da Ciência em suas vidas, para que eles/as possam entendê-la como parte de uma cultura produzida por homens e mulheres, bem como a sua relevância na compreensão dos fenômenos naturais observados no mundo que os/as cercam.

Biografia do Autor

Gustavo de Alencar Figueiredo, UFRN/CNPq

Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Professor do Curso de Licenciatura em Física da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do CNPq. E-mail: gualfig@gmail.com

Fredy Enrique González , Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em Educação pela Universidade de Carabobo, Valencia, Venezuela. Professor Aposentado na Universidad Pedagógica Experimental Libertado (UPEL, Núcleo Maracay, Aragua, Venezuela).  Professor Visitante estrangeiro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Línha de investigação "Educación, Construcción de las Ciencias y Prácticas. E-mail: fredygonzalezdem@gmail.com

Maria Kamylla Xavier, Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (PPGE/UFPB). Professora na EEEFM Nelson Batista Alves. Tutora do curso de Licenciatura em Física no Polo Universitário de Luís Gomes - RN. Professora visitante da FASP- PB no curso de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão, Coordenação e Docência. E-mail: kamylla.ufrn@gmail.com

Referências

ALMEIDA, Geraldo Peçanha de. Transposição didática: por onde começar? São Paulo: Cortez, 2011.

BARBOSA, Mirtes Lia Pereira. Práticas escolares:aprendizagem e normalização dos corpos. Porto Alegre, 2006. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Faculdade de Educação, UFRGS, 2006.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002.

BUENO, Rovilson José. Política Nacional do Livro Didático. Relatório do Seminário Nacional sobre Educação Contextualizada para Convivência com o Semiárido Brasileiro. MCT/INSA/RESAB. Campina-Grande - PB, 2010.

CARVALHO, Anna M. Pessoa de; GIL-PÉREZ, Daniel. Formação de professores de ciências. São Paulo: Cortez, 2006.

CHASSOT, Attico. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: UNIJUI, 2000.

CIURANA, Emílio. Pensar os sete saberes necessários à educação para uma política de civilização na era planetária. In. MORAES, Maria C.; ALMEIDA, Maria C. Os sete saberes necessários a educação do presente. Wak, 2012.

ERNESTO JÚNIOR, Francisco W. Educação anti-racista: reflexões e contribuições possíveis do ensino de ciências e de alguns pensadores. Ciência & Educação, v. 14, n. 3, p. 397-416, 2008.

FOUCAULT, Michel. Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 29. Ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

HOBSBAWN, Eric. Era dos extremos: o breve século XX — 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995, p.504-505.

HOLLIDAY, Oscar Jará. Para sistematizar experiências. João Pessoa: UFPB, 1995.

JAPIASSU, H. Nascimento e morte das ciências humanas. 6. ed. São Paulo: Francisco Alves, 1991.

LIMA, José Rosamilton de. O desafio da escola em trabalhar com a diversidade. Revista Memento - UNINCORV. 3, n. 1, jan.-jul. 2012.

MALDANER, Otávio Aloísio. A formação continuada de professores de Química. Ijuí: UNIJUI, 2000.

MARTINS, Josemar da Silva. Anotações em torno do conceito de Educação para a Convivência com o Semi-Árido. In: RESAB (Org.). Educação para convivência com o Semi-Árido: Reflexões teórico – práticas. 2.ed. Juazeiro/BA: Secretaria Executiva da Rede de Educação do Semi-Árido Braseiro, Selo Editorial – RESAB, 2006.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, Brasília –DF: UNESCO, 2000.

MORIN, Edgar. A Cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. 8 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

PERRENOUD, Philippe. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed, 1999.

POSO, Fabiana de Freitas; MONTEIRO, Bruno Andrade Pinto. A perspectiva decolonial nos cursos de formação de professores: uma revisão de literatura. Revista Pedagógica, v. 23, p. 1-18, 2021.

RIBEIRO, Rafael Winter. Seca e determinismo: a gênese do discurso do Semi-árido Nordestino. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ, v. 22, Rio de Janeiro, 1999.

RICARDO, Elio Carlos. Competências, interdisciplinaridade e contextualização:

dos Parâmetros Curriculares Nacionais a uma compreensão para o ensino das ciências. 2005. 257 f. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) – Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, 2005.

ROCHA, Solange; SILVA, José Antônio Novaes da. À luz da Lei 10.639/03, avanços e desafios: movimentos sociais negros, legislação educacional e experiências pedagógicas. Revista da ABPN • v. 5, n. 11 • jul.– out. 2013.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2003.

SANTOS, Wildson L. P.; MORTIMER, Eduardo Fleury. Concepções de Professores sobre Contextualização Social do Ensino de Química e Ciências. In: Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, 22., 1999, Poços de Caldas, MG. Livro de resumos. São Paulo: Sociedade Brasileira de Química, 1999.

SILVA, Roberto Marinho Alves da. Entre o combate à seca e a Convivência com o Semi-Árido: Transposições paradigmáticas e sustentabilidade do desenvolvimento. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2010.

SILVA, Adelaide Pereira da; BUENO, Rovilson José. Educação para Convivência com o Semi-Árido Brasileiro. In: BATISTA, Maria do Socorro Xavier; MOREIRA, Orlandil de Lima, JEZINE, Edineide (Orgs). Educação Popular e Movimentos Sociais: dimensões educativas na sociedade globalizada. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2008.

SOUZA, Ivânia Paula Freitas de. A gestão do currículo escolar para o desenvolvimento humano sustentável do Semi-Árido brasileiro. São Paulo: Peirópolis, 2005.

VEIGA-NETO, Alfredo; LOPES, Maura Corcini. inclusão, exclusão, in/exclusão. Verve, v. 20, 2011.

Publicado

2021-05-03

Edição

Seção

Dossiê: SABERES, MOVIMENTOS E EDUCAÇÃO: diálogos (in)comuns